Delação-bomba revelada pode derrubar Michel Temer e desmontar projetos para 2018 no Maranhão

 

Derrocada de Michel Temer prejudica Roseana Sarney e fortalece Flávio Dino
Derrocada de Michel Temer prejudica Roseana Sarney e fortalece Flávio Dino na disputa pelo Palácio dos Leõe

A se confirmarem as informações reveladas ontem à noite, pelo sítio de O Globo na internet, envolvendo o presidente Michel Temer (PMDB) e que chocaram o País, o Brasil mergulhará num período de dias, semanas e até meses de instabilidade política e institucional profunda e sem precedentes desde a queda da ditadura em 1985, mesmo levando em conta a deposição, por impeachment, dos presidentes Fernando Collor de Mello (1991) e Dilma Rousseff (2016). A revelação de que o presidente Michel Temer avalizou e incentivou um esquema armado pelo dono do Grupo JBS, Joesley Batista, para manter calado o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), o deixou sem condições morais, éticas e políticas de permanecer no comando do País, sendo sua renúncia ou deposição apenas uma questão de tempo. Na avaliação dos próprios membros do Congresso e de analistas, Michel Temer perdeu as condições de governabilidade e já não conta com uma base de sustentação política. O agravamento da crise terá desdobramentos políticos em todo o País, inclusive no Maranhão.

A revelação bombástica, que pode mandar o presidente Michel Temer vestir o pijama, muda todo o cenário político que estava sendo lenta e cuidadosamente construído visando às eleições gerais de 2018. A ideia central era Michel Temer comandar a retomada do crescimento e aprovar reformas, credenciando-se para ser, no mínimo, condutor e fiador de uma aliança cujo candidato derrotaria o ex-presidente Lula da Silva (PT). No Maranhão, esse ambicioso projeto político e eleitoral tinha como representante o Grupo Sarney, onde a ex-governadora Roseana Sarney estava sendo convencida a ser candidata do PMDB ao Governo do Estado. Ela inicialmente deu demonstrações de que não estava interessada na candidatura, mas, segundo uma fonte sarneysista, ela começava a dar sinais de que poderia topar enfrentar o governador Flávio Dino (PCdoB) nas urnas, liderando uma chapa que tendo o irmão, deputado Sarney Filho (PV) como candidato a senador.

O quase certo desmoronamento do presidente Michel Temer e seu Governo afeta duramente o projeto do Grupo Sarney. Primeiro porque, além do Governo, a bomba fragiliza o PMDB, e consequentemente, os grupos governistas nos estados. Sem o suporte político do Governo do Estado e do Governo Federal e com o PMDB fragilizado, o Grupo Sarney enfrentará problemas gigantescos para manter-se de pé, e a primeira consequência será o provável recuo de Roseana Sarney. Isso porque a nova crise tira o foco de cima do ex-presidente Lula e das esquerdas em geral, e o desdobramento disso no Maranhão é o fortalecimento do governador Flávio Dino e da sua aliança. Ele que sai da defensiva e ganha munição pesada para partir para o ataque. Nesse cenário, se o horizonte já não era tão favorável ao Grupo Sarney, com a bomba detonada pelo jornal O Globo tal situação se agrava de maneira imensurável e imprevisível.

No contraponto, o governador Flávio Dino ganha uma forte injeção de ânimo, à medida que, se já era viável e tendia a ser vitorioso, segundo todas as pesquisas. Se já era forte e com todas as credenciais para ser vitorioso nas urnas, o projeto do governador se fortalece, principalmente se vier mesmo associado ao projeto político e eleitoral do ex-presidente Lula, como está rascunhado. Flávio Dino será mais favorecido ainda pelo fato de que nunca deu trégua ao Governo de Michel Temer, que para ele é ilegítimo por ser a consequência de um golpe com aparência de legalidade. Agora, o governador e seu grupo terão muito mais munição e autoridade para manter a retórica ácida contra a aliança que está no poder em Brasília.

Claro que é cedo para se previr com alguma segurança o que vem por aí, mas é possível afirmar que o Grupo Sarney pode sair duramente fragilizado desse terremoto que destruiu as bases do Governo Michel Temer e abalou os pilares da República.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Weberton Rocha e Lobão Filho reúnem prefeitos em jantares e dão recados sobre a disputa pelo Senado em 2018

Acima: jantar de Weverton Rocha; embaixo: Lobão Filho fala a prefeitos em restaurante
Acima: jantar de Weverton Rocha; embaixo: entre o ex-presidente José Sarney e o senador João Alberto, Lobão Filho fala a prefeitos em restaurante

O deputado federal Weverton Rocha (PDT) e o suplente de senador Lobão Filho (PMDB) aproveitaram a presença de cerca de uma centena de prefeitos maranhenses em Brasília, para a XX Marcha a favor dos municípios, para darem demonstrações de prestígio.

Candidato assumido a uma das vagas de senador nas eleições do ano que vem na aliança em torno da candidatura do governador Flávio Dino (PCdoB) à reeleição, o pedetista Weverton Rocha reuniu cerca de 30 prefeitos aliados em um jantar, ao qual compareceram alguns deputados federais e alguns vereadores que acompanharam o evento. Weverton Rocha falou do movimento, defendeu a candidatura do governador Flávio Dino à reeleição e se disse determinado a brigar por uma vaga de senador.

O pemedebista Lobão Filho fez o mesmo: reuniu mais de uma dezena de prefeitos em um jantar no restaurante Oliver, do Clube de Tênis, para dar o seguinte recado: está de acordo que uma vaga na chapa de senador pelo Grupo Sarney será do deputado federal Sarney Filho (PV), atual ministro do Meio Ambiente. A outra ficará com a família Lobão, na seguinte condição: se o senador Edição Lobão, hoje com mais de 80 anos não estiver em condições de entrar na briga pela reeleição ou decidir se aposentar, ele, Lobão Filho, será candidato irreversível ao Senado. No seu pronunciamento, feito na presença do ex-presidente José Sarney (PMDB) e do senador João Alberto (PMDB), defendeu a candidatura da ex-governadora Roseana Sarney ao Palácio dos Leões e a união do Grupo. Mas o objetivo central da iniciativa de reunir prefeitos foi a de deixar claro que uma das vagas de candidato a senador ficará na família dele, com o pai ou com ele próprio.

Em Tempo: os dois jantares aconteceram uma noite antes da revelação bombástica envolvendo o presidente Michel Temer.

 

De olho em Bacabal, Roberto Costa acompanha a XX Marcha dos Prefeitos em Brasília

Roberto Costa: se informando sobre a situação dos municípios
Roberto Costa: se informando sobre a situação dos municípios

Na expectativa do desfecho da situação de Bacabal, que depende de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o futuro do prefeito Zé Vieira (PR), que teve confirmada sua inclusão na lista dos ficha suja, o deputado estadual Roberto Costa (PMDB) participou da reunião dos prefeitos maranhenses com a bancada federal, num dos eventos paralelos à programação da XX Marcha. Se movimentando com a possibilidade de vir a assumir a Prefeitura de Bacabal, ou de disputar nova eleição para o cargo, Roberto Costa acompanhou atentamente todos os movimentos dos prefeitos, inteirando-se da problemática dos municípios, das demandas apresentadas e, ao mesmo tempo, inteirou-se das novidades surgidas nas técnicas de administração municipal, preparando-se o caso de viabilizar o projeto de comandar a Prefeitura de Bacabal.

Em Tempo: os deputados estaduais Vinícius Louro (PR) e Glaubert Cutrim (PDT) também foram à Brasília e participaram da reunião da bancada federal com os prefeitos maranhenses que foram à XX Marcha.

São Luís, 17 de Maio de 2017.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *