Sem nomes fortes no MDB e no PV, Grupo Sarney ainda sonha com Roseana ou Sarney Filho na disputa em São Luís

 

José Carlos Madeira pode sair pelo MDB e Adriano Sarney pelo PV, mas no Grupo Sarney há quem ainda aposte em Roseana Sarney (MDB)  ou Sarney Filho (PV)

Desde a estrondosa derrota de Jaime Santana (PFL) para Gardênia Castelo (PDS) em 1985, mesmo tendo ele apoio ostensivo do Palácio do Planalto, então sob o comando do presidente José Sarney (PMDB), que se repetiu com a perturbadora vitória de Jackson Lago (PDT) sobre Carlos Guterres (PMDB) em 1988, embora este estivesse embalado pelo suporte  poderoso do então influente governador Epitácio Cafeteira e do presidente José Sarney, e, finalmente, a derrota sofrida por João Alberto para Conceição Andrade (PSB) em 1992, o Grupo Sarney recolheu os trilhos nas eleições para a Prefeitura de São Luís, só participando das disputas para manter-se vivo na Capital, mas sem qualquer perspectiva de obter um resultado positivo. Agora, que vive a pior fase desde que nasceu em 1965, o Grupo criado pelo ex-presidente e agora comandado pela ex-governadora Roseana Sarney (MDB) parece caminhar para uma divisão, com o MDB seguindo para um lado em busca de um candidato, mirando o juiz federal José Carlos Madeira, que se aposentará em dezembro, e o PV para outro, com o herdeiro Adriano Sarney dizendo e repetindo que é candidato à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT), sem que nem o avô nem a tia avalizem o projeto. Nos bastidores profundos do Grupo Sarney correm ainda rumores de que MDB e PV podem se unir em torno da ex-governadora Roseana Sarney ou do ex-deputado Sarney Filho.

Hoje, mesmo pertencendo à mesma matriz política, MDB e PV praticamente não se relacionam. De um lado, o MDB se mantém como uma máquina partidária bem azeitada, comandada pelo ex-senador João Alberto, que divide a definição das diretrizes políticas com a ala jovem do partido, liderada pelo deputado estadual Roberto Costa, que trabalha para ampliar as bases do partido em São Luís. De outro, o PV, que depois de experimentar um período pujança, vem perdendo poder de fogo, situação que se acentuou neste ano, quando o seu líder maior, Sarney Filho, foi derrotado nas urnas, ficou sem mandato e migrou para o Distrito Federal. O MDB se movimenta em busca de um nome que possa levá-lo à luz do fim do túnel eleitoral de São Luís, de modo a manter o espaço que ainda ocupa. O PV já tem seu candidato, uma vez que dificilmente alguém no partido desbancará o seu atual homem-forte, o deputado Adriano Sarney.

O problema é que nem um nem outro tem nome de peso para entrar na disputa com alguma possibilidade de crescimento na preferência do eleitorado. Aposta do MDB no momento, o juiz federal José Carlos Madeira é ainda uma possibilidade, que poderá ou não ganhar corpo quando ele requerer a aposentadoria daqui a alguns meses, podendo ou não topar a parada. Se topar, terá viabilidade eleitoral? Numa corrida com os deputados federais Eduardo Braide (Podemos), Bira do Pindaré (PSB) e Rubens Jr. (PCdoB), e/ou com os deputados estaduais Duarte Jr. (PCdoB), Neto Evangelista (DEM) e Dr. Yglésio (PDT)? A mesma indagação se faz em relação ao deputado Adriano Sarney, caso ele mantenha, como diz, o projeto de disputar a Prefeitura de São Luís. Até o momento, e com base nos levantamentos já feitos para identificar as preferências do eleitorado, não há ainda sinais de que um ou outro possa deslanchar nesse processo.

No MDB, em conversas muito fechadas, alguns acreditam que o quadro poderá mudar radicalmente se a ex-governadora Roseana Sarney suspender a sua madorrenta aposentadoria e empenhar o seu prestígio político no projeto de disputar a Prefeitura de São Luís. Quem conhece a ex-governadora sabe que ela flerta com a ideia, mas pisa no freio diante do imenso risco eleitoral que ela representa. Os crentes acham que ele está pensando seriamente no assunto. Nas florestas do PV alimenta-se a possibilidade – muito remota, mas não descartável – de o ex-deputado federal Sarney Filho interromper a migração para o Planalto Central, voltar às origens e retomar sua carreira como candidato a prefeito de São Luís.

Em plano mais realista, é fato que o Grupo Sarney não tem um candidato nem um projeto de candidatura com potencial político e eleitoral e que possa ser de fato levado à sério. Mas pode mudar esse quadro se convencer a ex-governadora ou o ex-ministro a entrar na briga.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Destaque

Fórmula do “Assembleia em Ação” funcionou a contento e deu recado em Balsas

Othelino Neto e Eric Silva (centro) entre os deputados Ricardo Rios, Marco Aurélio, Pastor Cavalcante, Rildo Amaral, Wellington do Curso, Márcio Honaiser, Dr. Yglésio, Antônio Pereira e Glaubert Cutrim, após o Assembleia em Ação em Balsas

Quando decidiu viabilizar a nova itinerância da Assembleia Legislativa, que batizou de “Assembleia em Ação”, o presidente da Casa, Othelino Neto (PCdoB) estabeleceu um critério básico para o programa: teria de ser informativo e interativo, de modo a mostrar a instituições, associações, corporações, organizações e às pessoas em geral o que é e como atua o Poder Legislativo. O novo movimento, ao contrário das experiências anteriores, não transportaria a instituição parlamentar para os municípios, mas levaria a todas as regiões do Maranhão um conjunto de informações destinadas a mostrar que a Assembleia Legislativa é um Poder de importância capital na vida do Estado, e é acessível. Foi exatamente o que aconteceu sexta-feira (13) em Balsas, onde, na presença de prefeitos e vereadores da região, o presidente, apoiado por 10 deputados, comandou um grande evento de interação, durante o qual os participantes receberam, por meio de palestras, informações atualizadas sobre legislação eleitoral – com foco nas eleições municipais de 2020 -, processo legislativo, além de temas em debate em todo o País, como a Reforma da Previdência.

No discurso de abertura, o presidente Othelino Neto reafirmou a justificativa para o programa de itinerância: “Nós sentimos a necessidade de aproximar o Poder Legislativo, que é sediado em São Luís, de todo o, começando pelo Sul. E a escolha de Balsas decorre de sua importância para o estado, para que essa região se sinta mais próxima da Assembleia Legislativa. É uma forma de mostrarmos aquilo que é produzido na Casa – projetos de lei, requerimentos, indicações e resoluções  –  serve para todos, gera impacto na vida das pessoas”. E destacou a escolha de Balsas como a primeira cidade a receber o “Assembleia em Ação” por sua importância geopolítica e econômica como o grande polo do agronegócio no Maranhão.     Os 10 deputados que participaram – Glaubert Cutrim (PDT), Wellington do Curso (PSDB), Pastor Cavalcante (PROS), Rildo Amaral (SD), Dr. Yglésio (PDT), Felipe dos Pneus (PRTB); Ricardo Rios (PDT); Antônio Pereira (DEM) e Marco Aurélio (PCdoB) e Ricardo Rios (PDT) – discursaram sobre temas diversos, mas aproveitando o tempo para destacar a iniciativa do parlamento estadual, que na opinião de todos cria uma grande e necessária conexão da instituição legislativa com a sociedade.

A repercussão do “Assembleia em Ação” foi além do que o comando do Poder Legislativo esperava. Empolgado com a escolha de Balsas para sediar a primeira edição do evento, o prefeito Eric Silva (PDT) festejou: “Agradeço à Assembleia e ao presidente Othelino por terem escolhido Balsas para ser a primeira cidade a receber essa ação tão importante, bem como aos prefeitos e vereadores que vieram participar. Nós temos um agronegócio muito forte, isso é fruto das terras férteis da nossa região e, também, graças aos empreendedores do agronegócio e dos agricultores que transformaram Balsas em um celeiro do Maranhão”.

 

Apoio do PTB deve consolidar pré-candidatura de Osmar Filho à sucessão de Edivaldo Holanda Jr.

Osmar Filho recebe o apoio de Pedro Lucas Fernandes, Mical Damasceno, Paulo Casé, Yanna Kléper, Pedro Fernandes, Paulo  Casé e Ivan Sarney

O presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho (PDT), recebeu do PTB, no sábado (14), o impulso que precisava para decolar como pré-candidato à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT). Em ato no qual empossou Paulo Casé na presidência do Diretório de São Luís e Yanna Kléper no comando da Juventude do PTB, o presidente do Diretório Estadual da agremiação trabalhista, deputado federal Pedro Lucas Fernandes, declarou: “Quero dizer ao presidente Osmar Filho que o PTB está unido à sua pré-candidatura a prefeito de São Luís”.

A manifestação do PTB deflagrou de fato a corrida eleitoral na base de sustentação do prefeito Edivaldo Holanda Jr.. A começar pelo fato de que foi a primeira declaração formal de apoio de um partido a um pré-candidato de outro partido, definindo uma aliança a 11 meses das convenções partidárias, que só serão realizadas em julho de 2020. A declaração de apoio partiu do presidente regional e líder inconteste do PTB no Maranhão, deputado federal Pedro Lucas Fernandes, com o aval de um dos mais importantes esteios da agremiação trabalhista no Maranhão, o atual suplente de senador Pedro Fernandes. Mais importante ainda: a declaração de apoio do PTB à pré-candidatura do pedetista Osmar Filho foi apoiada por todos os segmentos que formam o braço do partido trabalhista no Maranhão.

A apoio petebista acontece num momento crucial para a definição de pré-candidaturas dentro do PDT, onde o deputado estadual Dr. Yglésio se movimenta também para ocupar a vaga de candidato. Ali, o presidente estadual e homem-forte do PDT, senador Weverton Rocha, declarou apoio à pré-candidatura do vereador Osmar Filho e declarando que não respaldará a pré-candidatura de Dr. Yglésio nem abrirá mão de tomar-lhe o mandato de ele migrar para migrar para outra legenda – para o PL, por exemplo -para ser candidato. A declaração de apoio do PTB a Osmar Filho fortalece o seu projeto e corrobora com o posicionamento do comando pedetista. Agora, o presidente da Câmara Municipal de São Luís tem a faca e uma banda do queijo. Se receber a bênção do Palácio de la Ravardière, só precisará correr atrás dos votos.

São Luís, 15 de Setembro de 2019.

 

5 comentários sobre “Sem nomes fortes no MDB e no PV, Grupo Sarney ainda sonha com Roseana ou Sarney Filho na disputa em São Luís

  1. Prezado Ribamar Correa tenho um grande respeito por você, mas é um equivoco afirmar que há possibilidade de Sarney Filho sair candidato a prefeito de São Luis. Tenho acompanhado o deputado Adriano e o jovem é candidatíssimo. Dê um olhadinha nas redes sociais dele. Adotou postura de candidato, tem visitado toda semana um bairro da capital e nas entrevistas ele tem sido muito enfático que sua pré-candidatura pelo PV é resultado de um entendimento entre os lideres do partido incluindo o Sarney Filho. E pela sua coerência e convicções pode surpreender. Aguarde…

  2. De todos que estão como candidatos voto no Adriano Sarney. Oposição de verdade ao governo comunista do Flavio Dino. Sempre esteve na linha de frente combatendo e denunciando o que há de errado, principalmente, o aumento abusivo dos impostos. Jovem de coragem e com perfil de gestor será um grande Prefeito.

  3. Blogueiro, você acompanha mesmo a política? Rsrs. Você só pode estar delirando. Roseana não cogita disputar prefeitura, no máximo apoiar alguém. Sarney Filho está em Brasília trabalhando ativamente como Secretário de Meio Ambiente, nem cogita se candidatar em São Luís. Que loucura! O candidato do PV é Adriano Sarney. Isso todo mundo sabe! É ventilado nos quatro cantos da cidade de São Luís, além de Adriano ser o Presidente do PV Estadual. Ninguém tem dúvidas que Adriano Sarney é candidato à Prefeitura de São Luís pelo PV.

  4. E o desastre chamado PT? Mau gosto cultural e educacional enorme, certo?
    O PT nivela tudo por baixo.
    O PT EDUCOU as crianças (hoje adultas), durante o governo lula e, posteriormente, o governo dilma, com sua criação mais brega, cafona e baranga: o “sertanejo universitário”, criação da era lula-dilmista.
    O PT odeia a alta-cultura.
    O PT é brega, barango, atrasado, reacionário, parado no tempo, cafonérrimo e Kitsch político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *