Tensão e mal-estar na BR-135 indicam que a campanha já começou e será marcada pela agressividade verbal

 

Flávio Dino discursa enquanto João Alberto o ataca com adjetivos fortes em ambiente constrangido
Flávio Dino discursa enquanto João Alberto, ao lado dos ministro Moreira Franco  e Maurício Quintella, o ataca com adjetivos fortes em ambiente com forte mal-estar

O tiroteio verbal que tencionou ontem o ato de inauguração de um trecho de 11 quilômetros da duplicação da BR-135 entre a Estiva e Bacabeira, envolvendo o deputado federal Hildo Rocha (PMDB), secretários do Governo do Estado, o governador Flávio Dino (PCdoB) e o senador João Alberto (PMDB), com fagulhas respingando no ministro Sarney Filho (Meio Ambiente) foi uma demonstração ao mesmo tempo cristalina e oportuna de que a corrida eleitoral na qual serão definidos os destinos da aliança liderada pelo governador e do Grupo Sarney, já começou e ameaça ser bem mais do que um mero confronto político-eleitoral. E o fato de ter acontecido na presença de dois ministros visitantes – Mauricio Quintella (Transportes) e  (Secretaria da Presidência da República), que vieram trazer a boa entregar oficialmente a boa nova rodoviária em nome do presidente Michel Temer (PMDB), funcionou como um aviso de que a disputa pelo Governo do Maranhão envolverá bem mais do que as forças politicas locais.

O pugilato verbal deixou a impressão de que os protagonistas foram para ao Campo de Perizes com um roteiro definido, ou pelo menos ali chegaram com ânimos armados para o que desse e viesse. E não deu outra. Na sua vez de falar, o deputado Hildo Rocha, que tem se notabilizado pelo tom agressivo e frequente com que trata o atual Governo do Maranhão, destacou a obra, mas logo em seguida apertou o gatilho verbal, disparando uma série de petardos explosivos contra o governador Flávio Dino, que era o anfitrião dos ministros visitantes, mesmo em se tratando de uma obra federal. Numa atitude absolutamente previsível, secretários e assessores do Governo estadual revidaram no mesmo tom, criando uma situação que resultou em vaias ao parlamentar pemedebista.

No seu discurso, o governador Flávio Dino, depois de ter ouvido elogios efusivos dos ministros visitantes, aproveitou a onda para, em tom ao mesmo tempo ameno e provocador, dizer que seu Governo encerrou uma época. Ao ouvir os comentários do governador – que não foram exatamente acusações agressivas -, o senador João Alberto (PMDB) reagiu interrompendo o discurso do governador chamando o chefe do Governo de “mentiroso” e outros adjetivos, criando uma situação de forte constrangimento nu ambiente que deveria ser, no mínimo, mais civilizado. E num rasgo de habilidade, o governador Flávio Dino não respondeu ao senador João Alberto, que também se conteve diante do mal-estar que tomou conta do ambiente e do evento. Flávio Dino seguiu discursando e quebrou o roteiro ao creditar a obra de duplicação da BR-135 à bancada federal, chamando os seus coordenadores mais recentes, a começar pelo deputado federal Pedro Fernandes (PTB), a se perfilarem para uma foto que os consagrarão como os “pais da criança”. Chegou a convidar o deputado Hildo Rocha, mas ele se recusou a atender ao convite.

As agressões e o constrangimento que marcaram a inauguração da do trecho da duplicação da BR-135 mostraram, com a ênfase necessária, que a corrida eleitoral no Maranhão será acirrada e tensa, com o governador Flávio Dino e a aliança partidária que lidera decididos a manter o poder, e o Grupo Sarney e seus aliados determinados a derrotá-los e se reinstalar no controle da máquina estadual sob o comando da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) – que, aliás, “contribuía” à distância para o clima de tensão ao conceder, no mesmo instante, uma entrevista à Rádio Mirante AM, durante a qual disparou duras críticas ao governador Flávio Dino.

O confronto eleitoral que se desenha no Maranhão tende a ganhar peso, a começar pelo fato de que, agora, o Grupo Sarney está na Oposição com o propósito de voltar ao poder, e sem dispor dos instrumentos da máquina administrativa estadual, vai se valer do poder de fogo que puder mobilizar na administração federal, controlada pelo PMDB e na qual o ex-presidente José Sarney tem influência indiscutível. Só que no comando do Estado está um governador diferente, liderando, mais que um Governo, um movimento de  uma nova geração de políticos forjada no combate ao sarneysismo, e que, pelo menos até aqui, as pesquisas apontam como favorito na disputa de outubro. Flávio Dino sabe que enfrenta um adversário duro, implacável e que, por uma questão de sobrevivência, está determinado a voltar ao poder. Nesse contexto, o governador está demonstrando que, apesar da desvantagem midiática, tem cacife e autoridade política e pessoal para enfrentar o bombardeio. Sua postura no episódio de ontem mostrou isso.

A questão agora é saber como o Palácio do Planalto vai agir depois que o presidente Michel Temer ouvir o relato do ministro Moreira Franco sobre o que viu no Maranhão.

 

PONTO & CONTRAPONTO

Dino “resgata” Pedro Fernandes na presença de ministros de Temer

Pedro Fernandes: foi resgatado por Flávio Dino na inauguração na BR-135
Pedro Fernandes: foi resgatado por Flávio Dino na inauguração na BR-135

Mesmo tendo adotado uma posição discreta, como quem não estava querendo chamar atenção, o deputado federal Pedro Fernandes (PTB) saiu do agitado ato de inauguração do trecho duplicado da BR-135, em Perizes, com a alma, se não inteiramente lavada, pelo menos enxaguada. É que o governador Flávio Dino resolveu entregar os louros da obra à bancada federal, e aproveitou para massagear o ego do parlamentar, apontando-o como o mais ativo na briga pela duplicação da rodovia. Ao destacar Pedro Fernandes, Flávio Dino pretendeu ainda resgatar a estima do petebista, que ainda tenta digerir a inacreditável situação em que dormiu convidado para ser ministro do Trabalho e acordou desconvidado, tendo a culpa pelo desconvite atribuída ao ex-presidente José Sarney. O fato é que, na avaliação do Palácio dos Leões, Pedro Fernandes, que está em o processo de aliança com Flávio Dino, foi injustiçado, tendo o Maranhão perdido um ministro por conta dos interesses do Grupo Sarney. No momento, está em curso o desenho de uma versão segundo a qual o que derrubou Pedro Fernandes teria sido mesmo a relação dele com o governador Flávio Dino, que teria sido mostrada ao presidente Michel Temer, inclusive com a exibição de uma foto do gabinete do governador na qual aparece a foto oficial da ainda presidente Dilma Rousseff (PT) e não a do atual mandatário do País, como manda a convenção. O presidente da República não tolerou a ideia de que um ministro seu seja aliado a um governador que não o considera presidente. O fato que, indepedentemente do fato e das versões, o deputado Pedro Fernandes foi “resgatado” da situação constrangedora a que fora submetido no caso. E principalmente diante do fato de que o veto a seu nome criou um enorme embaraço pela o presidente da República por conta da escolha da deputada federal Cristiane Brasil para substituí-lo.

Othelino Neto entrega Comunicação a Edwin Jinkins e Diretoria Geral a Valney Pereira

Edwin Jinkins (C) recebe a visita de Othelini Neto (D), no Complexo de Comunicação, acompanhado de Rubens Pereira (e)
Edwin Jinkins (C) recebe a visita de Othelino Neto (D), no Complexo de Comunicação, acompanhado de Rubens Pereira (e) e tem função importante na nova gestão da AL

Titularizado na presidência do Poder Legislativo, o deputado Othelino Neto (PCdoB) já imprime a marca do seu comando operando mudanças na equipe dirigente da instituição. Ontem, formalizou mudanças na Diretoria Geral da Casa, nomeando Volney Pereira diretor geral, e confirmou a já esperada designação do jornalista Edwin Jinkins para a Diretoria de Comunicação.

Edwin Jinkins chega ao comando da Diretoria de Comunicação da Assembleia Legislativa como um dos jornalistas mais bem sucedidos da sua geração, destacando principalmente nas atividades de assessoramento e direção de comunicação em instituições pública, para onde levou a experiência de repórter e editor que adquiriu nas redações. É contemporâneo do presidente Othelino Neto, que é jornalista com nível superior – é também economista -, e que antes de entrar para a vida pública atuou como repórter nos jornais de São Luís.

Pós-graduado em Marketing Político, Edwin Jinkins assume a Diretoria de Comunicação da Assembleia Legislativa em substituição a Carlos Alberto Ferreira, que exerceu o cargo na gestão do presidente Humberto Coutinho. Chega ao cargo com o lastro do profissional que militou no jornalismo impresso, e exerceu cargos como chefe da Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, superintendente de Comunicação do Porto do Itaqui, secretário de Comunicação das Prefeituras de São Luís e Imperatriz, e chefe de Comunicação do Tribunal de Contas do Estado.

O prestígio de Edwin Jinkins na equipe do novo comando da Assembleia Legislativa ficou claro ontem, com a visita que recebeu do presidente Othelino Neto ao seu gabinete, no centro de Comunicação.

Administrator de empresas e professor, Volney Pereira tem larga experiência na administração pública. Foi coordenador administrativo do Cintra, gestor da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais nos Governos de José Reinaldo Tavares (PFL) e Jackson Lago (PDT), secretário adjunto de Finanças da Secretaria Municipal de Educação de São Luís, chefe de gabinete do então vice-presidente Othelino Neto e agora diretor geral da Assembleia Legislativa em substituição ao ex-diretor Carlos Alberto Martins.

São Luís, 12 de Janeiro de 2018.

2 comentários sobre “Tensão e mal-estar na BR-135 indicam que a campanha já começou e será marcada pela agressividade verbal

  1. Competente como sempre. Mas não sei porque percebi um jornalismo de certa forma engajado. Não senti uma análise crítica tipicamente científica. Notei um certo viés de preferência político-partidária. Ou minha análise está enganada. Refiro-me inauguração da duplicação da BR135

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *