Pacto proposto por Roberto Rocha a Flávio Dino em carta aberta chega atrasado e sem chance de vingar

 

dinorocha
Flávio Dino não pretende dar eco à surpreendente proposta de pacto feita por Roberto Rocha

Desde que o ex-governador e hoje deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB) surpreendeu o meio político com a proposta de um pacto unindo todas as correntes políticas em torno de uma agenda positiva para o Maranhão, sem que nenhum grupo abrisse mão das suas posições em relação ao poder, nenhuma proposta nessa direção foi tão usada quanto a carta aberta em que o senador Roberto Rocha (PSB) propõe que ele e o governador Flávio Dino (PCdoB) deponham as armas e negociem uma trégua com o objetivo de pactuar um conjunto de ações que contemple o estado a partir da união das forças políticas. Publicada em sua página na internet, a carta do senador socialista foi recebida com frieza e má vontade nos círculos governistas, não exatamente pela ideia central em si, mas pelo tom de alguns trechos, que na interpretação de uma voz de proa do Governo, a inviabilizam como meio de entendimento político. Para essas vozes, a proposta chega tarde, tornando-se apenas uma provocação sem desdobramentos e que, por isso, não será levada em conta como um gesto politicamente viável.

Na sua carta, o senador Roberto Rocha começa estocando o governador Flávio Dino, insinuando que ela realiza um Governo à base do “gogó”, enquanto ele se esforça no Senado para atuar em favor do Maranhão e do Brasil. Reclama também ser vítima dos “gogozadores” governistas, que o atacam apelidando-o de “asa de avião”, uma referência à imagem por ele criada de que o ideal é que o Governo seja um avião em que o pode esteja na cabine de comando, o governador atue numa asa e o senador em outra asa. Rocha argumenta que o verdadeiro poder está em Brasília e que o sem o apoio de senadores o Governo não vai muito longe. Daí avaliar que sem aliança com senadores, o Governo do maranhão “é fraco, pequeno”. Afirma que sua proposta é para agora e que nada tem a ver com as eleições do ano que vem, quando, aí sim, as forças podem partir para o embate. E jura que o “convite” ao governador Flavio Dino está sendo feito “sem ódio” e “com amor no coração”.

É altamente improvável que o senador Roberto Rocha acreditasse que uma carta em tais termos levasse o governador Flávio Dino a estender-lhe as mãos, passasse uma borracha nas manchas que deformassem as suas relações, para de repente fazer de conta que nada aconteceu. É mais lógico entender que o senador fez a proposta exatamente para ela ser recusada, dando-lhe o argumento definitivo para o rompimento. Dono de uma trajetória marcada por momentos decisivos e polêmicos, Roberto Rocha vem contrariando todas as expectativas negativas em relação aos seus movimentos, tanto que hoje é senador da República e trilha com independência. O problema é que o governador Flávio Dino é um político tarimbado, que vem jogando com eficiência num cenário em que trava a cada dia uma batalha contra o poderoso Grupo Sarney, o que lhe dá autoridade e cacife para fazer a opção que bem entender para preservar a linha de ação do seu Governo, na qual está embutido, é claro, um projeto de poder. Este seria bem mais viável se o governador contasse com uma bancada no Senado, mas o fato é que os três senadores maranhenses atuam de costas para o Palácio dos Leões, montando as armadilhas possíveis para embaraçar o Governo e minar o cacife político do governador.

O que acontece de fato é que o governador Flávio Dino e o senador Roberto Rocha hoje estão em campos diferentes. O de Flávio Dino é bem definido, à esquerda, com ideologia, doutrina e programa, alinhado à candidatura do ex-presidente Lula –se ela vingar – e com um bem organizado projeto de reeleição no embalo de um Governo que, se não tem obras faraônicas, realiza programa ousado nas áreas de saúde, educação, infraestrutura e desenvolvimento social na busca de elevar o IDH do Maranhão, projetando mais quatro anos no poder. Já o senador Roberto Rocha procura dar ao seu mandato uma linha mais executiva do que legislativa, apresentando-se como um quadro em condições plenas de comandar o estado, de preferência sendo vitorioso nas urnas no ano que vem.

A menos que haja uma reviravolta surpreendente, dificilmente o governador Flávio Dino baixará a guarda para firmar um pacto com o senador Roberto Rocha, pois não existe qualquer traço de convergência nos seus interesses. O senador socialista joga com Inteligência, mas sem muita sutileza, deixando claro que seu objetivo é se fortalecer para o confronto eleitoral que se aproxima. E ao governador Flávio Dino não interessa fortalecer um ex-aliado que pode ameaçar o seu projeto político.

 

PONTO & CONTRAPONTO

Visita à Câmara mostra que cresceu no cenário político

braidecâmara
Foto: José Celidônio – Eduardo Braide e o vereador Edson Gaguinho, durante visita à Câmara de São Luís

Quem avalia que o deputado Eduardo Braide (PMN) saiu da corrida pela Prefeitura de São Luís amargando a derrota nas urnas e, por conta disso, se manteve no mesmo patamar, está cometendo um grave erro. A prova em contrário dessa avaliação pessimista aconteceu ontem, na Câmara Municipal de São Luís, onde o parlamentar foi recebido como um líder de peso, tratado com deferência e entusiasmo pelos vereadores, incluindo aliados do prefeito Edivaldo Jr. (PDT). Eduardo Braide fez uma informal ao Palácio Pedro Neiva de Santana, para, segundo ele, agradecer e prestigiar vereadores que o apoiaram na corrida à Prefeitura de São Luís. Chegou ao plenário da Casa, que estava lotado, minutos antes do início da sessão. Sua presença agitou o ambiente, atraindo câmaras e jornalistas. E como um político hábil e tarimbado, sabendo domar os gestos e usar o seu raro senso de oportunidade, o deputado cumprimentou um a um todos os vereadores presentes, abraçando-os com efusão e recebendo deles a recíproca devida. Claro que os aliados mais próximos do Palácio de la Ravardière foram mais contidos, mas nem por isso esconderam o ar de simpatia pelo agora líder informal da oposição na Assembleia Legislativa. Ao assumir o comando da sessão, o presidente Astro de Ogum (PMN) registrou sua presença com um agradecimento. Eduardo Braide não cabia em si de tanto entusiasmo. Provavelmente por ter constatado que a corrida para a Prefeitura de São Luís o colocou em degrau mais elevado da política estadual, dando-lhe uma oportunidade ímpar de mostrar que não um rompante nem uma aventura, mas sim um quadro para o qual os caminhos estão abertos.

Em Tempo: a Coluna perguntou ao deputado Eduardo Braide se ele foi realmente convidado pela Oposição para ser candidato a governador nas eleições do ano que vem. Em princípio, ele sorriu, mas em seguida, já sério, disse que foi procurado por líderes de dois partidos, os quais não revelou. E deixou no ar a impressão de que conversas com esse teor estão agendadas para um pouco mais na frente. Enquanto isso, continuará marcando sua posição de oposicionista, aberto a conversas, numa demonstração indireta de que pode dar um passo mais ousado no ano que vem.

Fábio Braga é titulado como filho de São Benedito do Rio Preto
fábiocidadão
Fábio Braga recebe o título de Cidadão Sambeneditense

Instituído para ser uma forma decente de homenagear cidadãos que trabalham pelo bem social e pelos interesses coletivos, o Título de Cidadania via de regra tem sido entregue a pessoas qualificadas, fazendo, portanto, Justiça. Concedido por Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais, esse diploma é o instrumento mais eficiente usado pelas instituições representativas para demonstrar reconhecimento a alguém que presta serviços relevante a uma comunidade. E foi nessa linha de homenagem que a Câmara Municipal de São Benedito do Rio Preto concedeu o título de Cidadão Sambeneditense ao deputado estadual Fábio Braga (SD), entregue ontem sessão solene do parlamento daquele  município.

A entrega do título não foi um ato comum, a começar pelo fato de que foi testemunhada pelo prefeito do município, Maurício Fernandes, na presença de outro peso pesado da política do Baixo Parnaíba, o prefeito de Chapadinha, Magno Bacelar, além de políticos, líderes comunitários  e cidadãos com uns, que avalizaram a decisão dos vereadores.

Fábio Braga é um parlamentar eficiente, atuando intensamente para cumprir compromissos firmados com as comunidades com as quais tem relações políticas e eleitorais. Uma delas é o município de São Benedito do Rio Preto. Ali, parlamentar contabiliza uma série de iniciativas, além de alimentar uma sua presença como um político atuante. E foi essa intimidade que levou o vereador Antônio Sabão a propor o título de cidadania, aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal de São Benedito do Rio Preto.

O agora cidadão sambeneditense na sua fala expressou gratidão pela honraria, comprometendo-se a atuar com mais intensidade pelo desenvolvimento do município. E defendeu que os políticos “precisam trabalhar muito para levar o bem-estar a todos os recantos deste estado”. E prometeu “continuar minha luta para ajudar a administração do prefeito Mauricio Fernandes a desenvolver no município, realizando um trabalho a altura daquilo que o povo precisa, espera, merece e exige”.

São Luís,  27 de Março de 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *