Disputa pelo DEM, indefinições no PSDB e jogo no PT: chegou a hora de os candidatos montarem suas alianças

 

Flávio Dino saiu na frente e montou a coligação que vai apiá-lo na corrida eleitoral
Flávio Dino saiu na frente e montou a coligação que vai apoiá-lo na corrida eleitoral

Passada a fase de definição partidária com o fechamento da janela que permitiu a troca de partido até no início de abril, começa agora, para valer, o período de montagem das coligações que serão sacramentadas nas convenções de julho e participarão das eleições de Outubro no Maranhão. Candidato assumido à reeleição, o governador Flávio Dino lidera com ampla folga, o processo, já tendo definido uma aliança comandada pelo PCdoB e que reúne nada menos que 14 agremiações. Os demais pré-candidatos começam a se movimentar na tentativa de reunir o máximo possível das duas dezenas de legendas que ainda não estão agregadas por acordos envolvendo coligações. E nesse tabuleiro partidário, que agora começa a movimentar-se com mais intensidade, ocorrem, aqui e ali, factóides que visam, sobretudo, gerar tensões e instalar insegurança nos grupos partidários já definidos. Três casos exemplares revelam esses movimentos: DEM, PSDB e PT.

Mesmo já posicionado na coligação governista, com participação no Governo e aval formal da cúpula nacional, o DEM vem sendo frequentemente alvo de especulações, todas insinuando que o partido poderá deixar a aliança dinista e integrar o grupo partidário que dará sustentação à candidatura da ex-governadora Roseana Sarney (MDB). Houve também quem dissesse que o DEM se aliaria ao candidato do PSDB, senador Roberto Rocha. Há cerca de pouco mais de um ano, o DEM encontrava-se esquecido numa gaveta do suplente de senador Clóvis Fecury, como um daqueles casos partidários sem qualquer futuro. Foi o deputado federal Juscelino Filho assumir o seu controle e, num rasgo de tirocínio político, aproveitar a onda de renovação que o atingia no plano nacional e transformá-lo numa força partidária respeitável, para que alguns políticos de peso – como o ex-governador José Reinaldo Tavares, por exemplo -, que dormiram no ponto, passassem a cobiçá-lo. Nada funcionou até agora. E uma declaração do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, pré-candidato do DEM a presidente da República, feita ontem, reafirmou a participação do partido na aliança dinista. Maia descartou ainda qualquer possibilidade de uma reviravolta que possa levar o Democratas ao arraial dos tucanos maranhenses, conforme especulava o factóide mais recente.

Em busca de aliados que injetem gás na candidatura do senador Roberto Rocha, o PSDB sabe que suas possibilidades são muito limitadas, já que a maioria dos partidos ainda “soltos”, deve tomar o rumo do MDB, para participar da aliança que sustentará a candidatura da ex-governadora Roseana Sarney. Roberto Rocha só conta até agora com a possibilidade de formar uma aliança com o PRP, caso o ex-deputado Ricardo Murad arquive definitivamente sua pré-candidatura a governador, o que parece já estar acontecendo, mas o mais provável é que os tucanos façam seu voo solitariamente.

É quase certo que de todos os partidos que procuram alianças no Maranhão, a situação mais dramática seja mesmo a do PT, a começar pelo farto de que a agremiação está correndo o risco de sofrer um racha que pode liquidar vez o seu braço maranhense. Em vez de se acomodar na aliança dinista, como já está acertado, o PT está sendo sacudido por um grupo que teima em alimentar a possibilidade de o partido seguir outro rumo, que pode ser até uma campanha independente, com candidato a governador e tudo o mais. Vozes confiáveis dizem que o partido está firme com o governador Flávio Dino e que esses rumores de divisão não passam de zoada de filiados que não produzirão qualquer desdobramento. O presidente regional da agremiação lulista, Augusto Lobato, garante que o PT encontra-se firme e acomodado na aliança dinista, sem qualquer possibilidade de rever essa situação.

No mais, as candidaturas seguirão o seu curso natural, com os seus aliados possíveis.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

População demonstrou respeito pelo ex-governador Epitácio Cafeteira

Caminhão do Corpo de Bombeiros chega ao Cemitério do Gavião com o restos mortais de Epitácio Cafeteira no Cemitério do Gavião e é aplaudido
Caminhão do Corpo de Bombeiros chega ao Cemitério do Gavião com o restos mortais de Epitácio Cafeteira no Cemitério do Gavião e é respeitosamente aplaudido 

O cortejo que levou os restos mortais do ex-governador Epitácio Cafeteira ao Cemitério dos Gaviões, no coração da Madre Deus, não reuniu uma multidão, é verdade, mas foi possível perceber claramente a atitude de respeito manifestada pelas pessoas posicionadas nas calçadas por onde caminhão do Corpo de Bombeiro que os transportava passou. Muitas pessoas chegaram a aplaudi-lo discretamente, mas externando sinceramente um sentimento de perda. Foi uma demonstração inequívoca de respeito ao líder político que, mesmo quase centenário e retirado das disputas há mais de uma década – sua última eleição aconteceu em 2006, quando ele concorreu ao Senado pelo PTB e venceu, enquanto sua companheira de chapa, Roseana Sarney (PMDB), foi derrotada por Jackson Lago (PDT) na corrida ao Palácio dos Leões.

 

Marcelo Tavares desmonta boato que visava atingir ao vice Carlos Brandão

Marcelo tavares desmentiu boato de que substituiria a Carlos Brandão
Marcelo tavares desmentiu boato de que substituiria a Carlos Brandão como vice

Não funcionou o factóide que visou atingir o vice-governador Carlos Brandão (PRB) com a divulgação do boato segundo o qual o Palácio dos Leões estaria cogitando nomeá-lo para o Tribunal de Contas e substituí-lo pelo ex- chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares (PSB), que se desincompatibilizou no prazo para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa, da qual já foi presidente. O desmonte da jogada de má fé política foi feito pelo próprio Marcelo Tavares, que veio a público não só desmentir o factóide, mas também repudiá-lo afirmando que tal equação nunca foi sequer imaginada dentro da base política do governador Flávio Dino, que também jamais levantou tal hipótese. O chute que Marcelo Tavares deu no factóide consolidou, definitivamente, a posição do vice-governador Carlos Brandão como candidato à reeleição.

 

São Luís, 15 de Maio de 2018.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *