Rubens Júnior se diz “vacinado” contra o Ibope e garante que quadro muda durante a campanha

 

Rubens Júnior garante não ter se abalado com a pontuação na pesquisa do Ibope 

“Sou de um grupo político vacinado contra qualquer influência de pesquisa Ibope em início de campanha no Maranhão”. Foi essa a reação de Rubens Júnior, candidato da coligação PCdoB-PT-Cidadania-PMB-DC em relação à pesquisa Ibope divulgada segunda-feira, na qual aparece com apenas 2% das intenções de voto, junto com Carlos Madeira (Solidariedade) e Jeisael Marx (Rede), enquanto Eduardo Braide (Podemos-PSD-PSC-PMN) lidera com 43%, seguido de Duarte Júnior (Republicanos-PL-Avante-Patriotas) com 14%, Neto Evangelista (DEM-PDT-PSL-MDB) com 10%, Bira do Pindaré (PSB) com 5%, Adriano Sarney (PV) com 4%, e Yglésio Moises (PROS) e Franklin Douglas (PSOL) com 1%. Provocado sobre o assunto, Rubens Júnior entabula vários argumentos para minimizar o resultado do levantamento, entre eles o de que a pesquisa foi realizada no período de 12 a 14, antes das convenções e da declaração de apoio do ex-presidente Lula da Silva. “O Ibope sempre erra no começo, depois acerta, mas sempre erra no começo”, enfatiza, afirmando que sua candidatura está “mais forte do que nunca”.

O candidato do PCdoB surpreende ao não demonstrar qualquer traço de preocupação com o resultado da pesquisa. Sua avaliação é a de que, oficialmente definidos, os times estão em campo, numa espécie de aquecimento, para o jogo que começará, de fato, no próximo dia 27, com o início da campanha de rua, permitida a realização de passeatas com a utilização de carros de som e outros instrumentos permitidos pela Legislação Eleitoral. No seu roteiro, outro marco da corrida ao Palácio de la Ravardière é a propaganda no rádio e na TV, que será iniciada no dia 09 de Outubro. O candidato tem dedicado sua agenda a reuniões com lideranças comunitárias, avaliando que esses encontros – dezenas já foram realizados – vão produzir resultados importantes para a primeira etapa da campanha propriamente dita, com o início dos movimentos de rua que terá a largada no próximo Domingo.

Rubens Júnior afirma que está organizado para fazer uma campanha produtiva e com a convicção de que disputará o segundo turno, “provavelmente com o Braide”, e que vencerá a eleição. Numa conversa rápida, ele informa que sabe o que fazer para melhorar mais ainda a cidade que espera receber do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT). Os 12 meses que atuou como secretário das Cidades lhe deram uma visão apurada sobre São Luís, de modo que ele diz saber exatamente o que fazer se chegar ao gabinete principal da sede do Governo municipal. Para ele, o que aconteceu até agora não define o desfecho da disputa; ao contrário, é a partir de agora que “as pessoas vão saber quem é quem nessa disputa”. E deixa claro que vai fazer uma campanha com argumentos capazes de convencer o eleitor.

Politicamente, o candidato do PCdoB confia muito na força do grupo a que pertence, no lastro da coligação que lidera e no apoio do ex-presidente Lula da Silva (PT), que, aliás, já gravou uma declaração nesse sentido. Acha que está bem estruturado, que vem fazendo a coisa certa como candidato e que está preparado para qualquer situação. E com um discurso simples, direto, feito em tom de quem está com os pés no chão, sem nenhum traço de arrogância ou afetação, Rubens Júnior aposta que as próximas pesquisas, incluindo as do Ibope, principalmente as que serão feitas nas diferentes etapas da campanha, mostrarão uma realidade bem diferente, particularmente no que diz respeito à sua candidatura.

A convicção de Rubens Júnior de que estará entre os primeiros e irá para o segundo turno é surpreendente em se tratando de um candidato para apareceu numa posição nada estimulante na pesquisa do Ibope. Mas vale lembrar que faltam mais de 50 dias para as eleições, o que em corrida eleitoral é tempo suficiente para a ocorrência de mudanças inacreditáveis.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Flávio Dino acertou ao criticar o inacreditável discurso de Jair Bolsonaro na ONU

Flávio Dino critica fortemente discurso de Jair Bolsonaro na ONU

O governador Flávio Dino (PCdoB) usou as redes sociais para registrar seu ponto de vista em relação ao inacreditável discurso com que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) manteve tradição de que o chefe do Estado brasileiro é o primeiro a falar na abertura da Assembleia Geral da ONU. Na linha do que disseram políticos, diplomatas e representantes das mais diversas áreas da sociedade organizada, o governador do Maranhão disse o seguinte nas redes sociais:

“Chave interpretativa do discurso de Bolsonaro na ONU:

Vilões – governadores, imprensa, Judiciário, caboclos e indígenas, ONGs, conspiração internacional etc.

Heróis- Bolsonaro e Trump.

Discurso impatriótico, não convence e enfraquece ainda mais o Brasil no mundo”.

De fato, todo e qualquer cidadão minimamente esclarecido acerca dos temas abordados pelo presidente certamente ficou perplexo ao vê-lo responsabilizar índios e caboclos pelos incêndios que devastam áreas quilométricas da Amazônia; culpar os governadores pelas mais de 137 mortes mil mortes causadas pela pandemia do novo coronavírus; reafirmar sua impressionante submissão aos Estados Unidos de Donald Trump; “denunciar” uma “cruel” campanha internacional de “desinformação” contra o Brasil; e dizer para o mundo que o Brasil do Carnaval, do samba, das festas populares, que prima pela liberdade de credo e que rejeita controle de comportamento é um país “profundamente cristão e conservador”, como se o Estado brasileiro não fosse laico.

Um diplomata experiente fez o seguinte comentário: “A comunidade internacional certamente não levará esse discurso a sério”.

 

Wellington faz discurso magoado e diz: “Quem conhece Braide não vota em Braide”

Wellington do Curso ataca Eduardo Braide e Ibope

O deputado Wellington do Curso parece não se conformar com a decisão do PSDB de rifar sua candidatura a prefeito de São Luís para apoiar o candidato do Podemos, Eduardo Braide, que lidera corrida. Inquieto, conhecido por dizer o que lhe vem à cabeça, e incansável na mania de reclamar, o parlamentar agora decidiu abrir suas baterias contra o ex-futuro adversário na disputa, espalhando a frase como slogan de uma anticampanha: “Quem conhece Braide não vota em Braide”. Também já declarou algumas vezes que o senador Roberto Rocha, presidente do PSDB estadual e responsável pela rifada da sua candidatura, “não tem palavra”. E ontem, num discurso magoado, feito na tribuna da Assembleia Legislativa, virou suas baterias verbais na direção do Ibope, afirmando, categoricamente, mas sem apresentar prova, que a pesquisa divulgada segunda-feira “foi manipulada”. E avisou que vai debulhar, no momento oportuno, a tal manipulação. E para fechar sua fala, avisou que anunciará em breve o candidato que terá seu apoio na corrida à Prefeitura de São Luís. Há dúvidas de que algum deles esteja interessado.

São Luís, 23 de Setembro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *