Waldir Maranhão começa a pagar preço alto por ter contrariado o PP na votação do impeachment

 

waldir maranhão 2
Waldir Maranhão: começa a pagar preço alto por voto a favor da presidente Dilma Rousseff  no impeachment na Câmara Federal

Todas as avaliações feitas sobre os votos maranhenses na sessão da Câmara Federal que autorizou o Senado da República a instaurar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), a mais enfática foi, sem dúvida, a reviravolta protagonizada pelo 1º vice-presidente da Casa, deputado Waldir Maranhão (PP), que na antevéspera da votação foi dormir afinado com seu partido e com seu padrinho, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com voto certo a favor do impeachment, e acordou na véspera aliado da chefe da Nação, agora sob a orientação do governador Flávio Dino (PCdoB). Quando votou, fez questão de jurar fidelidade ao deputado-presidente perante o parlamento e a milhões de brasileiros que assistiram, incrédulos, ao seu voto inusitado e surpreendente. Waldir saiu da sessão festejado pelos aliados da presidente, mas consciente de que aquela manifestação lhe imporia um custo político muito elevado.

As bordoadas no 1º vice-presidente da Câmara não demoraram. Já na segunda-feira (18), Waldir Maranhão recebeu a maior de todas: por haver mudado de posição e votado em defesa da presidente da República, o parlamentar perdeu o comando do PP no Maranhão e foi ainda bombardeado pela informação – logo desmentida – segundo a qual seria expulso do partido. Waldir enfrentou a ira dos caciques do PP, que não engoliram o seu voto e imediatamente dispararam retaliações: fez uma intervenção branca na Comissão Provisória do Maranhão, tirou-lhe o comando do partido o entregou ao deputado André Fufuca, recém-filiado ao partido. Em relação ao Governo, Waldir Maranhão conseguiu manter o controle sobre alguns cargos federais no Maranhão e deve também ganhar um quinhão, ainda que modesto, na administração do governador Flávio Dino.

Entre seus colegas, a impressão dominante é a de que Waldir Maranhão saiu do episódio mais prestigiado pela presidente Dilma Rousseff e por alguns dos seus aliados mais próximos, mas também ganhou a ira dos adversários da presidente, que não engoliram a sua virada de mesa, deixando de cumprir o voto anti-Dilma. O 1º vice-presidente da Câmara Federal vive, assim, a incômoda dualidade do deputado que descumpriu a orientação e passou a se movimentar como uma espécie de vilão dentro do PP, onde perdeu todos os postos, mas ao mesmo tempo desfrutando do apoio dos aliados da presidente Dilma dentro e fora do Maranhão. Tenta se adaptar à essa situação nova, que terá um desfecho definitivo quando o Senado bater martelo em relação ao pedido de impeachment. Se o processo seguir em frente e a presidente Dilma cair, Waldir Maranhão terá confirmado os revezes que estão desenhados na sua frente – perda de prestígio, restrições do novo governo e até mesmo um provável “chega-pra-lá” do presidente Eduardo Cunha, apesar da jura de fidelidade. Mas se a presidente Dilma escapar, Waldir Maranhão terá dado a cartada certa e sobreviverá como aliado de proa do Palácio do Planalto, onde seu prestigio deve disparar.

Há quem diga que enquanto a situação não se define, Waldir Maranhão aproveita para trabalhar com o objetivo de melhorar seu cacife no partido e junto ao presidente Eduardo Cunha (PMDB), como também intensifica suas relações com o núcleo que cerca a presidente Dilma e os partidos que lhe dão sustentação. Sabe que se meteu numa enrascada de grandes proporções e que somente os afagos do Palácio dos Leões não serão suficientes para tocar sua vida política e encarar uma reeleição daqui a dois anos.

Ontem, circulou a segundo a qual Waldir Maranhão teve negado na Justiça pedido seu para que o comando do PP no estado lhe fosse devolvido, numa evidência de que sua vida não será nada fácil no campo partidário, pois terá de se contentar – pelo menos por enquanto – com o suporte político que está recebendo do governador Flávio Dino e dos apoiadores da presidente da República.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Wellington atropela Waldir Maranhão e ganha o comando do PP em São Luís para ser candidato a prefeito
wellington fufuca
Wellington do Curso teve o apoio de Andre Fufuca para assumir PP em São Lupis

O deputado Wellington do Curso (PP) conseguiu o que mais almejava nos últimos dias: obter carta branca do seu partido para sair candidato à Prefeitura de São Luís. A garantia foi obtida numa articulação feita pelo agora presidente da agremiação, deputado federal André Fufuca (PP), com o presidente nacional, senador Ciro Nogueira, que, segundo uma fonte acreditada, estaria querendo ver o 1º vice-presidente da Câmara Federal pelas Costas. O problema maior é que Waldir Maranhão terá de se conformar com a condição de rejeitado dentro do PP, já que ele não tem a opção de mudar de partido, já que com o fechamento da “janela partidária” essa possibilidade se esgotou. Wellington do Curso, que deixou o PPS, aonde vinha dando suporte à pré-candidatura da deputada Eliziane Gama, agora tem a grande oportunidade de dar ao projeto de candidatura o lastro que ele estava tentando viabilizar para tentar chegar ao Palácio de la Ravardière.

Eleição movimenta as escolas de ensino médio no Maranhão
eleição escolar
Estudantes do IEMA elegem representantes no Colegiado que comanda o ensino no Estado

Termina hoje o prazo para que as escolas de que realizaram eleições para  coordenação das eleições para os cargos do Colegiado Escolar, biênio de 2016/2018, da Rede de Ensino Público do Maranhão. O pleito foi realizado terça-feira realizado terça-feira (26). O prazo para que as Unidades Regionais de Ensino (UREs) encaminhem os relatórios para a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) com os nomes dos eleitos encerra hoje (29). Após a computação de todos os votos e da leitura dos relatórios será definida a data para a posse dos eleitos.  As eleições movimentaram cerca de 200 mil eleitores, entre estudantes, professores, servidores escolares e pais de alunos. “O colegiado fortalece as ações democráticas no ambiente escolar e integra a política educacional do governador Flávio Dino, iniciada em 2015 com a eleição direta para gestor escolar. Conta com a representação de pais, servidores da escola, alunos e professores na tomada de decisões e isso impacta na melhoria do ensino e prepara nossos alunos para o exercício da cidadania”, assinalou a secretária adjunta de gestão das regionais, Rosyjane Paula.  Para quem não sabe, o Colegiado Escolar é um órgão constituído por representantes dos diversos segmentos da comunidade escolar – pais, estudantes, professores e demais servidores, objetivando a participação nas decisões da escola, no âmbito administrativo, político-pedagógico e financeiro. Emite opiniões, toma decisões, elabora diagnóstico, fiscaliza, apoia, promove e estimula a comunidade escolar em busca da melhoria da qualidade do ensino. Além disso, decide e/ou opina sobre aspectos da vida pedagógica, administrativa e financeira das escolas; delibera sobre as questões da escola, propondo alternativas e procedimentos para a melhoria da qualidade do trabalho escolar, respeitando a legislação em vigor; acompanha e avalia os resultados pedagógicos, administrativos e financeiros da escola. Uma grande inovação. O professor de matemática Wuimair da Gama Rocha, há mais de 30 anos de profissão, sendo 15 destes dedicado a rede estadual de ensino, especificamente ao Liceu Maranhense, é um dos candidatos dentro do segmento dos professores.  “Essa é uma boa oportunidade para que possamos alinhar os nossos discursos e debater melhorias para a classe dos professores e consequentemente a situação do alunado. Precisamos unir forças e focar nos nossos objetivos”, ressaltou. Cada escola pode eleger de quarto a 16 membros representando os segmentos da comunidade escolar e seus respectivos suplentes. As eleições para a formação do Colegiado

São Luís, 28 de Abril de 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *