Pesquisa mostra que Duarte Jr. e Rubens Jr., ambos do PCdoB, são os pré-candidatos à prefeito menos rejeitados

 

Duarte Jr. e Rubens Jr. lideram a lista dos menos rejeitados

Desde que eleições no Brasil começaram a ser pautadas por pesquisas que medem intenções de voto, o item que mais incomoda ou entusiasma candidatáveis ou candidatos consolidados é a rejeição. Ao contrário dos demais itens de uma pesquisa feita para identificar as posições do eleitorado em relação a candidatos com índices crescentes, a rejeição se manifesta de maneira inversa: quanto maior for o índice de rejeição, pior para candidatos, e quanto menor for a rejeição, melhor para o candidato.

Pois bem, circula desde ontem na blogosfera e em portais de notícias do Maranhão pesquisa do respeitado instituto Econométrica mostrando a rejeição dos pré-candidatos à prefeito de São Luís, cujos percentuais são os seguintes: o deputado estadual Duarte Jr. (PCdoB) 8,2%, o deputado federal licenciado e titular da Secid Rubens Jr. (PCdoB) 10,2%, o radialista Jeisael Marx (Rede) 10,9%, o deputado estadual Dr. Yglésio (PDT) 11,8%, o deputado estadual Neto Evangelista (DEM) 12,2%, o deputado federal Eduardo Braide (Podemos) 12,5%, o militar aposentado Coronel Monteiro (PSL) 14,9%, o vereador-presidente Osmar Filho (PDT) 15,9%, o deputado estadual Wellington do Curso (PSDB) 18%, o deputado federal Bira do Pindaré (PSB) 22,5%, o ex-prefeito de São Luís Tadeu Palácio (PSL) 28,3%, e o deputado estadual Adriano Sarney (PV) 35,7%.

Como se vê, o resultado desse levantamento produziu três blocos de candidatos. O primeiro reúne os candidatáveis de menor rejeição, de 8% a 12,5% e é liderado pelo deputado Duarte Jr., que é de longe o menos rejeitado, seguido por Rubens Jr., Jeisael Marx e Dr. Yglésio, Neto Evangelista e Eduardo Braide. O segundo bloco, com percentuais de 14,9% a 18%, é formado por Coronel Monteiro, Osmar Filho e Wellington do Curso. E no terceiro bloco, com percentuais acima de 20%, estão Bira do Pindaré, Tadeu Palácio e Adriano Sarney, que aparece como duramente atingido pela maior rejeição. Mesmo levando em conta o fato de que ainda não é momento de apontar favoritos como alguma segurança, e que muitas dessas posições podem perfeitamente ser mudadas à medida que o processo eleitoral avançar. Afinal, não se está   falando ainda de candidatos propriamente ditos, mas de aspirantes a vagas de candidatos nas suas respectivas searas partidárias.

Esse quadro é revelador e nele o deputado Duarte Jr. é, de longe, o dono da situação mais confortável, o que lhe permite manter-se no jogo com cacife respeitável, enquanto o líder das pesquisas de intenção de voto feitas até aqui até aqui, Eduardo Braide é rejeitado por um contingente de quatro pontos percentuais maior do que o deputado do PCdoB. Ao mesmo tempo, chama atenção o fato de que Rubens Jr., que disputa com Duarte Jr. a vaga de candidato do PCdoB, é o segundo menos rejeitado, com dois pontos percentuais a mais. A conclusão mais interessante é que os pré-candidatos menos rejeitados são exatamente os dois nomes do PCdoB, diretamente ligados ao governador Flávio Dino.

O quadro da rejeição mostra que no PDT a situação de Dr. Yglésio é bem mais confortável do que a de Osmar Filho, o que permite supor que o seu potencial de crescimento é bem maior.  Chama a atenção ainda a expressiva rejeição do tucano Wellington do Curso, fator que sugere que ele deve fazer uma correção de rumo na sua conduta de oposicionista agressivo.

Os dados mais curiosos do cenário da rejeição encontrado pela Econométrica são os percentuais de Bira do Pindaré, Tadeu Palácio e Adriano Sarney. Bira do Pindaré sempre teve boas votações em São Luís e conta com uma militância forte e ativa, sendo surpreendente que tenha uma rejeição tão elevada. Quanto ao ex-prefeito Tadeu Palácio, a rejeição de quase três dezenas de pontos percentuais reforça a regra segundo a qual ex-prefeitos acabam politicamente estigmatizados. E quanto à elevadíssima rejeição de Adriano Sarney é, em princípio, fruto de uma soma de vários fatores, entre eles o desgaste implacável do Grupo Sarney e as posições que têm marcado a sua trajetória na Assembleia Legislativa.

Vale lembrar que esse cenário é o de um ano antes da corrida às urnas, no qual ninguém é ainda candidato para valer.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Homenageado na Assembleia Legislativa, Jefferson Portela mostra prestígio e força na Polícia

Carlos Brandão, Duarte Jr. e Ciro Neto homenageiam Jefferson Portela  no plenário da Assembleia Legislativa

O secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, mostrou ontem que tem o controle do Sistema de Segurança Pública dom Maranhão e de que é um dos auxiliares mais prestigiados do Governo Flávio Dino. Isso ficou demonstrado no plenário da Assembleia Legislativa, onde recebeu, em sessão especial no final da manhã, a Medalha do Mérito Legislativo Manoel Beckman, que lhe foi concedida por iniciativa do deputado Duarte Jr. (PCdoB). Poucas vezes um ato de entrega da comenda mais importante do Poder Legislativa foi tão prestigiado. Dele participaram o vice-governador Carlos Brandão (PRB), diversos secretários de Estado, entre eles Lago, de Comunicação e Articulação Política, e Simplício Araújo, de Indústria e Comércio, um grupo expressivo de deputados estaduais – uma raridade nesses eventos -, representantes da cúpula e da base da Polícia Civil, da   Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, da Polícia Federal, além de familiares e muitos amigos.

O deputado Duarte Jr. saudou sua trajetória, destacando sua competência e eficiência profissionais e sua convicção e coerência política desde os tempos de estudante. Mostrou que nos seis anos em que está à frente do Sistema de Segurança Púbica a Polícia do Maranhão foi ampliada e modernizada e que, por conta dessa situação, criada pelos investimentos feitos pelo governador Flávio Dino, vem exibindo resultados excepcionais, entre eles o de ter retirado São Luís da lista de Capitais mais violentas do País. “Secretário Jefferson Portela, o senhor é um exemplo para o Maranhão, para o País e para todos nós”, disse Duarte Jr..

Jefferson Portela agradeceu a homenagem com um discurso contundente, no qual defendeu o império da lei e da ordem, que comanda o Sistema de Segurança Pública cumprindo rigorosamente o que manda a Constituição Federal e creditou o bom desempenho da sua pasta à decisão política do Governo. Foi aplaudido de pé várias vezes.

 

Eliziane reage dura à agressão de “02” à ativista sueca e prevê que sua indicação para embaixador será barrada

Eliziane Gama criticou agressão patética de Eduardo Bolsonaro à ativista Greta Thumberg

A julgar pela reação de vários senadores, entre eles a maranhense Eliziane Gama (Cidadania) à sua agressão gratuita, estúpida e injustificada à menina sueca Greta Thumberg, que lidera o movimento mundial de jovens em defesa do planeta e que está sendo indicada ao Prêmio Nobel da Paz por criticar a letargia dos dirigentes mundiais em relação ao aquecimento global, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) pode ter dado adeus ao projeto, que alimenta com o pai, o presidente Jair Bolsonaro (PSL), de ser o embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Além de não ter qualquer preparo diplomático para o cargo, de cultivar as ideias do pai, que é igualmente ignorante nessa área e de ser praticar uma subserviência patética ao presidente norte-americano Donald Trump, o já famoso “02”, como é conhecido demonstrou, com a agressão à ativista, que é respeitada no mundo inteiro, que, de fato, não está à altura de ser um representante diplomático em qualquer país ou foro do planeta.  Na avaliação da senadora Eliziane Gama, que considerou a inaceitável postura do parlamentar em relação à jovem ativista como uma demonstração cabal do seu despreparo para o cargo, a situação dele como possível indicado pelo ao Senado, onde será sabatinado, se complicou de vez. Ontem, corria nos gabinetes senatoriais que, se for mesmo encaminhada, a indicação do deputado será barrada na Câmara Alta.

São Luís, 27 de Setembro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *