Assembleia Legislativa assume hoje com força para manter a governabilidade no Maranhão e enfrentar as incertezas do País

 

A Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão inicia hoje sua 19ª legislatura com desafio de manter a governabilidade no Maranhão e encarar as incertezas que preocupam a Nação. O primeiro ato para iniciar sua caminhada como instituição será a posse dos 42 deputados, composição que reúne parlamentares que renovaram o mandato, alguns que estão de volta à Casa após algum tempo e os marinheiros de primeira viagem. Politicamente eclética e ideologicamente mesclada, a nova Assembleia Legislativa reunirá representantes de um pool de 17 partidos, dos quais 14 – entre eles o PCdoB e o PDT, que terão as maiores bancadas individuais – farão parte da maioria governista, e apenas três – MDB, PV e PSDB – formarão uma pequena bancada de Oposição.

Esse parlamento, que deverá ser comando pelo deputado Othelino Neto (PCdoB) – que presidiu o último ano da composição desfeita ontem – vai atuar num momento em que o cenário político e institucional maranhense vive um processo de transição bem realizado, ao contrário da tela nacional, que se encontra tingida pelos tons furta-cores da incerteza. Cada um dos deputados estaduais deve, portanto, assumir com a ciência de que o Legislativo, exatamente por ser um Poder essencialmente político, poderá enfrentar tremores e trovoadas nos próximos quatro anos.

Mas o que preocupa os deputados, mesmo aqueles mais experientes, é o fato de que, apesar de fortemente afetado pelos estragos da crise nacional e dos graves problemas dela decorrentes, o Maranhão é um dos estados em melhor situação na Federação, e precisa do aval do parlamento para seguir em frente. Uma situação bem diferente, na qual a maioria ou está falida ou encontra-se em coma pré-falimentar, como é o caso de gigantes como Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais, para citar os três exemplos mais graves. Existem, porém, desafios enormes a serem vencidos, e para isso o envolvimento direto e efetivo do parlamento é fundamental. Na sua mensagem de hoje à nova Assembleia Legislativa, o governador Flávio Dino (PCdoB) dirá o que realizou, o que está realizando e o que realizará nos próximos 1.418, devendo também fazer um apelo à união para que o Estado possa fazer frente ao que vem por aí.

Hoje, após a posse, que ocorrerá por volta das 10hs, os deputados farão o seu primeiro movimento com o direito de votar: escolher a Mesa Diretora. Será uma escolha por consenso, já que apenas uma chapa deverá se inscrever, sob o nome de “Democracia e Igualdade”. Ela terá a seguinte composição: Othelino Neto presidente, Glaubert Cutrim (PDT) 1º vice-presidente, Detinha (PR) 2ª vice-presidente, Thaíza Ortegal (PP) 3ª vice-presidente e 4ª Vice-Presidência destinada à bancada da Oposição; Andrea Resende (DEM) 1ª secretária, Cleide Coutinho (PDT) 2ª secretária, Pará Figueiredo (PSL) 3º secretário e Daniella Tema (DEM) 4ª secretária. Esse grupo comandará a instituição pelos próximos 730 dias.

A nova Assembleia Legislativa terá quatro forças que se medirão dentro da bancada governista. A primeira é o PCdoB, o partido do governador Flávio Dino, com seis deputados e que hoje pode ser apontado como a maior máquina partidária do Maranhão. A segunda é o PDT, também com seis deputados e que tem o comando forte do senador Weverton Rocha. A terceira é o DEM, com cinco deputados, e que é comandado no estado pelo deputado federal Juscelino Filho. E finalmente o PR, que é dirigido com mão de ferro pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho, que tinha três deputados, mas ganhou ontem o deputado Leonardo Sá, que se elegeu pelo PRTB, mas o trocou pelo PR. Os partidos com três deputados, PV e SD, não exercem controle firme sobre eles, deixando-os à vontade na maioria dos momentos de decisão.

É com esses representantes populares que a nova Assembleia Legislativa inicia hoje sua 19ª jornada. Somadas suas votações, eles tiveram seus mandatos respaldados por 1 milhão 620 mil votos, o que lhes dá autoridade política, eleitoral e institucional para cumprir as suas responsabilidades dentro das regras que asseguram a liberdade de voz e voto. É o que os seus eleitores e a sociedade como um todo esperam deles.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Bancada na Câmara Federal reúne bons quadros e três candidatos potenciais  à Prefeitura de São Luís

Josemar Maranhçaozinhi, Eduardo Braide, Mparcio Jerry, Rubens Jr., Pedro Laucar |fernandes, Edilázio Jr., Aluísio Mendes, Bira do Pindaré, Cléber Verde, Juscelinio Filho, Hildo Rocha, Zé Carlos, Gil Cutrim w João Marcelo formam a niva bancada federal.

Tendo o deputado Josimar de Maranhãozinho (PR) como campeão de votos, o deputado Eduardo Braide (?) como vice-campeão e o deputado Márcio Jerry (PCdoB), que teve a terceira maior votação, como a sua maior estrela política, a bancada maranhense na Câmara Federal será empossada hoje com o grande desafio de encarar as graves questões nacionais e construir pontes que possam resultar em benefícios para o Maranhão. Entre os 18 representantes há políticos experimentados, como é o caso dos três já citados, e cristãos novos, mas todos com bagagem para ocupar a tribuna e discorrer sobre a realidade, expor seus pontos de vista sobre diversas questões espinhosas, como a reforma da Previdência, por exemplo. Isso e batalhar por recursos para o Maranhão, que depende de bons resultados nessa seara.

A bancada maranhense já ganhou algum destaque, como por exemplo, a escolha do deputado Pedro Lucas Fernandes para liderar a bancada do PTB, arremessando-o para o centro das grandes decisões partidárias na Câmara Baixa. Já o deputado Márcio Jerry terá a dura e desafiadora missão de propagar e defender os ganhos do Governo Flávio Dino, ao mesmo tempo em que atuará efetiva e fortemente como membro da Oposição ao Governo de Jair Bolsonaro, mas com uma janela aberta para entendimentos, desde que a pauta não inclua o recuo da linha oposicionista. Já deputados como Hildo Rocha e João Marcelo, ambos do MDB, deverão atuar numa linha estabelecida pelo MDB para questões nacional e manter posição crítica ao Governo Flávio Dino.

A bancada também será composta com deputados Josimar Maranhãozinho (PR), Eduardo Braide (PMN), Márcio Jerry (PCdoB), Júnior Lourenço (PR), Rubens Jr. (PCdoB), Pedro Lucas Fernandes (PTB), Edilázio Jr. (PSD), Aluísio Mendes (Podemos), André Fufuca (PP), Cléber Verde (PRB), Bira do Pindaré (PSB), Juscelino Filho (DEM), Júnior Marreca Filho (Patriotas), Hildo Rocha (MDB), Zé Carlos (PT), Gil Cutrim (PDT), João Marcelo (MDB) e Pastor Gildenemyr (PMN).

Chama a atenção o fato de que na bancada maranhense na Câmara Federal estão três candidatos potenciais à Prefeitura de São Luís: Eduardo Braide (ainda sem partido), Bira do Pindaré (PSB) e Márcio Jerry (PCdoB), que deverão mostrar seus potenciais a comandar a Capital.

 

Weverton Rocha e Eliziane Gama chegam no Senado decididos a fazer a diferença

Weverton Rocha e Eliziane Gama: dispostos a fazer diferença como representantes do Maranhão no  Senado da República

Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) que saíram das urnas com mandato senatorial, desembarcam no Senado já para atual no epicentro do jogo político que de fato acontece na Câmara Alta. Weverton Rocha, que até ontem foi líder da Minoria na Câmara Federal, depois de ter sido também líder da bancada do PDT, será agora, como senador, líder da bancada do seu partido naquela Casa. Eliziane Gama, por sua vez, depois de um mandato bem exercido na Câmara Federal, chega ao Senado com uma experiência sólida para cumprir a primeira e desafiadora tarefa como senadora: liderar a bancada do seu partido, o PPS, no Senado.

Weverton Rocha desembarca no Senado com o objetivo de realizar um bom mandato e assim se credenciar para a sucessão de Flávio Dino no Governo do Maranhão, tanto que acaba de ter o prefeito de Igarapé Grande Erlânio Xavier (PDT), seu leal escudeiro, ser eleito presidente da Famem, fato que reforça o seu projeto de poder. Por sua vez, a senadora Eliziane Gama parece decidida a exercer seu mandato com o máximo de eficiência, na mesma linha com que atuou na Câmara Federal. Incluída na lista dos prováveis candidatos a prefeito de São Luís, Eliziane Gama parece não estar interessada no projeto, preferindo, ao que tudo indica, dar respostas afirmativas e produtivas aos mais de 1,5 milhão de eleitores que lhe deram o mandato.

Weverton Rocha e Eliziane Gama, enfim, entram no Senado da República com a desafio de ser tão ou até mais atuantes do que os do que os agora ex-senadores Edison Lobão e João Alberto (MDB), dois pesos pesados do Grupo Sarney que agora caminham para a aposentadoria.

São Luís, 01 de Fevereiro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *