PT recupera a unidade, elege novo comando e declara apoio à candidatura de Lula e à reeleição de Dino

 

Augusto Lobato comemora eleição com Flávio Dino, Márcio Jardim e Márcio Jerry
Augusto Lobato já eleito com Flávio Dino, Márcio Jardim e Márcio Jerry

O dia 13 de maio de vai entrar para a crônica política do Maranhão como a data em que braço maranhense do PT sepultou o trauma de mais de uma década mergulhado numa desgastante guerra interna, conseguiu se reunificar e iniciou uma nova etapa na sua trajetória como o mais importante partido de esquerda em curso no estado. Em congresso estadual preparatório para o seu 6º Congresso nacional, que acontece depois de comandar o país por 13 anos, alcançar a glória de conquistas importantes, descer ao inferno com a deposição de uma presidente recém-eleita, e ser o principal acusado no maior escândalo de corrupção e desvios político do País, com alguns dos seus principais líderes na cadeia, o PT elegeu o militante Augusto Lobato para presidi-lo. Também abraçou a “tese” defendida pelo deputado estadual Zé Inácio e segundo a qual o partido fecha questão em torno da candidatura do ex-presidente Lula da Silva para a Presidência da República e a do governador Flávio Dino (PCdoB) à reeleição. E numa demonstração de que o racha longevo foi superado com a volta da unidade, o PT também decidiu que vai brigar por espaço na chapa majoritária liderada pelo governador Flávio Dino, pretendendo garantir a vaga de candidato a vice-governador ou a senador.

A aliança com o PCdoB foi declarada pelo próprio governador Flávio Dino, sexta-feira, no ato de abertura do congresso, para o qual foi convidado especial. Ao se dirigir aos petistas num discurso em tom de convocação para a guerra eleitoral que se aproxima, o governador foi direto ao declarar que está inteiramente alinhado ao projeto de colocar Lula da Silva de novo no Palácio do Planalto. E enfatizou que esse não é um projeto fácil de ser concretizado, devido ao fato de que as forças de direita e conservadoras farão de tudo para se manter no poder. Daí a necessidade de um esforço gigantesco do PT e das forças progressistas para fazer uma grande mobilização durante a campanha eleitoral. Flávio Dino não falou sobre espaço na chapa majoritária, mas deixou claro que o PT será um dos partidos de proa na aliança que comandará na campanha eleitoral que se aproxima.

A maior demonstração de que o PT maranhense superou as diferenças que alimentaram o racha, que se manteve enquanto durou a aliança do partido com o Grupo Sarney, foi a decisão de eleger Augusto Lobato presidente por aclamação e, ao mesmo tempo, definir como meta a “tese” defendida pelo concorrente Zé Inácio, que de pronto reconheceu a eleição do companheiro. Durante o encontro, que foi o ponto culminante de um processo iniciado meses atrás com a eleição das direções municipais – que alcançou 190 dos 217 municípios – num amplo processo de renovação que culminará com o 6º Congresso do partido, marcado para o segundo semestre e do qual saíram as diretrizes do partido para os próximos anos, a começar pela confirmação da candidatura do ex-presidente Lula da Silva a novo mandato presidencial.

No plano estadual, o PT vai entrar numa verdadeira “guerra entre amigos” ao decidir que brigará por espaço na chapa majoritária a ser comandada pelo governador Flávio Dino. Se decidir por uma vaga para o Senado, terá de descartar o deputado federal Weverton Rocha (PDT), cujo projeto senatorial já se encontra em avançado processo de consolidação, ou o ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB), que já está com a sua candidatura definida com o apoio de forças que dão suporte político ao governador Flávio Dino, como o presidente da Famem, Cleomar Tema Cunha (PSD), por exemplo, que também é cotado para a vaga de vice na chapa de Flávio Dino.

O PT conhece bem esse cenário e sabe que não será nada fácil conseguir espaço na chapa majoritária. Tem ciência plena de que para emplacar um candidato a senador ou o companheiro de chapa do governador  dependerá de uma série de fatores, sendo o principal deles a candidatura de Lula. Sabe que partidos como o PDT não abrirá mão do espaço que já ocupa, o mesmo acontecendo com o ex-governador José Reinaldo, que tem dito e repetido que será candidato a senador de qualquer maneira. Corre, portanto, o risco de entrar em choque com as forças aliadas, o que não interessa a ninguém desse campo, à medida que tal conflito beneficiaria as forçar adversárias, que apostariam na cizânia.

 

 PONTO & CONTRAPONTO

ESPECIAL

Prefeitos vão a Brasília pressionar o Governo Central para corrigir distorções que prejudicam municípios

 

Tema Cunha lidera caravana de prefeitos à XX Marcha
Tema Cunha lidera caravana  à XX Marcha

Pelo menos uma centena de prefeitos maranhenses, liderados pelo prefeito de Tuntum e presidente da Federação dos Municípios do Maranhão (Famem), Cleomar Tema Cunha (PSB), desembarcarão nesta segunda-feira em Brasília para participar da XX Marcha à Brasília em Defesa dos Municípios. Levam na bagagem o propósito político e corporativo de fortalecer o municipalismo e a disposição para cobrar do Governo Federal o cumprimento de uma reivindicação justa: repassar às unidades municipais, por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e de outros mecanismos institucionais, uma fatia maior dos recursos arrecadados pela União. Organizada pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), a vigésima edição da Marcha deve “ocupar” a Capital da República com ao menos dois mil dos mais de cinco mil prefeitos brasileiros, tem nesta edição o propósito firme de colocar o Palácio do Planalto sob forte pressão, argumentando que nenhuma das medidas, mudanças e reformas feitas até aqui pelo atual Governo contempla diretamente os municípios, que são a base operacional da Federação e têm sua autonomia sufocada pelo domínio fiscal e financeiro da União.

Entre os líderes mais experientes do municipalismo nacional – é prefeito de Tuntum pela quinta vez e preside a Famem pela terceira -, Tema Cunha já participou pelo menos metade das Marchas à Brasília, conhece a fundo os problemas dos municípios, as dificuldades de acesso a recursos da União e a necessidade de uma revisão radical no modelo fiscal por meio do qual a União fica com mais da metade do bolo arrecadado, destinando a fatia menor às Prefeituras. E exibe a convicção de que os recursos repassados aos municípios maranhenses são insuficientes para cobrir as despesas com saúde, educação, assistência social e infraestrutura. “Temos de fazer um verdadeiro malabarismo para atender às demandas da população. Mas isso está cada vez mais difícil”, explica.

A representação maranhense na XX Marcha à Brasília leva na pasta um nós financeiro que precisa ser desmanchado: o valor do repasse per capita às Prefeituras maranhenses para cobrir as despesas na área de saúde de média e de alta complexidade. Levantamento criterioso apresentado por Tema Cunha demonstra, com clareza, que o Maranhão é, de longe, o estado menos beneficiado por pela divisão do bolo. Enquanto o Tocantins recebe mais de R$ 220 per capita para bancar a saúde, o valor repassado ao maranhão é inferir a R$ 175, o que é no mínimo uma aberração “ignorada” por Brasília. Tão logo assumiu o comando da Famem, em fevereiro, Tema Cunha, que é médico por formação,  transformou o assunto numa bandeira da sua nova gestão e foi a Brasília e, com o apoio e na presença da bancada federal, reuniu-se com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a quem expôs o problema, de maneira técnica  O ministro se convenceu da distorção e prometeu rever a situação do repasse ao Maranhão. Nesta semana, em meio á XX Marcha, o presidente da Famem, agora acompanhado de pelo menos uma centena de prefeitos, cobrará a solução prometida pelo ministro.

O presidente da Famem leva na pasta uma lista alentada de itens de interesses dos municípios maranhense, envolvendo assuntos como a prejudicial variação no valor dos repasses do FPM. Além disso, a diminuição dos valores repassados pelo Fundeb e, no plano geral, a situação financeira crítica dos municípios, que em sua esmagadora maioria não têm receita própria e dependem das transferências constitucionais e do repasse modesto do ICMS. Tema pretende mobilizar a bancada federal para que ela pressione o Governo Federal para ampliar o programa Mais Educação aos municípios maranhenses. Pretende também resolver um embaraço criado há duas semanas, quando Brasília decidiu cobrar das Prefeituras, de uma só vez, um adiantamento de R$ 220 milhões do Fundeb, o que seria um desastre para os municípios, já que o acordo era de que o valor seria parcelado. Diante da pressão, Brasília suspendeu a cobrança e vai definir agora o parcelamento.

Boa parte dos prefeitos que integrarão a caravana maranhense para a XX Marcha à Brasília em Defesa dos Municípios é composta por marinheiros de primeira viagem que assumiram em janeiro e estão enfrentando dificuldades colossais para colocar a casa em ordem e cumprir minimamente o que foi prometido em campanha. Muitos encontraram no prefeito de Tuntum e presidente da Famem um comandante experiente, com os pés no chão e que conhece o caminho das pedras.

São Luís, 13 de Maio de 2017.

Um comentário sobre “PT recupera a unidade, elege novo comando e declara apoio à candidatura de Lula e à reeleição de Dino

  1. Parabéns pra nova direção do PT agora estão no rumo certo das esquerda que nunca deveriam ter saído de luta no Maranhão apoiando uma oliquaquia que atrazou o Maranhão cinqüenta anos juntos com o governador Flávio dino pra um novo mandato pra continuar nessa mudança pra beneficiar mais o povo do Maranhão e pra ter uma iqualdade mais justa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *