Oposição gasta pólvora contra o Governo e corre o risco de disparar nos próprios pés

 

César Pires: boa retórica e competência legislativa em xeque; Edilázio Jr.: entusiasmo pode ser tiro no pé

Por mais que, exercendo o seu sacrossanto direito de criticar suas medidas e satanizar suas ações, a Oposição não tem conseguido ameaçar a estabilidade do Governo nem tirar o governador Flávio Dino (PCdoB) do eixo. Nos últimos dias, decidiu esmurrar em dois pandeirões, acreditando que poderá fazer tremer os alicerces políticos do Palácio dos Leões. Um deles é o projeto de lei por meio do qual o governador Flávio Dino pede à Assemble Legislativa autorização para contratar empréstimo no valor de R$ 623 milhões para pagar precatórios. O outro é um pedido feito pelo deputado federal Edilázio Jr. (PSD), ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, que mande apurar denúncia feita pelo delegado Tiago Bardal, ex-titular da Superintendência de Investigações Criminais (Seic) preso sob suspeita de chefiar uma quadrilha de contrabandistas dando conta de que o secretário de Segurança , Jefferson Portela teria mandado investigar os desembargadores Froz Sobrinho, Nelma Sarney, Tyrone Silva e Guerreiro Jr. com o objetivos de mandá-los para a cadeia.

Denúncias são comuns na vida política, principalmente quando a relação é conflituosa como a que pauta a convivência do Grupo Sarney com a aliança liderada pelo governador Flávio Dino. A primeira, que visa apontar erros e vícios comprometedores no projeto de lei que autoriza a contratação de empréstimo para pagar precatórios é tão inconsistente que chega a ser singela, e só esteve de pé porque o experiente deputado César Pires (PV), arauto oposicionista, vem teimando, em vão, na busca de erros formais no texto. A segunda parece enredo de filme policial de segunda: um delegado antes muito conceituado pé flagrado com os dois pés n o crime e resolve se vingar acusando o chefe maior da Polícia de armar um complô contra o Judiciário armando para prender quatro desembargadores.

Sobre o ataque ao pedido de autorização para contratar empréstimo destinado a pagar precatório, o Governo não dá a menor importância aos movimentos da Oposição. Pelo simples fato de que está fazendo o que é certo. O secretário chefe da casa Civil, Marcelo Tavares, lembra que, ao contrário de mandatários anteriores, a começar por Roseana Sarney (MDB), o governador Flávio Dino pagou nada menos que R$ 500 milhões de precatórios em quatro anos, resolvendo os problemas de dezenas de credores já sem esperanças de ver a cor do dinheiro. “O que acho estranho é que são exatamente os caloteiros que estão cobrando o pagamento de precatórios”, diz o chefe da Casa Civil, em entrevista ao radialista Álvaro Luiz, apontando o fato como inusitado e mostrando que o ataque por essa via não faz qualquer sentido, mesmo partindo de um atacante do quilate de César Pires.

A iniciativa de escandalizar nacionalmente a declaração do delegado Tiago Bardal sobre a suposta ordem do secretário Jefferson Portela de mandá-lo investigar os desembargadores Froz Sobrinho, Nelma Sarney, Guerreiro Jr. e Tyrone Silva com o objetivo de prendê-los e pedindo agora que o ministro Sérgio Moro esclareça ocaso usando a Polícia Federal pode ser uma faca de dois gumes. Em primeiro lugar, o caso perde muito em credibilidade ao ter o deputado Edilázio Jr., que é genro e tratado como filho pela desembargadora Nelma Sarney, como denunciante. E depois, pela lógica mais elementar, se o secretário Jefferson Portela determinou tal investigação, é porque alguma suspeita rondou os quatro desembargadores. Conhecido pelo seu destemor e pela gana com que ataca o governador Flávio Dino, o deputado Edilázio Jr. pode estar dando um tiro no pé. E mais ainda, se houver um rastilho de motivos para justificar a investigação supostamente autorizada por Jefferson Portela, ninguém poderá medir com segurança o tamanho do estrago que poderá atingir os quatro desembargadores.

O resumo da opereta é que os dois motes são reveladores de que a Oposição no Maranhão está completamente perdida vem disparando seus cartuchos a esmo, sem a menor possibilidade de, pelo menos no momento, realizar o sonho de voltar ao poder.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Em ato concorrido e dominado pela emoção, Humberto Coutinho foi eternizado ontem na Galeria dos Ex-Presidentes da Assembleia Legislativa

Humberto Coutinho, em foto, chega à Galeria observado por Aldenir Silva (alto), caxiense que como ele presidiu a Casa ainda muito jovem; Flávio Dino, Cleide Coutinho e Othelino Neto; gesto de carinho de Cleide Coutinho; e a presenta da família reverenciando a memória do seu líder

Foi concorrida e emocionante a cerimônia em que a imagem fotográfica do ex-deputado Humberto Coutinho na galeria de Ex-Presidentes da Assembleia Legislativa, no Salão Nobre do Palácio Manuel Beckman. Familiares, amigos, correligionários, parlamentares e autoridades das três esferas de Poder prestigiaram o evento. O ato foi conduzido pelo atual presidente da instituição legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), tendo ao lado a viúva, deputada Cleide Coutinho (PDT) e a presença do governador Flávio Dino e do vice-governador Caros Brandão (PRB), e até adversários, como o prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB). E o que seria um evento praxe, transformou-se num evento emocionalmente forte e politicamente expressivo.

“Hoje é o dia de colocarmos a foto do querido e saudoso Humberto Coutinho – que conviveu conosco até primeiro janeiro de 2018 – na extensa Galeria dos Ex-Presidentes desta Casa. Humberto Coutinho foi uma pessoa muito querida e muito nos ensinou. Foi uma pessoa com quem tivemos o prazer de fazer política e de conviver”, declarou o presidente Othelino Neto ao abrir a cerimônia. E acrescentou: “Um momento de grande emoção para a família e os amigos. Por isso, esta cerimônia tão prestigiada de homenagem e de reconhecimento a esse grande personagem da política do Maranhão, que está em nossas cabeças e corações”.

O governador Flávio Dino, em sua fala, reconheceu a grande liderança política que foi Humberto Coutinho. Disse ser discípulo de uma forma de fazer política ensinada por Humberto Coutinho, que consiste em “entender a política como sendo a arte de fazer amigos e de somar”. E prosseguiu: “Humberto Coutinho faz muita falta na política no Maranhão. Bebi muito na experiência política existente em Humberto Coutinho. Poucos líderes conseguiram reunir tantos em torno de si como Humberto, prova de que sua liderança é eterna. Humberto é uma inspiração para os políticos do Maranhão. Esta é uma homenagem justa e histórica”.

Muito emocionada, a deputada Cleide Coutinho externou o sentimento de ter sido a parceira ativa e apaixonada de Humberto Coutinho durante 52 anos: “Humberto foi o grande amor de minha vida para sempre. Resumiria a pessoa que ele foi em duas palavras: generosidade e compromisso. Humberto era homem de palavra. Hoje, ele entra definitivamente para a história desta Casa com a inserção de sua foto na Galeria dos Ex-presidentes”.

Quase um ano e meio após a sua morte, Humberto Coutinho continua com presença forte no cenário político do Maranhão. São frequentes, por exemplo, as manifestações de políticos a seu respeito, enquanto que, vez por outra, seu nome é lembrado como uma referência de habilidade política no plenário da casa. Ontem, após a cerimônia de inserção da sua foto na Galeria dos Ex-Presidentes, alguns dos presentes disseram o que pensam a seu respeito:

Deputada Helena Duailibe (SD), procuradora da Mulher na Assembleia Legislativa: “Tive a felicidade de conviver com esse homem simples, humano, humilde e grande líder político. Ele fez história e por merecer essas homenagens”.

Deputado Vinicius Louro (PR): “Tive a satisfação de conviver com o grande Humberto Coutinho quando ele sabiamente presidiu esta Casa. Foi um homem de fibra, coragem e de palavra. Foi o melhor presidente que esta Casa já teve”.

Fábio Gentil (PRB), prefeito de Caxias, adversário político: “O Humberto contribuiu muito com o Maranhão e especialmente com a cidade de Caxias. Deixa um grande legado e temos que assumir o compromisso de dar continuidade ao seu grande trabalho em favor do Maranhão e de Caxias. Está de parabéns a Assembleia por esse justo reconhecimento”.

Deputado federal licenciado Rubens Júnior, atual secretário de Estado das Cidades: “Ele foi um apoio decisivo para a eleição do governador Flávio Dino. Sentimo-nos orgulhosos de termos sido seus amigos. Merece todas essas homenagens”.

O secretário Chefe da Casa Civil e ex-presidente da Assembleia, Deputado licenciado Marcelo Tavares (PSB), ex-presidente da Assembleia Legislativa e atual chefe da Casa Civil: “Esse ato engrandece a Assembleia e enaltece um dos maiores políticos do Maranhão nos últimos anos”.

Deputado e ex-presidente da Assembleia, Arnaldo Melo (MDB): “Homenagem muito justa. A Casa Legislativa do Maranhão foi marcada pela passagem desse grande homem que foi Humberto Coutinho como cidadão e parlamentar. Dirigiu esta Casa de forma altaneira e soube manter sempre a harmonia entre os poderes. Deixou uma grande legados para todos nós deputados”.

Em Tempo: Humberto Coutinho era médico, foi prefeito de Caxias e deputado estadual. Faleceu em janeiro de 2018, quando ainda presidia a Assembleia Legislativa.

 

Luís Fernando “mergulha” e prepara máquina para dar respostas

Empossado no comando da Secretaria de Programas Estratégicos em ato de grande repercussão política, Luís Fernando Silva “mergulhou” fundo na tarefa de organizar a pequena, mas azeitada, máquina que comandará. Preparado, experiente e competente, o ex-prefeito de São José de Ribamar disse a um interlocutor que não vai decepcionar os ribamarenses nem o governador Flávio Dino. Não pretende ser a estrela do primeiro escalão, mas também pretende ser apenas mais um nome no secretariado.  Está, portanto, disposto a mover céu e terra para deixar sua marca no segundo mandato do Governo Flávio Dino.

São Luís, 03 de Abril de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *