Liberação de Yglésio Moises por Weverton Rocha pode ter criado um oponente forte ao candidato do PDT  

Yglésio Moises foi liberado do PDT pelo presidente Weverton Rocha

A decisão do presidente regional do PDT, senador Weverton Rocha, de liberar o deputado estadual Yglésio Moises para que ele migre para outro partido e concorra à Prefeitura de São Luís sem o risco de perder o mandato pode ser considerada um marco no ambiente de largada da sucessão municipal. Weverton Rocha mostra, primeiro, que não incluiu o parlamentar nos planos do partido, e deixa no ar a forte impressão de que trabalha com três equações possíveis: apostar mesmo na candidatura do presidente da Câmara Municipal, vereador Osmar Filho; moldar uma aliança do PDT com o DEM em torno da candidatura do deputado estadual Neto Evangelista, ou, finalmente, alinhavar um acordo com o PCdoB em torno do deputado federal Rubens Jr. ou do deputado estadual Duarte Jr.. Por sua vez, liberado do PDT sem uma ruptura traumática, o deputado Yglésio Araújo passa a ser um pré-candidato que, independentemente do partido que venha representar, não deve ser ignorado. Por várias razões, sendo a principal delas a de que tem forte base eleitoral em São Luís e, na avaliação de observadores experientes, é um dos aspirantes com forte potencial para crescer ao longo da campanha.

Ao liberar o deputado Yglésio Moises, o senador Weverton Rocha mostrou que, embora a corrida às urnas esteja a pouco mais de 10 meses, o PDT, cujo histórico é de participações decisivas nos pleitos da Capital, ainda não tem uma posição definida sobre candidatura. Das três equações que provavelmente está avaliando poderá sair a solução do partido. Mas, além da sua avaliação e do seu poder de fogo, o senador Weverton Rocha sabe que a definição do PDT tem de ser uma construção que terá de passar pelo prefeito Edivaldo Holanda Jr., que aos poucos vai criando musculatura para ser voz decisiva na escolha do candidato e no desfecho da corrida eleitoral. O deputado Yglésio Moises, que é um político independente, dificilmente se encaixaria adequado a um candidato de uma base política e partidária tão marcada por filigranas. Na avaliação de um pedetista de proa, ao liberar o parlamentar sem cobrar-lhe o mandato, Weverton Rocha eliminou um foco de insubmissão dentro do PDT.

No contraponto, ao ser liberado para buscar um partido para o qual possa migrar com a garantia de que terá a vaga de candidato, o deputado Yglésio Moises abre um amplo horizonte no cenário da corrida à Prefeitura de São Luís. Parlamentar ativo e com um surpreendente leque de conhecimentos, a começar pela área de Saúde, que conhece como médico de sólida formação, ele parece determinado a brigar pelo cargo. Para tanto, planeja uma campanha na qual pretende provocar um grande debate amplo sobre São Luís. Até aqui, tem mostrado que pode e pretende ser um diferencial entre os candidatos à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr., ainda que não venha a cintar com um partido forte. Se confirmar o seu ingresso no Solidariedade, como está previsto, Yglésio Moises ficará à vontade para ajustar seu discurso de campanha sem maiores preocupações. Mas, se vier, por exemplo, a ingressar no PL, poderá ser acusado de servir de ponta-de-lança do projeto do deputado federal Josimar de Maranhãozinho para 2022.

Em 10 meses de atuação como deputado estadual, Yglésio Moises tem mostrado grande capacidade de produção legislativa e de articulação parlamentar, além de uma vontade incontida de ampliar seu raio de ação. Esses traços de inteligência política indicam que pode ser um concorrente cacifado para encarar o debate direto com o deputado federal Eduardo Braide (Podemos) e com o deputado federal Rubens Jr. ou Duarte Jr., ou ainda os pré-candidatos já definidos Saulo Arcangeli (PSTU) e Franklin Douglas (PSOL), podendo elevar o tom e a qualidade do debate.

O fato é que, ao mesmo tempo em que a decisão do comandante em chefe do PDT de liberar o deputado Yglésio Moises pode ter serenado os ânimos dentro do partido, pode ter criado um oponente duro ao candidato que vier a ser escolhido pelo partido.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Carlos Brandão cumpre agenda como bom propagador do Governo Flávio Dino

Carlos Brandão: discurso forte para propagar o Governo Flávio Dino

O vice-governador Carlos Brandão (PRB) segue cumprindo uma intensa agenda de conversas, reuniões e eventos, na qual foca inteiramente o seu discurso nos passos que o Maranhão vem dando sob o comando do governador Flávio Dino (PCdoB), dando seguidas demonstrações de que está bem informado a respeito dos mais diferentes campos de ação do Governo. E mantém enfático esse discurso quando cumpre interinidade como governador em exercício, quando está em missão oficial, e quando participa de evento cuja agenda inclui alguma manifestação sua. A demonstração mais recente foi dada na Universidade Ceuma, na semana passada, em palestra para estudantes, professores e dirigentes públicos de diversas áreas. Com o bordão segundo o qual o Maranhão “vem desde 2015   fazendo o seu dever de casa”, criando assim as condições para atrair investimentos, o vice-governador vem arrematando o seu discurso com uma conclusão forte:  “O Maranhão do futuro é o Maranhão pelo qual batalhamos hoje: um estado com grande potencial econômico e que progride com justiça social”.

E sustenta esse arremate dando informações sobre melhoria de indicadores sociais e de conquistas na área econômica: “Desde o início do Governo, pregamos a bandeira do crescimento econômico com justiça social. Essa é a base de um crescimento sustentável, que nos permite melhorar a nossa infraestrutura, desenvolver nosso capital humano e avançar nos programas sociais”. E destrincha tais afirmações relatando avanços nas áreas de educação, saúde, segurança pública e infraestrutura, afirmando que os bons resultados são frutos de planejamento e do “bom uso do dinheiro público”.

Não é sem razão, portanto, que o vice-governador vem se cacifando a cada dia como nome forte no cenário da sucessão do governador Flávio Dino.

 

UFMA: Natalino Salgado pode retaliar Nair Portela, mas ele tem mais com o que se preocupar

Natalino Salgado e Nair Portela: aliança que se desfez e gerou inimizade

É de tensão e expectativa o clima nos bastidores da UFMA. E a explicação é simples: antes aliados, o novo reitor Natalino Salgado, que assumiu ontem, e a agora ex-reitora Nair Portela são hoje inimigos figadais. Durante a campanha eleitoral na UFMA, a reitora Nair Portela atuou para barrar a eleição de Natalino Salgado, que saiu das urnas com mais de 60% dos votos de professores, estudantes e servidores da instituição. Depois, os dois se enfrentaram medindo forças e influência nos gabinetes do Congresso Nacional e do MEC, onde foi travada uma guerra de dossiês – a Coluna soube de dois contra Natalino Salgado e um contra a reitora Nair Portela. Natalino Salgado acabou escolhido pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, e nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). Superada a guerra da nomeação e confirmada a posse, há sinais de que, de volta comando da instituição, Natalino Salgado dê um tratamento com tintura revanchista à antecessora. Mas há quem diga que, mesmo avisando que fará uma auditoria nas engrenagens e nas contas da UFMA, Natalino Salgado tem pela frente desafios que lhe tirarão o sono, lhe atacarão os nervos e o deixarão sem tempo para alimentar a ideia de bombardear uma adversária que está a caminho da aposentadoria.

São Luís, 12 de Novembro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *