Campanha: Dino reforça favoritismo com apoio de Haddad e Ciro; Roseana intensifica campanha explorando imagens com Lula  

Cenário de agora da campanha para o Governo do Estado no maranhão: Flávio Dino lidera com folga, Roseana Sarney intensifica sua campanha, Maura Jorge está à frente de Roberto Rocha e Odívio Neto e Ramon Zapata sem pontos

O início da campanha no Rádio e na TV, a intensificação do corpo-a-corpo, a definição do candidato presidencial do PT e a entrada no circuito de todos os institutos que normalmente fazem pesquisa eleitoral no estado – Exata/JP, DataIlha, Econométrica/Difusora, Ibope/TV Mirante e Escutec/O Estado -, fizeram com que a corrida ao voto no Maranhão entrasse, nos últimos dias, na sua fase decisiva, especialmente a disputa para o Palácio dos Leões, com uma nítida polarização entre o governador Flávio Dino e a ex-governadora Roseana Sarney (MDB). Os fatos recentes, em especial a confirmação de Fernando Haddad como substituto do ex-presidente Lula da Silva como candidato do PT, deram o ajuste final num quadro que estava impreciso, dando aos candidatos as condições políticas e estruturais possíveis para tentarem viabilizar seus pleitos. Nesse ambiente de disputa sem fortes tensões, nitidamente marcado pela previsibilidade, o governador Flávio Dino (PCdoB) lidera a corrida com folga, segundo todas as pesquisas feitas até aqui, tendo como principal adversária a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), e com possibilidade real de encerrar corrida já no primeiro turno. E como não poderia deixar de ser, enfrenta bombardeio pesado dos adversários, aos quais responde com sobriedade, mas também com mão pesada. Roberto Rocha (PSDB) e Maura Jorge (PSL) permanecem enroscados no segundo e distante pelotão, alternando-se na terceira e na quarta posição dependendo da pesquisa, sem exibir qualquer sinal de reação. Os dois representantes da ultraesquerda, Odívio Neto (PSOL) e Ramon Zapata (PSTU), só constam como candidatos.

O governador Flávio Dino faz uma campanha densa, exibindo segurança em cada afirmação com que “vende” as conquistas do seu Governo e se credencia a novo mandato. Vez por outra sai dessa zona de conforto para rebater pancadaria que recebe do Grupo Sarney, que joga pesado, na campanha e no ataque paralelo, para desacreditá-lo. A pesquisa Exata/JP, divulgada na quinta-feira (13), informou que a estratégia do bombardeio intenso e implacável contra o candidato do PCdoB não está funcionando. A ineficácia da pancadaria tem estimulado o governador a intensificar sua campanha de rua, cumprindo uma agenda em grandes e pequenos municípios nas mais diversas regiões do estado, sempre recepcionado e acompanhado por verdadeiras multidões. Agora, Flávio Dino deve intensificar sua corrida acrescentando o ingrediente que faltava: o apoio  incontestável do ex-presidente Lula, expressado pelo candidato a presidente do PT, Fernando Haddad. O governador não transformará o ex-presidente Lula em “cavalo de batalha”, devendo apresentar o candidato petista como um aliado forte, principalmente pelo fato de que pode ser eleito presidente da República, como é o caso de Ciro Gomes (PDT), cujo partido, como o PT, integra a coligação “Maranhão de todos nós”. Essa coincidência deixa Flávio Dino na cômoda posição de ter dois candidatos fortes a presidente, sem conflitos.

Até agora, todos os sinais emitidos na campanha indicam que a vantagem do governador Flávio Dino (54% das intenções se voto, segundo pesquisa Exata/JP de quatro dias atrás) não sofre ameaça que lhe tire o sono, podendo até crescer na reta final da campanha.

Depois de um período de indefinição, em que deu a impressão de desânimo, a ex-governadora Roseana Sarney saiu do sofá e entrou em ritmo de campanha, que não refletiu até aqui a força de outros tempos, mas denota outro ânimo, principalmente com o início da campanha no Rádio e na TV. Na telinha, a candidata do MDB primeiro deu um tom personalista, fazendo questão de ser agora apenas “Roseana”, sem o Sarney junto, para em seguida assumir compromissos, numa estratégia reforçada fortemente com o apoio do seu grupo de comunicação. Ao mesmo tempo, retomou, sem a intensidade de outros tempos, o corpo-a-corpo, como fez nesta sexta-feira em Imperatriz, ao lado do prefeito Assis Ramos (MDB). Roseana Sarney tem investido muitas das suas fichas na sua relação com o ex-presidente Lula, com quem tenta mostrar identidade, mesmo diante da declaração de Fernando Haddad de que o candidato de Lula no Maranhão é Flávio Dino. Uma situação que se torna mais estranha com o fato de que o seu partido, o MDB, tem candidato a presidente, Henrique Meireles, solene e ostensivamente ignorado na sua campanha. Entre aliados da ex-governadora – políticos, empresários e profissionais liberais –, o clima não é exatamente de desânimo, mas também não mostra qualquer sinal de euforia, prevalecendo entre eles certa expectativa, esperando não sabem exatamente o quê.

O que ficou claro até agora é que Roseana Sarney é uma política de grande peso eleitoral (com 25% das intenções de voto segundo a pesquisa Exata/JP), com muitos seguidores fiéis, mas que parece ter chegado a um teto – algo em torno de 30% – que não consegue ultrapassar, parecendo  ter esgotada sua capacidade de crescimento.

As próximas 480 horas determinarão o desfecho dessa disputa, com forte possibilidade de confirmar a tendência até aqui rascunhada.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Pesquisa Exata/JP: vantagem de Eliziane e Weverton  acende sinal de alerta para Lobão e Sarney Filho

Virada de Eliziane Gama e Weverton Rocha acende alerta vermelho para Edison Lobão e Sarney Filho

Os números encontrados pela pesquisa Exata/JP, divulgada na sexta-feira, sobre a corrida para o Senado da República acendeu luz de alerta vermelho nos comandos de campanha do senador Edison Lobão (MDB) e do deputado federal Sarney Filho (PV), candidatos da coligação comandada pela ex-governadora Roseana Sarney, e acendeu sinal verde nos comitês centrais dos deputados federais Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS), candidatos da aliança liderada pelo governador Flávio Dino. O levantamento afirma que Eliziane Gama tem 27% das intenções de voto e que Weverton Rocha 25%. Os dois lideram a corrida pelas duas vagas de senador, agora seguidos de Edison Lobão com 24% e Sarney Filho com 22%, Zé Reinaldo (PSDB) com 18% e Alexandre Almeida (PSDB) com 10%. Preta Lu (PSTU) foi de 4% para 3%. Samuel Campelo (PSL) tinha 3% e agora tem 2%. Saulo Pinto (PSOL) passou de 2% para 1%. Saulo Arcangeli (PSTU) e Iêgo Bruno (PCB) mantiveram 1% cada.

Chama atenção o fato de, mesmo se considerando o fato de os quatros estarem situados dentro da margem de erro, que é de 3%, Eliziane Gama dispara em relação a Edison Lobão e Weverton Rocha se distancia de Sarney Filho. Com um detalhe: em tidas as simulações sobre votação em dois nomes, com dois votos separados, os candidatos da coligação dinista vencem a disputa.

Nesse momento, a leitura mais lógica desse cenário é que ele já é resultado da entrada firme e decidida do governador Flávio Dino em apoio aos seus candidatos, alimentando a tradição de que candidato a governador forte embala candidato a senador. No caso, essa regra se torna mais visível quando se observa que a juventude e o arrojo de Eliziane Gama e Weverton Rocha somados ao poder de fogo do governador e candidato à reeleição produzem um viés de favoritismo. Bem diferente das outras candidaturas, que apesar de muito fortes, como a do senador Edison Lobão, por exemplo, seguem distanciadas do candidato a governador – na semana que passou, Roseana Sarney gravou peça de campanha apoiando o irmão Sarney Filho. Diante dos números e a essas alturas do campeonato é provável que Edison Lobão siga a trilha independente que vem percorrendo desde o início da campanha.

Independente de qualquer “porém” ou “senão”, o fato é que a pesquisa Exata/JP disparou um míssil na base da corrida ao Senado, causando um tremor que mudou as posições e inverteu as tendências rascunhadas até quinta-feira.

Em Tempo: Registrada no TSE sob o nº MA-09907/2018, a pesquisa Exata/JP realizou 1.400 questionários na Grande São Luís e nas regiões Norte, Sul, Leste, Oeste e Central do Maranhão, entre os dias 10 e 13 de setembro. Sua margem de erro é de 3,3 pontos percentuais para mais ou para menos e o intervalo de confiabilidade é de 95%.

 

Roberto Rocha se perde na campanha e corre o risco de perder para Maura Jorge

A imagem reflete o clima da campanha de Roberto Rocha ao Governo do Estado

Tudo indica que o senador Roberto Rocha (PSDB) caminha para amargar o que poderá representar o maior fracasso da sua trajetória política. Inicialmente entusiasmado com o comando de um partido forte e com um plano de governo bem armado no que chamou de “Caderno de Boas Ideias”, e ainda nas lufadas de um candidato presidencial, Geraldo Alckmin, que a princípio dava sinais de robustez como uma via segura e confiável entre a esquerda e a direita, o candidato tucano ao Palácio dos Leões perdeu-se em todos os movimentos de campanha que fez até agora. Além de sequer enxergar a poeira dos primeiros colocados, vê frustrado e sem futuro o seu projeto de ser o principal adversário do governador Flávio Dino, chegando ao ponto de enrolar-se com a ex-prefeita de Lago da Pedra, Maura Jorge (PSL), uma candidata sem lastro, sem recursos e também sem futuro neste processo eleitoral. É possível que a esta altura da maratona nem uma guinada radical no cenário da campanha, o que é absolutamente improvável, mudará a situação do tucano. Depois das eleições, ainda que venha s ter um desempenho melhor do que o que está se anunciando, Roberto Rocha terá de repensar profundamente sua posição no cenário político estadual. Maura Jorge não tem esse compromisso.

São Luís, 16 de Setembro de 2018.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *