Maranhão na cena: Weverton Rocha, Eliziane Gama e Roberto Rocha darão cartas no Senado liderando suas bancadas

 

Weverton Rocha, Eliziane Gama e Roberto Rocha no centro das decisões como líderes das suas bancadas no Senado

Excetuando a longa permanência de José Sarney (MDB) naquela Casa legislativa, onde foi líder em vários momentos e presidente por quatro vezes, em nenhum outro momento a representação maranhense no Senado da República foi tão expressiva como neste momento, quando os três senadores maranhenses, todos representando a nova geração da política estadual, lideram as bancadas dos seus partidos. A senadora Eliziane Gama é líder da bancada do PPS, com três integrantes, o senador Weverton Rocha foi alçado líder da bancada do PDT, com quatro senadores, e o senador Roberto Rocha tornou-se líder da bancada do PSDB, formada por oito senadores tucanos. Não há caso semelhante na legislatura que começa, o que indica que os representantes maranhenses sentaram praça no Senado com força e autoridade política para dar norte às representações dos seus partidos num período em que Casas do Congresso Nacional mergulharão a fundo no debate de questões cruciais e complicadas, como é o caso da Reforma da Previdência e o Pacote Anticrime, além de outras questões importantes envolvendo educação, saúde e costumes.

A senadora Eliziane Gama não foi escolhida por acaso para liderar a bancada do PPS no Senado. Com um currículo legislativo já enriquecido pela experiência de dois mandatos de deputada estadual, ambos cumpridos com muita responsabilidade política e entrega pessoal, e um mandato na Câmara Federal, no qual se destacou como um dos bons quadros da legislatura passada, encantando a cúpula nacional do PPS, a começar pelo presidente Roberto Freire, Eliziane Gama chegou ao Senado como uma referência, primeiro por ter batido nas urnas político de peso como o ex-governador e então senador Edison Lobão (MDB) e o então deputado federal de uma dezena de bancados e ex-ministro do Meio Ambiente Sarney Filho (PV), e depois por ter sido uma das referências na Câmara Federal. Tem todas as condições de cumprir o seu papel de maneira politicamente eficiente.

A escolha do senador Weverton Rocha para liderar a bancada do PDT não surpreendeu. Por ser reconhecido como um dos quadros mais atuantes da Câmara Federal nos últimos oito anos, comandou a bancada do PDT por dois anos e exerceu a liderança da Minoria no último biênio. E além de ser o chefe absoluto PDT do Maranhão, sucessor indiscutível do ex-governador Jackson Lago, Weverton Rocha ganhou mais força ao derrotar nas urnas os candidatos do Grupo Sarney, o que reforçou sua condição de uma das vozes mais influentes dentro do comando nacional da sigla brizolista. Vai orientar os passos de senadores como o cearense Cid Gomes e a ativa líder tocantina Kátia Abreu, o que lhe assegurando ampla margem de atuação na relação do partido com as outras agremiações de centro-esquerda e na interlocução com as demais forças do Congresso Nacional em torno de questões de interesse geral. Ninguém duvida de que será uma das estrelas da Oposição no Senado.

A escolha do senador Roberto Rocha para liderar a poderosa bancada do PSDB no Senado surpreendeu alguns observadores. Ele estava em baixa depois das eleições, das quais o PSDB saiu trucidado das urnas, transformado quase em um partido nanico. Seu pífio desempenho como candidato a governador reduziu drasticamente a sua já minada força política, estimulando até comentários de que estaria pensando em abandonar o ninho dos tucanos. Ser escolhido para comandar a bancada do PSDB no Senado nesse momento, liderando senadores da estatura de Tasso Jereissati e José Serra, por exemplo, lhe deu o gás que precisava para turbinar seu mandato, voltar ao centro nervoso do cenário político e reorientar seus passos na política estadual.

Independentemente da posição política de cada um, o que realmente vale registrar é o fato de que os três senadores do Maranhão – dois dos quais representantes da nova geração e da nova ordem política em voga no estado, e um de inclinação conservadora – estão no epicentro das decisões no Senado, numa rara e bem-vinda coincidência, mas também numa demonstração de que a velha ordem, expressada pelo sarneysismo, está no fim.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Daniella Tema inicia mandato com discurso forte e propositivo

Daniella Tema: discurso forte e propositivo sobre exercício do mandato

De todos os discursos feitos por novos deputados no plenário da Assembleia Legislativa, um dos mais enfáticos e propositivos foi pronunciado ontem pela deputada Daniella Tema (DEM). Além de cumprir a praxe de agradecer os votos recebidos e de se confraternizar com seus colegas parlamentares, ela falou do desafio de exercer um mandato parlamentar e discorreu enfaticamente sobre como pretende atuar. Na sua fala, a jovem deputada anunciou que sua atuação será focada em quatro pontos principais: desenvolvimento econômico e social do estado, inclusão social, avanço das políticas públicas e defesa do municipalismo. Além disso, deixou bem claro que, como mulher e jovem, terá atuação firme na defesa das mulheres e dos jovens maranhenses, assinalando que esses dois entes sociais precisam cada vez mais da atenção e da assistência do Estado. Daniella Tema enfatizou a visão segundo a qual a Assembleia “é um palco democrático para livre expressão de múltiplas ideias”, pregando ainda que “o respeito às divergências é primordial para o bom andamento dos trabalhos no Parlamento”. Ao encerrar, a democrata agradeceu, novamente, aos eleitores por ocupar uma cadeira parlamentar, e disse que pretende “continuar com a transparência que sempre tive com seus eleitores, mantendo o diálogo e debatendo ideias que venham a somar com meu mandato”. Com seu discurso e sua postura, a nutricionista que nasceu em Presidente Dutra e é primeira-dama de Tuntum causou a impressão de que poderá ser um dos destaques da 19ª legislatura da Casa de Manoel Beckman.

 

Márcio Honaiser: chega à tribuna um brizolista fiel com três décadas de militância

Márcio Honaiser: na tribuna da AL depois de três décadas de militância no PDT

“Do mesmo modo que estive a serviço do Maranhão, com mais de 30 anos de militância política, e também como empresário e, depois, como secretário de Estado, agora, como membro do Poder Legislativo, me dedicarei ainda mais”. Essa declaração foi a base de sustentação do discurso inicial do deputado Márcio Honaiser (PDT) na sua estreia na Assembleia Legislativa, terça-feira (5). Na sua fala, o parlamentar destacou algumas de suas principais bandeiras: a luta em prol dos pequenos agricultores maranhenses, sua representatividade no sul do Maranhão e as ideias e convicções do partido do qual faz parte, há 30 anos. “Eu defenderei, com garra, as ideias e convicções do nosso partido, algumas delas ligadas ao trabalhismo, aos direitos das crianças, dos jovens, das mulheres, das pessoas com deficiência e tantos outros grupos que lutam por espaço e respeito. Sempre respeitando a pluralidade de opiniões e ideologias”, disse.

O agora deputado estadual Márcio Honaiser tem autoridade política para fazer tais afirmações e assumir tais compromissos. Ele é um desses militantes movidos por bandeiras nas quais de fato acredita. As três décadas de militância que assinala não são conversa fiada, não. Elas são o tempo de entrega do hoje deputado estadual ao crescimento e à consolidação do PDT, sempre atuando sob a liderança direta do líder Jackson Lago desde o movimento estudantil, quando se engajou nas fileiras do PDT. Tem, portanto, autoridade para se apresentar como um político de bandeiras, que milita pela força do idealismo. Resta esperar que na Assembleia Legislativa ele atue como o militante e o idealista de sempre.

São Luís, 06 de Fevereiro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *