Ministro fica perplexo e reforça suspeita de que existe algo de podre na duplicação da BR-135

 

O ministro Tarcísio Freitas ficou perplexo com o estado da BR-135 inaugurada a menos de dois anos e que está com muitos problemas, mesmo tendo custado R$ meio bilhão

A declaração do ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, durante vistoria que fez, sexta-feira (8), no trecho da BR-135 que liga Estiva a Bacabeira e cuja duplicação foi concluída há pouco mais de dois anos reforça a suspeita de que algo de muito errado aconteceu durante a realização dessa obra, que custou mais de R$ 500 milhões e hoje, tanto a velha pista quanto a novas estão seriamente comprometidas. O ministro fez a vistoria acompanhado de deputados federais e estaduais, e de técnicos do DNIT responsáveis pelo controle e acompanhamento das obras em rodovias federais, e sua reação foi a de quem ficou escandalizado com o que viu entre Estiva e Bacabeira, principalmente no trecho que corta o Campo de Perizes. Ali, a velha pista, com mais de 50 anos sobrevive quase intacta, carecendo apenas de reparos, enquanto a nova, construída sobre uma “cordilheira” feitas com milhares e milhares de toneladas de barro e pedra, está quase intrafegável, por causa dos buracos e das deformações estruturais, “patologias” apontadas pelo ministro da Infraestrutura.

– O que vimos aqui impressiona bastante, porque é uma obra que acabou recentemente e está cheia de patologias. Vamos cobrar da empresa (Consórcio Serveng-Artepa) a reparação do trecho e também aplicar sanções que são previstas no contrato. A gente não pode, de maneira alguma, concordar ou permitir que uma empresa venha, ganhe meio bilhão de reais e entregue um pavimento nas condições que a gente viu hoje – declarou o ministro, demonstrando clara perplexidade diante do que constatou junto com deputados federais e estaduais que o acompanharam. O tom dado pelo ministro de Infraestrutura às suas palavras foi o de quem estava diante de um cenário no qual estão reunidos crimes de má gestão do ente público responsável – no caso o DNIT – e banditismo empresarial praticados sob o argumento de que é área é complicada e a União demora a pagar.

O projeto de duplicação dos 124 quilômetros da BR-135 entre São Luís e Miranda do Norte, que representam a única via terrestre que liga a ilha de São Luís ao resto do mundo, é uma reivindicação do início dos anos 80 do século passado, quando já era possível perceber sua defasagem e estrangulamento em pouco tempo. Muitos apostaram que a duplicação seria feita durante a presidência de José Sarney, na segunda metade da década de 1980, mas por razões até hoje não reveladas, o então ministro dos Transportes, José Reinaldo Tavares, não deu a menor importância ao projeto, provavelmente por estar totalmente envolvido com iniciativas gigantescas, como a ferrovia Norte-Sul, que até hoje não foi concluída. A duplicação dos 124 quilômetros da BR-135 entre São Luís e Miranda do Norte foi iniciada com a construção dos 24 quilômetros entre São Luís e Estiva no início do novo século, coincidentemente no período em que José Reinaldo Tavares foi governador. E só aconteceu porque, devido ao volume e a intensidade do tráfego, o trecho da BR-135 entre São Luís e Bacabeira ganhou o dramático e escandaloso apelido de “Estrada da Morte”, por conta do elevado número de acidentes com vítimas fatais.

Chama a atenção o fato de que a duplicação do trecho São Luís-Estiva aconteceu sem maiores problemas, com os atrasos de pagamento e as “dificuldades técnicas” de praxe, mas sem os sinais evidentes de má gestão, de suspeitas de desvios e de banditismo empresarial como está acontecendo. A manifestação do ministro Tarcísio Freitas deveria ecoar como um escândalo nacional. Afinal, não é todo dia que um ministro de Estado se manifesta como ele se manifestou na sexta-feira, em São Luís, referindo-se a uma obra mal realizada que dragou nada menos que meio bilhão de reais, dinheiro suficiente para se construir pelo menos dois ou mais trechos iguais, com todas as dificuldades geográficas.

Diante das palavras visivelmente indignadas do ministro da Infraestrutura, o mínimo que se pode esperar é a deflagração de uma profunda investigação acerca do que aconteceu na construção do trecho da BR-135 entre Estiva e Bacabeira, onde, vale repetir, foram enterrados meio bilhão de reais, dinheiro suficiente para cobrir duas folhas de salários dos servidores do Estado do Maranhão, por exemplo. Se esses esclarecimentos não vierem à tona, o ministro Tarcísio Freitas, o Ministério Público Federal e o Tribunal de Contas da União entrarão para a lista de suspeitos, juntando-se ao DNIT, ao Consórcio Serveng-Artepa e prováveis “atravessadores”.

Vale aguardar as providências do ministro de Infraestrutura.

 

PONTOS & CONTRAPONTOS

 

Destaque

Assembleia Legislativa comemora Semana da Mulher com a ampliação da presença feminina no plenário

Cleide Coutinho, Helena Duailibe, Ana Mendonça, Detinha, Daniella Tema, Thaíza Hortegal, Andreia Rezende e Mical Damasceno: mulheres que fazem a diferença na Assembleia Legislativa, atuando efetivamente no exercício do mandato 

Na Semana da Mulher, pode-se dizer que poucos parlamentos do Brasil, incluindo as esferas municipal, estadual e federal, têm tantos motivos para comemorar o Dia Internacional da Mulher (8 de Março) como a Assembleia Legislativa do Maranhão. A começar pelo fato maior: oito mulheres eleitas em 2018 representam 20% das 42 cadeiras do parlamento estadual, mantendo uma tendência de crescimento da presença feminina na composição do plenário. Ainda não é a fatia ideal, que é de 50%, nem a satisfatória, que a legislação fixou em 30%, mas a tendência de crescimento verificada nas últimas eleições indica que o eleitorado maranhense começa, de fato, a entender que política é também coisa de mulher, que tanto quanto os homens, vivem os problemas da sociedade maranhense, às vezes com um nível de compreensão bem mais profundo. As urnas de 2018 mandaram para a Assembleia Legislativa as deputadas Cleide Coutinho (PDT), Helena Duailibe (SD), Ana do Gás (PCdoB), Detinha (PR), Daniella tema (DEM), Andreia Rezende (DEM), Thaíza Hortegal (PP) e Mical Damasceno (PTB).

Cleide Coutinho – Médica por profissão, tem larga vivência política, decorrente da condição de braço direito do marido, o também médico e líder político Humberto Coutinho, que nos últimos anos foi uma das principais referências políticas do Maranhão. Sabe tudo sobre o parlamento estadual, conhecimento que acumulou e lapidou como deputada e como presidente do Gedema. De volta à Assembleia na atual legislatura, agora com o desafio de manter o legado deixado por Humberto Coutinho, movimenta-se como uma das vozes mais destacadas da base de apoio do governador Flávio Dino, atuando principalmente como voz moderadora e conselheira. Faz parte da Mesa Diretora do Poder Legislativo.

Helena Duailibe – Uma das mulheres mais atuantes do Maranhão na atualidade, a deputada Helena Duailide atua em várias frentes. Médica por formação, atua no atendimento direto a pacientes. No campo administrativo, é uma das referências no estado em matéria de gestão na área de Saúde Pública, já tendo sido secretária municipal de Saúde (gestão João Castelo) e Secretária de Estado da Saúde (gestão José Reinaldo Tavares). No campo político, já foi vereadora de São Luís e agora inicia mandato na Assembleia Legislativa. Seu lastro a tornou presidente da Comissão de Saúde da Assembleia, tendo também sido eleita para comandar a Procuradoria da Mulher, órgão do Poder Legislativo.

Deusteth Rodrigues (Detinha) – Assistente Social por formação e com dois mandatos de prefeita bem avaliada de Centro do Guilherme, a deputada Detinha chegou à Assembleia Legislativa com a responsabilidade de ter sido campeã de votos entre os deputados estaduais eleitos, tendo também o marido, Josimar de Maranhãozinho, saído das urnas como campeão de votos para deputado federal. Nos pronunciamentos que fez até agora, defendeu a parceria política que tem com o marido, certa de que a parceria e a cumplicidade dos dois pode gerar muitas ações positivas. Como ex-prefeita, mostra bom conhecimento sobre a realidade social e econômica do Maranhão.

Ana Mendonça, mais conhecida como Ana do Gás – Empresária por profissão, foi a única   das seis deputadas da legislatura passada que conseguiu se reeleger em 2018. Iniciada politicamente com foco no apoio a municípios, Ana do Gás diversificou seu raio de atuação na legislatura passada, envolvendo-se fortemente com a área social, a começar pelo apoio a famílias de baixa renda. E nesse contexto, abraçou a luta em favor da mulher, atacando problemas graves, como o feminicídio, por exemplo. Iniciou o novo mandato denunciando na tribuna a violência que atinge a mulher maranhense. Esse posicionamento levou o governador Flávio Dino a convidá-la para comandar a Secretaria de Estado da Mulher, cargo que assumiu há duas semanas.

Daniella Tema – Nutricionista por formação, dedica-se há anos à administração hospitalar – foi diretora geral do Hospital Regional de Presidente Dutra -, entrou para a política também por atuar como braço direito do marido, o prefeito de Tuntum pela quinta vez, Cleomar Tema, que presidiu a Famem. Jovem e preparada, Daniella Tema é militante política ativa, que tem foco das questões de natureza social e da defesa intransigente do municipalismo. Nos vários pronunciamentos que fez na Assembleia Legislativa, defendeu políticas públicas, propôs ajustes das ações sociais do Governo, pediu ações para melhorar a infraestrutura urbana e rodoviária do estado declarou total apoio às políticas da saúde e educação.

Andreia Rezende – Odontóloga por formação e profissão, a deputada nasceu respirando política, já que seu pai, o também médico e ex-deputado Francisco Martins, sempre foi militante político. Com os movimentos temporariamente limitados por um acidente automobilístico que sofreu junto com o marido, o ex-deputado Stênio Rezende, que também é médico, a parlamentar deixou claro que a limitação dos seus movimentos não será empecilho para sua ação política, que é focada no apoio aos municípios, principalmente os das regiões polarizada por Balsas e por Vitorino Freire, suas duas principais bases políticas e eleitorais. Tem dado seguidas demonstrações de que está determinada a realizar um mandato produtivo. Integra a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa.

Thaíza Hortegal – Médica por formação, chegou ao parlamento estadual embalada pela trajetória do marido, o prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio (PP). Logo nas suas primeiras manifestações no plenário da Assembleia Legislativa, deixou claro que não pretende cumprir um mandato formal e sem resultados práticos. Tanto que denunciou as condições das barragens do Rio Pericumã, na região de Pinheiro, e do Rio Flores, em Joselândia, e conseguiu formar uma Frente Parlamentar em defesa das barragens do Maranhão. No final da semana passada, a imprensa registrou sua atuação no Itaqui, questionando empresas a respeito da segurança na travessia dos ferry-boats para a Baixada Ocidental.

Mical Damasceno – Administradora por formação, nasceu política no seio da comunidade evangélica da Assembleia de Deus, iniciou seu mandato na tribuna da Assembleia Legislativa cantando louvor e manifestando disposição de cumprir seu mandato dentro dos postulados da sua religião. Tem ocupado a tribuna para pedir ações do Governo nas mais diferentes áreas, demonstrando que está disposta a cumprir os compromissos que assumiu com o eleitorado durante a campanha.

São oito mulheres que parecem dispostas a demonstrar que podem fazer a diferença numa atividade ainda fortemente dominada por homens.

 

Ildon Marques diz que não pretende ser candidato em Imperatriz, a não ser…

Ildon Marques, em ação no Senado, quando assumiu temporariamente

“Não pretendo, não está nos meus planos e não estou interessado”. Foi o que respondeu o ex-prefeito e empresário Ildon Marques, ao ser indagado pela Coluna, à queima roupa, sobre se estaria no páreo para a Prefeitura de Imperatriz na corrida eleitoral do ano que vem. Mas, ao mesmo tempo, deixou entrever que o vírus da política, que segundo o ex-presidente José Sarney, é indestrutível, ainda o afeta, levando-o a admitir uma única possibilidade de pensar no assunto: se a candidatura lhe for oferecida pelo partido – o seu atualmente é o PP -, com a garantia de bancar as despesas de campanha, podendo aceitar ou recusar a proposta.

Numa conversa franca, Ildon Marques sinaliza que está de bem com a vida, que as suas empresas estão enfrentando a crise sem maiores traumas, e que ele, aos 73 anos, está em paz com ele mesmo. Os insucessos recentes nas urnas parecem não fazer a menor diferença, deixando no ar a impressão de que nunca teve a política como objetivo de vida, mas apenas como uma atividade de exercitar a sua cidadania, de preferência colaborando com a sociedade. “As empresas vão bem., crescendo dentro da realidade, e eu vou cuidando da minha vida de maneira simples, sem luxo e sem afetação”, revelou, sem em nenhum momento colocar a política num plano superior.

A possibilidade de vir a ser candidato a prefeito de Imperatriz – cidade que já governou como interventor (1995, nomeado por Roseana Sarney), em razão da cassação do prefeito, discípulo de Davi Alves Silva e envolvido com o crime organizado na região, e depois duas vezes como prefeito eleito com votações consagradoras – parece remota. A começar pela determinação aparentemente irrevogável de não usar um só centavo das suas empresas para cobrir gastos de campanha, como aconteceu várias vezes. E também pelo fato de que, como homem de larga experiência e cultura sólida, certamente tem clara a noção de que, por maior que seja o seu lastro como gestor público e empresário bem sucedido, existe uma nova realidade política em curso, que ele acompanha com atenção, mas sobre a qual não emite qualquer juízo de valor.

Em resumo, o empresário Ildon Marques voltou a se impor sobre o político Ildon Marques, condicionando severamente uma eventual candidatura a prefeito de Imperatriz.

São Luís, 10 de Março de 2019.

 

Um comentário sobre “Ministro fica perplexo e reforça suspeita de que existe algo de podre na duplicação da BR-135

  1. À respeito do estado deplorável da nossa BR 135, em que o ministro da infraestrutura do governo bolsonaro, Tarcísio Freitas que ficou perplexo de visualizar em loco tamanha podridão e robalheira generalizada no emprego dos recursos públicos federais aqui no Maranhão durante os governos da Resengana ( a Roseana Sarney) e capitaneada pelo seu pai Sarneyzão, juntamente com a sua trupe de larápios, cito: João Alberto, Edson Lobão ( os dois principais) e toda a Cia. LTDA. Tanto o ministro da infraestrutura Tarcísio Freitas como o atual presidente Jair Messias Bolsonaro querem é mais do que nunca distância de léguas dessa trupe e vão fazer de tudo para sacramentar de vez por todas o fim dessa corja nefasta da política velha e viciada que sempre travou o desenvolvimento do Maranhão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *