PCdoB se movimenta para ganhar mais força e entrar para valer na corrida pela Prefeitura de São Luís

 

Márcio Jerry entre Rubens Jr., Duarte Jr. e Júlio Nogueira: o comandante e os pré-candidatos do PCdoB: prontos para a disputa pela Prefeitura de São Luís em 2020

Enganou-se redondamente quem imaginou que, por estar no auge do poder, o braço maranhense do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) no Maranhão assumiria a lentidão dos paquidermes, se contaminaria com o ócio dos poderosos de ocasião e se deixaria abater pela decadência. Ao contrário, o peso da responsabilidade de ter o controle de um estado e de comandar quase meia centena de prefeituras, e ainda a perspectiva de ampliar esse poder de fogo nas eleições municipais do ano que vem, realizando o sonho dourado de incluir São Luís na relação, fazem com a secção maranhense do partido permaneça em ebulição. Domingo (12), por exemplo, o PCdoB mostrou que está vivo e quer mais força ao realizar, na Avenida Litorânea, uma animada ação para atrair novos filiados. O ato, comandado pelo presidente regional da agremiação, deputado federal Márcio Jerry, contou com a participação dos três pré-candidatos do partido à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT): o deputado federal licenciado Rubens Jr., o deputado estadual Duarte Jr. e o vice-prefeito Júlio Nogueira.

No que tange especificamente a São Luís, a cúpula do PCdoB sabe que tem posição delicada no tabuleiro sucessório. E o fator principal é que o PDT, que hoje detém o comando do município, se movimenta no sentido de renová-lo, se não diretamente, pelo menos por meio de um aliado fiel. Só que, em vez de aliar-se ao PCdoB, que teve atuação decisiva na eleição e reeleição do prefeito Edivaldo Holanda Jr. – convertido ao brizolismo no meio do primeiro mandato -, o PDT preferiu apostar numa aliança com o DEM, por meio da candidatura do deputado estadual democrata Neto Evangelista. E foi além, colocando o deputado Duarte Jr., o nome eleitoralmente mais forte do PCdoB até agora em São Luís, na alça de mira, disparando chumbo grosso contra ele. Inicialmente cauteloso, o PCdoB decidiu reagir, mandando recados ao PDT de que está no jogo.

Além da liderança e do peso político incontestáveis do peso político do governador Flávio Dino, e a capacidade de articulação do seu presidente, deputado federal Márcio Jerry, o PCdoB tem a vantagem de contar com três pré-candidatos eleitoralmente viáveis na Capital. Rubens Jr., Duarte Jr. e Júlio Nogueira fazem parte do que há de mais promissor nos quadros formados pelo PCdoB, ao lado do deputado estadual Professor Marco Aurélio (Imperatriz), por exemplo. Com pesos políticos e eleitorais diferentes, os três estão em condições de encabeçar uma chapa do PCdoB dentro da aliança partidária liderada pelo governador Flávio Dino. E em condições de encarar, de igual para igual, candidatos como Neto Evangelista, Eduardo Braide (PMN), Bira do Pindaré (PSB) e Adriano Sarney (PV).

Até aqui, todos os sinais indicam que o governador Flávio Dino não pretende ver candidato do seu partido travando batalhas desgastantes com aliado importante numa guerra que poderão vencer juntos, sem maiores dificuldades. Nas declarações que já fez sobre a disputa em São Luís, ele foi cauteloso, não apontando candidato da sua preferência. Com essa postura, estimula a suposição de que num determinado momento, provavelmente no início do ano que vem, com dados de pesquisas confiáveis nas mãos, tentará juntar os partidos em torno de um candidato forte. Se isso não for possível, nem viável, poderá, então, liberar duas candidaturas, de modo que os dois grupos possam se juntar num eventual segundo turno.

Independentemente dessas possibilidades, o PCdoB joga pesado no seu fortalecimento, turbinando seus três pré-candidatos para apontar o mais viável deles na hora certa. Nos bastidores do partido, líderes e militantes defendem que o PCdoB lance candidato próprio, certos que estão de que esse projeto esse projeto tem densidade política e viabilidade eleitoral em São Luís. E Rubens Jr., Duarte Jr. e Júlio Nogueira parecem empolgados e dispostos a medir forças dentro do partido pela vaga de candidato, e fora dele, pelo gabinete principal do Palácio de la Ravardière.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Rubens Jr. acusa Governo Bolsonaro de complicar acesso a livros e facilitar acesso a armas

Rubens Jr. teme que com o decreto as armar de fogo proliferem e estimulem a violência no País

“O que vemos é um governo que dificulta o acesso aos livros e facilita o acesso às armas. Eu não tenho dúvidas dos prejuízos desta medida para o país. Eu prefiro o caminho que investe na educação”. Foi como reagiu o deputado federal licenciado e atual secretário de Estado das Cidades Rubens Jr. ao criticar o decreto por meio do qual o presidente Jair Bolsonaro (PSL) atropelou o Estatuto do Desarmamento e flexibilizou a posse, o porte e o uso de armas de fogo no Brasil, numa decisão criticada em todo o mundo. Para Rubens Jr., que é advogado, foi vice-líder do PCdoB na Câmara Federal e continua voz influente na Oposição de esquerda, o decreto presidencial “tirou da Justiça e deu aos responsáveis legais o poder de autorizar um menor de idade a praticar tiro”, e vai permitir que pelo menos 19 milhões de brasileiros se armem sem problemas. Rubens Júnior vai além na sua crítica fazendo indagações oportunas: “É melhor armar a população ou desarmar o bandido? O que é mais importante? Eu prefiro o caminho escolhido pelo Governador Flávio Dino, para o Maranhão, que é tirar as armas das mãos da bandidagem, por meio de política sérias e investimento nas polícias”. O parlamentar amplia a crítica ao ato do presidente Jair Bolsonaro chamando atenção para a política de segurança pública do Governo Flávio Dino, que em combatendo a violência premiando policiais civis e militares que mais apreendem armas de fogo. O secretário das Cidades lembra que em 2018 foram 1.427 armas de fogo tirada das ruas, medida que somada a valorização dos policiais, aumento do efetivo, melhoria nos equipamentos, tem ajudado o Maranhão a reduzir os índices de violência em mais de 60%. Ao longo de 2016 foram apreendidas 753 armas de fogo no Maranhão. Em 2017, o número mais que dobrou: 1.762 armas tiradas das mãos de bandidos. Desse total, 338 foram apreendidas pela Polícia Civil e 1.458 mil pela Militar.

 

Municípios também enfrentam a pressão de precatórios

Justiça também pressiona várias prefeituras maranhenses a pagarem precatórios

Não é só o Governo do Estado que sofre a pressão dos credores de precatórios. Pelo menos 50 municípios, entre grandes médios e pequenos, vivem o mesmo problema, com a diferença de que não dispõem de condições mínimas para quitar tais débitos. Em geral, as pendências precatórias dos municípios são de natureza trabalhistas: rescisões não quitadas, acordos salariais não cumpridos, dissídios não respeitados. Há também nessa seara dívidas com empresas, principalmente empreiteiras e fornecedores de materiais diversos. Alguns municípios já tiveram receitas bloqueadas pela Justiça para quitar precatórios, mas a maioria conseguiu derrubar liminarmente essas medidas, mas as pendências continuam, com a agravante de que se transformam em verdadeiras bolas de neve por conta de juros e encargos. Para muitos municípios, é impossível quitar os precatórios que devem.

São Luís, 14 de Maio de 2019.

 

2 comentários sobre “PCdoB se movimenta para ganhar mais força e entrar para valer na corrida pela Prefeitura de São Luís

  1. Admiro muito o deputado Adriano Sarney por ser um político de coragem e de posições firmes. Uma boa opção para a Prefeito de São Luis.

  2. Se juntarmos os quatro,dará um grande picolé de xuxu. O tempo sempre será uma lição de vida em todos os sentidos e entre os quatro mosqueteiros nessa foto,somente um sairá vivo no final de quatro anos,os outros três infelizmente serão esmagados e esquecidos por suas arrogâncias e falta de visão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *