Flávio Dino sabe o que está fazendo ao convocar Rodrigo Lago para a Secap e confirmar Jefferson Portela na Segup

 

Flávio Dino começa a mudar secretário emplacando Rodrigo Lano na Secap e Jefferson Portela na Segup

O governador Flávio Dino (PCdoB) colocou ontem ponto final na rede de especulações que mantinham as reentrâncias do Governo em estado de expectativa ao anunciar que o advogado Rodrigo Lago, atual secretário de Transparência e Controle, será o novo titular da Secretaria de Articulação Política e Comunicação, e que o delegado Jefferson Portela permanecerá no comando da Secretaria de Segurança Pública. No primeiro caso, entregou ao advogado especializado em legislação eleitoral, tendo se aprofundado em direito público durante os quatro anos em que criou, estruturou e lapidou o Sistema Estadual de Transparência e Controle, o desafio de cuidar da política de comunicação do Governo, bem como o de tornar-se o principal articulador, tendo como maior desafio a consolidação e a estabilidade da aliança partidária que dá sustentação ao Governo e garante o projeto político do governador Flávio Dino e seus aliados. No que diz respeito ao secretário de Segurança Pública, nenhuma surpresa, porque Jefferson Portela vem dando conta do recado como poucos fizeram as últimas décadas.

Rodrigo Lago tem todas as condições de manter a linha de ação definida para a Secap pelo seu criador e primeiro titular, o jornalista Márcio Jerry, agora deputado federal (PCdoB). No que diz respeito à área de Comunicação, entra com a vantagem de encontrar uma estrutura está montada e tem no comando das diversas áreas profissionais competentes e experimentados, que poderão, sob sua orientação, dar continuidade a uma política de Comunicação bem-sucedida. O sucesso tem sido visível tanto na seara dos veículos tradicionais, como jornal, rádio e TV -, quanto no novo e abrangente mundo da comunicação virtual, em especial as redes sociais, utilizadas com competência e eficiência. a começar pelo próprio governador Flávio Dino, que anuncia suas decisões e posicionamentos no Twitter, alcançando milhares e milhares de seguidores. Além do mais, tem estatura e desenvoltura para ser a borduna verbal do Governo contra investidas de adversários.

No que toca à política, Rodrigo Lago traz essa atividade no gene – é filho do ex-deputado Aderson Lago, descendente de um tronco familiar que respira política –, domínio que ampliou ao se especializar em Direito Eleitoral na militância advocatícia. Deu uma prova de que conhece o traçado da política e que sabe se movimentar nessa terra movediça que envolve relações políticas e institucionais quando substituiu por seis meses a Marcelo Tavares (PSB) na Casa Civil, durante a campanha eleitoral. Naquele período, precisou de muita habilidade e segurança para manter a estrutura de Governo longe da refrega pelo voto, como queria o governador Flávio Dino. Sua permanência na Casa Civil foi tida como certa até semanas atrás, quando o governador Flávio Dino sinalizou que convocaria o deputado Marcelo Tavares para reassumir a pasta que já comandava. Ninguém, dentro e fora do Governo, duvida que Rodrigo Lago, que é um dos bons quadros da sua geração, comandará a Secap com competência e eficiente.

A permanência do delegado Jefferson Portela no comando da Segurança Pública dispensa maiores comentários. Estava escrito nas estrelas que o governador Flávio Dino não ia mexer no comando de uma área onde as coisas estão funcionando a contento. Vale o registro de que Jefferson Portela é um dos integrantes do chamado “núcleo duro”, formado por contemporâneos no movimento estudantil e aliados de primeira hora do governador Flávio Dino, como Márcio Jerry, por exemplo.  Delegado de carreira, foi delegado Geral da Polícia Civil no Governo de Jackson Lago (PDT), o que o torna um “especialista” em matéria de atuação policial no Maranhão. Reconhecido pelo seu trabalho dentro e fora do Maranhão, Jefferson Portela foi eleito presidente do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública. E com um dado a mais: milita na área policial como delegado de carreira como um militante que defende bandeiras e princípios.

Todos os indícios e informações paralelas levam à certeza de que o governador Flávio Dino acertou na mosca quando entregou a Secap a Rodrigo Lago e confirmou Jefferson Portela no comando da Segurança Pública.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

PDT manda recado direto a quem interessar possa: não será coadjuvante na sucessão em São Luís.

Osmar Filho, presidente da Câmara de São Luís. defende candidatura própria d PDT

Em reunião realizada sábado (09), oficialmente batizada de I Seminário de Formação Política, destinado a qualificar o seu quadro de militantes, o PDT mandou um recado objetivo e, tudo indica, definitivo: será coadjuvante na corrida à Prefeitura de São Luís em 2020. A tradução literal, sem deixar qualquer dúvida no ar: terá candidato próprio à sucessão do prefeito pedetista Edivaldo Holanda Jr. Nenhuma surpresa, pois teria surpreendido se anunciando estar estivesse se preparando para ser coadjuvante no processo sucessório na Capital.

O PDT tem todos os motivos políticos e históricos para adotar tal posição sem a preocupação de estar sendo precipitado ou de estar jogando antes da hora. Para começar, venceu cinco das sete eleições disputadas na Capital desde que Jackson Lago se elegeu prefeito em 1988. Além disso, tem um pedetista no comando da máquina municipal, que se reelegeu sem maiores problemas em 2016 e que tem seu prestigio aumentado a cada mês. Não bastasse isso, o PDT conta com estímulo permanente e efetivo senador Weverton Rocha, que o preside no Maranhão e será o grande beneficiário dos resultados políticos se a agremiação o sucessor do prefeito Edivaldo Holanda Jr.. Mais ainda: o PDT é o partido mais entranhado em São Luís, com representantes e militantes em todos os bairros, em todas as categorias e no movimento estudantil.

O entranhamento do PDT nas reentrâncias de São Luís foi uma das marcas políticas cravadas pelo legendário Jackson Lago, avalizado por outra legenda do brizolista no Maranhão, o ex-deputado federal Neiva Moreira, e que transformou São Luís numa cidadela pedetista. Daí não constituir surpresa a decisão do PDT de bater martelo e avisar que não será coadjuvante na disputa pela Prefeitura de São Luís.

 

Neto Evangelista é nome de peso para ser candidato a prefeito de São Luís

Neto Evangelista tem cacife político para entrar na briga pela Prefeitura de São Luís

Três leitores alertaram a Coluna para o que consideraram uma omissão: o deputado Neto Evangelista (DEM) não foi incluído na relação de prefeituráveis publicada na edição anterior. De fato, foi uma omissão séria, até pelo fato de que sua pré-candidatura tem sido admitida por ele próprio, que foi um dos poucos aspirante à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. a admitir sua pré-candidatura. O deputado Neto Evangelista é um dos bons quadros da nova geração de políticos de São Luís, reunindo uma série de condições pessoais e políticas para aspirar o comando administrativo e político da Capital. Neto Evangelista conhece como poucos as suscetibilidades do eleitorado de São Luís, conhecimento herdado do pai, o ex-deputado João Evangelista, que militou a vida inteira nos quatro cantos da Capital. Assim, o parlamentar dispõe de cacife e instrumentos políticos, como um partido, por exemplo, o DEM e a simpatia do governador Flávio Dino, que dificilmente o indicará, mas com certeza não obstaculará a ascensão da nova geração do seu partido. Dispõe, portanto, de cacife alto para aspirar a vaga de candidato da aliança dinista.

São Luís 12 de Fevereiro de 2019.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *