Jeisael Marx diz que disputa a Prefeitura para mudar “modelo arcaico” de administração de SL

 

Jeisael Marx vai para a disputa com apoio total de Marina Silva e Fauzi Beydoun

São Luís tem um modelo de administração arcaico, superado, e que não mudará se os prefeitos continuarem sendo representantes das elites políticas. Quem tem essa concepção e está disposto a inverter o processo e mudar as regras do jogo é o jornalista Jeisael Marx, pré-candidato à Prefeitura de São Luís pelo Rede Sustentabilidade, partido de natureza ambientalista liderado nacionalmente pela ex-senadora Marina Silva. Por exigência da legislação eleitoral, Jeisael Marx se afastou ontem das atividades profissionais no braço maranhense da Band, onde apresentava a versão local do programa “Brasil Urgente”, e participação no programa “Ponto Continuando”, da rádio Mais FM. Vai agora se dedicar à gigantesca e desafiadora tarefa de convencer parte graúda dos quase 600 mil eleitores da Capital de que é o nome certo para suceder ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) no gabinete principal do Palácio de la Ravardière.

Embalado pela máxima segundo a qual “política não é carreira, é missão”, Jeisael Marx se coloca entre os candidatos enfatizando o diferencial de ser o único aspirante que se move por essa concepção. Coloca-se como uma espécie de outsider, à medida que enxerga nos outros candidatos – Duarte Júnior (Republicanos), Eduardo Braide (Podemos), Rubens Júnior (PCdoB), Neto Evangelista (DEM), Bira do Pindaré (PSB), Yglésio Moises (PROS), Wellington do Curso (PSDB), Detinha (PL), Franklin Douglas (PSOL), Carlos Madeira (Solidariedade), Saulo Arcangeli (PSTU) e Adriano Sarney (PV) – representantes da política convencional, que na sua perspectiva nada muda. “É todo mundo amarrado em partido, em família e em grupo. Eu sou o único candidato com perfil para fazer as mudanças administrativas que São Luís precisa”, sentencia, exibindo surpreendente convicção em relação à base da sua argumentação, que encara a política como missão, não como carreira.

Baixadeiro de origem, ludovicense por adoção, jornalista – milita no radicalismo e mantém um blog, Jeisael Marx entra na corrida sucessória como detentor de um bom lastro de conhecimento da cidade de 1,2 milhão de habitantes e seus e gigantescos problemas, adquirido na sua vivência repórter e apresentador de TV cuja intensa prática sempre teve um viés político. Não esconde que integra politicamente na aliança liderada pelo governador Flávio Dino (PCdoB), mas é enfático ao afirmar que seu projeto de candidatura é independente, exatamente por não estar relacionado a nenhum grupo. Ideologicamente, garante que não é de direita nem de esquerda, admitindo cultivar valores dos dois campos, o que o faz situar-se numa espécie de socialdemocracia. Garante que manterá a independência da sua candidatura, para não sucumbir ao lugar comum da política convencional, praticada por grupos e partidos convencionais.

Aos colegas, na sua despedida temporária – ou não? – dos estúdios de rádio e televisão, Jeisael Marx reafirmou seu projeto de candidatura e sua plataforma de campanha, afirmando também seu discurso político, e recorreu à Bíblica para definir o passo que está dando ao se afastar da profissão para tentar um mandato de prefeito da maior e mais importante cidade do Maranhão: “Há tempo para tudo: tempo de plantar, tempo de colher. Estamos plantando uma semente, e esperamos que Deus nos dê a oportunidade de colher ainda este ano”. A atitude e o discurso revelam também um candidato ousado e destemido, a começar pelo fato de que toca sua candidatura apenas com a sua disposição de falar aos eleitores sobre seus planos, entre eles dividir a cidade em cinco subprefeituras, como passo decisivo para a descentralização. “Só eu terei condições de fazer isso”, garante.

Jeisael Marx entra nessa fase intermediária e decisiva da corrida eleitoral como candidato do Rede, chancelado pelas lideranças locais, entre eles o compositor regueiro Fauzi Beydoun, que preside a legenda no estado, e nacionais, como a própria Marina Silva, que tem manifestado apoio total ao projeto de candidatura e dependendo apenas da formalização da escolha em convenção a ser realizada daqui a algumas semanas. A partir de então sairá a campo em busca do apoio do eleitorado.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

César Pires ataca Governo sobre UTIs; Rafael Leitoa rebate desmentindo

César Pires levantou dúvidas sobre UTIs e foi rebatido por Rafael Leitoa

O deputado César Pires (PV) ocupou ontem a tribuna da Assembleia Legislativa para levantar dúvidas a respeito do número de leitos de UTI exclusivos para pacientes cm Covid-19 em hospitais mantidos pelo Governo do Estado. Disse ter recebido “informações de fontes fidedignas” de que o número de leitos instalados pelo Governo do Estado seria menor do que dizem as informações divulgadas pela Secretaria de Estado da Saúde. Não revelou tais fontes e citou supostos números de hospitais privados, tentando demonstrar que, de acordo com as tais fontes, o número de leitos seria menor. Ato contínuo, o líder do Governo, deputado Rafael Leitoa, rebateu o ataque do oposicionista, afirmando, categoricamente, que o Governo do Estado implantou uma grande e eficiente rede hospitalar contra o novo coronavírus, com a instalação de 220 leitos de UTI. E destacou o número de UTIs seria bem maior se o Governo tivesse recebido 55 respiradores da compra não concluída Consórcio Nordeste. Mas ressaltou que os respiradores não chegaram, mas o dinheiro foi devolvido integralmente, “em dólar”. A impressão geral foi a de que o deputado César Oires usou sua habilidade para tentar criar um clima de dúvida sobre as ações do Governo no combate à pandemia. Só que parece ter agido na hora errada, quando todas as informações, oficiais e oficiosas, mostram que o Governo do Maranhão foi eficiente e bem-sucedido em todas as suas ações para evitar o avanço da virose no Maranhão, a começar por São Luís, onde os números mostram que a rede hospitalar ontem já trabalhava com folga de 40% nos leitos de UTI.

 

Duarte Júnior emplaca projeto de lei para empregar maranhenses na construção civil

Duarte Júnior

O deputado Duarte Júnior (Republicanos) marcou ontem gol de placa ao ter aprovado pela Assembleia Legislativa, por unanimidade, o Projeto de Lei 449/2020, que estabelece prioridade na contratação de trabalhadores maranhenses ou residentes no estado nas obras de construção civil. O texto altera a Lei 10.789/18, ampliando para as empresas do terceiro grupo da indústria (construção e mobiliário, montagem e manutenção industrial) a obrigatoriedade de contratar, prioritariamente, mão de obra maranhense (na proporção de 70% de maranhenses natos ou residentes no Estado, com reserva de 15% dessas vagas para mulheres) no quadro efetivo dessas empresas. “Essa lei é justa e necessária, ainda mais neste momento de crise e recessão econômica, já que a taxa de desocupação no primeiro trimestre de 2020 aumentou em 4% no Maranhão, o que significa dizer que aproximadamente 100 mil cidadãos maranhenses estão sem uma ocupação, sem um emprego, sem uma renda”, declarou Duarte Júnior. O parlamentar informou que a iniciativa contou com o apoio de entidades sindicais e empresariais ligadas à construção civil.

São Luís, 01 de Julho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *