2015, o ano em que o Maranhão deu o primeiro passo para uma grande mudança

 

dino 17
Dino no Palácio dos Leões: identidade com o poder

2015 entrará para a História do Maranhão como um marco. Foi o ano em que na prática o poder político mudou de mãos no estado, num processo democrático, sem traumas nem armações, pois a mudança fora determinada nas urnas em 2014. O comando do Poder Executivo foi entregue ao governador Flávio Dino (PCdoB), que liderou a virada e, com as rédeas sob controle, fez nos primeiros 365 dias do seu mandato um governo diferente, com viés reformista e inovador, mandando para o arquivo, ao que parece definitivamente, uma forma de poder longeva e que, depois de muitos altos e baixos, chegou naturalmente à exaustão. Coube ao advogado, professor, ex-juiz federal e ex-deputado federal, liderando uma nova geração de políticos, fazer essa transição, que até agora se deu com surpreendente equilíbrio e sem atropelos. O ano que termina alimentou a convicção de que, apesar da crise econômico-política que estremece o Brasil e ameaça as instituições democráticas, com a presidente da República sob risco de impeachment, o Maranhão viveu a plenitude do estado democrático de direito.

Não há como ler 2015 no Maranhão de maneira diferente. O governador Flávio Dino foi a grande personagem dessa história, independente da maneira como os mais de sete milhões de maranhenses o veem, aí incluídos, aliados, simpatizantes, céticos, arredios e adversários. E certamente consciente do seu papel e do seu desafio, ocupou todos os espaços na estrutura de gestão e na seara política. No primeiro ano de trabalho fez exatamente o que prometera na campanha e nos anúncios de início de mandato. Todas as ações implantadas e em curso no seu governo estavam previstas no seu programa, o que demonstra que não se deixou seduzir pela tentação de adotar medidas que pudessem redundar em equívocos.

À frente de uma equipe formada por jovens, o governador Flávio Dino chamou para si a responsabilidade por tudo o que aconteceu no seu primeiro ano de governo. E o fez centralizando o comando administrativo no seu gabinete, onde começa a trabalhar às 7 e segue por 14, 15 horas, em jornadas quase obsessivas – segundo o relato de um assessor -, ao longo das quais  despacha com secretários, indaga sobre tudo, cobra resultados, questiona providências, cumpre agenda formal, concede audiências, avalia problemas de última hora e costuma decidir como o governo deve agir. Em outra frente, interagiu com os chefes do Poder Legislativo, deputado Humberto Coutinho (PDT), e do Poder Judiciário, a então desembargadora Cleonice Freire, discutindo com eles pendências com franqueza pouco usada nesse tabuleiro. No campo político, o governador tem atuado para fortalecer sua base partidária, dedicando atenção especial ao robustecimento do seu partido, o PCdoB, estimulando também o reforço dos seus aliados, a exemplo do PDT, de olho nos próximos embates eleitorais.

E no cenário político nacional se manteve antenado com os movimentos de governo e oposição, regulou sempre o foco no Congresso Nacional e não descuidou de acompanhar todas as decisões importantes do Supremo Tribunal Federal, por exemplo. No sinuoso campo da política nacional, coordenou ações no estado e na região como líder das forças aliadas da presidente Dilma Rousseff (PT), e por esses movimentos consolidou-se como um dos líderes da sua geração no país.

O desempenho administrativo e a ação política do governador do Maranhão minaram as forças dos seus opositores, concentrados no que restou do Grupo Sarney, onde algumas vozes lhe fazem oposição cerrada, mas até aqui sem consequências, pois não há notícia de que Flávio Dino tenha alterado um grau da sua rota ou uma vírgula do seu discurso por causa de uma ação oposicionista. Foi acusado de perseguição política, mas não mudou a determinação de vasculhar as entranhas da máquina pública em busca de supostos malfeitos no recente passado administrativo do Estado. Atua convencido de que é assim que tem de ser numa democracia, ainda que correndo o risco de trombar com uma frustração lá na frente. Já percebeu que, apesar de todos os seus defeitos, a máquina pública não era o antro que ele imaginava, e que o governo que o antecedeu deixou-lhe os meios para iniciar sua gestão sem ter de recorrer a medidas extremas. Até aqui mandou investigar os sinais de desmando, sendo o mais nítido deles a suspeita de que o maior programa do governo anterior, o arrojado e controvertido Saúde é Vida, pode ter sido sangrado em R$ 1 bilhão.

Por outro lado, não se soube até aqui de desvios no seu governo que pudesse comprometer o seu discurso ou fragilizar os seus atos formais contra a corrupção. Duas ou três supostas escorregadelas de membros do governo foram punidas com mão pesada. Um exemplo: Rosângela Curado (PDT), responsável pela área de saúde do governo em Imperatriz e líder nas pesquisas para a Prefeitura de lá, foi demitida sumariamente diante da suspeita de que teria desviado recursos. A decisão desagradou seriamente o PDT, mas o governador se manteve inflexível.

O fato é que um ano depois da posse, o governador Flávio Dino é aprovado por 65% da população, o equivalente à votação que o elegeu em turno único em 2014, provavelmente a melhor entre seus colegas governadores. Mas quer dizer também que existem os insatisfeitos, que não o veem com bons olhos, que não concordam com sua maneira de governar e que torcem para que fracasse. Eles estão por aí e seus líderes e inspiradores têm identidade, não se escondem e têm endereço político certo. E mais do que isso, se preparam para juntar todas as suas forças para enfrentá-lo nas 217 guerras municipais que serão travadas no segundo semestre do segundo ano do seu governo.

Muita coisa aconteceu no Maranhão em 2015. Mas nada se comparou à mudança no comando administrativo e político do estado, porque não ocorreu apenas uma mera e rotineira sucessão. O que proporcionou a guinada radical atende pelo nome de alternância, que no caso maranhense pode até ser politicamente apelidada de revolução, tendo o governador Flávio Dino o privilégio de comandá-la. De preferência dando o passo largo na caminhada para transformá-lo de estado pobre, desigual e injusto em um braço rico, mais igual e mais justo da Federação. Que 2016 seja o tempo do segundo passo nessa direção.

 

Ponto & Contraponto

Iniciada no dia 25 de fevereiro, a Coluna fecha 2015 com mais de 250 postagens, todas originais e de viés interpretativo, às vezes com pretensões analíticas, num esforços para oferecer ao leitor uma visão menos factual e nada estática da realidade que está em movimento no Maranhão. E pela modesta, mas crescente, média de acessos diários, a Coluna fecha 2015 com algumas centenas de leitores fiéis, estimulada, portanto,  a continuar na mesma linha em 2016, retornando já na segunda-feira, 4 de janeiro, a caminho do primeiro aniversário.

Um feliz 2016!

São Luís, 30 de Dezembro de 2015.

5 comentários sobre “2015, o ano em que o Maranhão deu o primeiro passo para uma grande mudança

  1. DISCORDO DA SUA AVALIAÇÃO: O GOVERNADOR LOGO NOS PRIMEIROS PASSOS DE SUA ADMINISTRAÇÃO DESMONTOU A COMISSÃO CENTRAL DE LICITAÇÃO – CCL COLOCOU COMO PRESIDENTE UM SUJEITO DESQUALIFICADO COM DUPLA PERSONALIDADE CHAMADO PAULO GUILHERME, EXTINGUIU COM TOTAL FALTA DE CONHECIMENTO DO ASSUNTO LICITAÇÃO O CÓDIGO DE LICITAÇÕES DO MARANHÃO. O PAULO GUILHERME DISSE QUE ESSE CÓDIGO ERA PARA ATENDER RICARDO MURAD, VEJA QUANTA FALTA DE CONHECIMENTO. AUMENTOU DRASTICAMENTE O ICMS DE ALGUNS PRODUTOS. NÃO IMPLEMENTOU NEM 30% DO PROGRAMA DE CAMPANHA. SE VANGLORIA DO PORTO DO ITAQUI COMO SE FOSSE ELE QUE CONSTRUIU TUDO AQUILO EM UM ANO. ORA ME COMPRE UM BODE.

    1. falçao. Até inclusive sua nomenclatura é deprimivel, contumaz seu posicionamento. Tire a máscara e encare a mudança de cabeça erguida, assim que homens de caráter procede para fazer valer seu dito. Saia de debaixo das asas, elas já voaram para bem longe e vão ficar assim por muito tempo. Se mostre e aceite.
      Braga.

  2. A percepção e leitura dos fatos contextualizados nos conduz por um “fio condutor” esclarecedor. As metáforas: dureza e pancadaria verbal foram perfeitamente empregados. Ser leitor seu blog, aumenta substancialmente nossa visão política…

  3. Seu blog nos alimenta com um novo conceito de opinião política. Esse texto sobre o governo analisa minimamente o atual momento político e administrativo da atual gestão estadual. Muito bom…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *