Rubens Jr. diz que está pronto para ser candidato à prefeito, mas a decisão é do grupo liderado por Flávio Dino

 

Rubens Jr.: político jovem com experiência de raposa pode ser o candidato do PCdoB à prefeitura de São Luís

“Sou um político de grupo. Se o grupo achar que eu deva ser o candidato, eu serei candidato. Se for o contrário, não serei candidato, e seguirei em frente. Estou preparado para o que o grupo decidir”. A declaração, feita em tom de sentença, foi dada à Coluna por Rubens Pereira Jr., deputado federal licenciado (PCdoB) e atual secretário de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), em resposta à pergunta sobre se será ou não candidato à Prefeitura de São Luís. Aos 35 anos, com raiz política em Matões, na região polarizada por Caxias, mas com fortes ligações com São Luís, e exercendo o quarto mandato parlamentar – dois de deputado estadual e já no segundo de deputado federal -, Rubens Jr. é um dos quadros mais destacados do chamado “Núcleo de Ferro” liderado pelo governador Flávio Dino e apontado como o nome preferido do Palácio dos Leões para disputar a sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT) pelo PCdoB. Dono de invejável cacife eleitoral – se elegeu e se reelegeu deputado federal com mais de 100 mil votos -, o atual titular da Secid mostra maturidade política surpreendente para os seus 35 anos e um realismo incomum quando avalia a possibilidade de vir a ser o candidato do seu grupo à Prefeitura de São Luís.

– Será uma luta difícil, mas se eu entrar, vou entrar determinado a vencer – diz, cm determinação e sem exibir qualquer traço de arrogância.

Ao contrário de alguns aspirantes ao Palácio de la Ravardière, Rubens Jr. sabe exatamente onde está pisando e demonstra ter o controle total do cenário em que a disputa está sendo desenhada. Político jovem com tarimba de raposa, mostra que aprendeu muito nos três mandatos parlamentares já exercidos. Tanto que não relutou quando, no início do quarto mandato, já exercendo a condição de vice-líder do PCdoB na Câmara Federal, aceitou a convocação do governador Flávio Dino para fechar uma equação político-partidária: licenciou-se do mandato para assumir a Secid – sonho dourado de todos os políticos com mandato -, ao mesmo tempo abrindo vaga para o suplente Gastão Vieira (PROS). Poderia ter assumido qualquer pasta, mas a Secid, que cuida dos problemas urbanos, lhe caiu como uma luva e indicou claramente a intenção do governador Flávio Dino de prepará-lo para grandes desafios executivos, tudo indicando que o primeiro deles seja a Prefeitura de São Luís. Indagado sobre o assunto, Rubens Jr. não nega nem confirma, mas deixa no ar que é isso mesmo e que está disposto a mostrar que além de bom político é também bom gestor.

– É minha obrigação como político mostrar que também sei administrar – diz, com firmeza e convicção.

Rubens Jr. tem noção clara de que a escolha do candidato do PCdoB à prefeito de São Luís não será uma simples manifestação da vontade dos líderes do grupo. O PCdoB tem outro nome com respeitável peso eleitoral na Ilha, o deputado estadual Duarte Jr., que está se movimentando intensamente pela vaga de candidato. Rubens Jr. surpreende ao avaliar a situação com visível tranquilidade, reconhecendo o lastro eleitoral do colega de partido e admitindo que ele é um nome competitivo para a disputa. No entanto, sem menosprezar o “adversário”, diz tratar-se de um bom quadro, mas acha que está mais preparado para ser prefeito, chamando atenção para o fato de que nessa escolha o eleitor não levará em conta apenas o potencial eleitoral do candidato, mas o que ele poderá realizar quando assumir a Prefeitura. Sabe também que, se sair candidato, enfrentará concorrentes fortes, como Eduardo Brida (Podemos), Osmar Filho ou Dr. Yglésio (PDT), Neto Evangelista (DEM), Jeisael Marx (Rede), Wellington do Curso (PSDB), Adriano Sarney (PV) e até mesmo seu atual colega de partido Duarte Jr. por outra legenda.

– Não quero ser melhor do que ninguém, mas sei o que fazer se for candidato e vier a ser eleito prefeito de São Luís – diz, sem titubear.

No comando da Secid, Rubens Jr. tem em São Luís o foco de vários programas importantes, como o Nosso Centro, destinado a revitalizar o centro de São Luís incentivando uma renovação sustentável, e outros, como Minha Casa, Meu Maranhão e Cheque Minha Casa, voltados para melhorar o padrão de moradia nos diversos bairros da Capital. Sem fazer alarde e cumprindo uma agenda intensa e desafiadora, o secretário Rubens Jr. vai aprimorando sua experiência executiva aprofundando o seu conhecimento sobre a realidade de São Luís. Nesse cenário, chegará a março/abril do ano que vem com a Capital e seus problemas na palma da mão, pronto para deixar o cargo e entrar na corrida pelo voto. Se o grupo a que pertence assim decidir, ressalva, com habilidade.

– Estou pronto para ser candidato – avisa.

 

PONTO & CONTRAPONTO

Adriano Sarney sai da condição de “herdeiro” e começa a pensar como político realista

Adriano Sarney: começa a atuar como político 

Ao convocar o MDB, o PSC, o PSD e o seu próprio partido, o PV, para formar uma frente de Oposição em torno da sua candidatura à prefeito de São Luís, o deputado Adriano Sarney deu, finalmente, uma demonstração de que está se libertando da condição de “herdeiro quero, mando, posso” para assumir a condição de político que tem pela frente o desafio de salvar o que sobrou do sarneysismo e ajudar a transformá-lo num grupo com algum futuro. Hoje, o sarneysismo está resumido ao MDB, que se mantém pela obstinação partidária do ex-governador João Alberto e pela militância aguerrida de jovens liderados pelo deputado Roberto Costa, e contando com o apoio dos deputados federais João Marcelo e Hildo Rocha, e o estadual Arnaldo Melo; ao PV, comandado pelo deputado Adriano Sarney e contando com os deputados estaduais César Pires e Rigo Teles; ao PSD, que conta com o deputado federal Edilázio Jr., e ao PSC, representado agora pelo deputado federal Aluísio Mendes; contando ainda com cerca de 40 prefeitos e pelo menos uma centena de vereadores. E com um detalhe fundamental: estão espalhados e sem falar o idioma sarneysista, o que exigirá um trabalho político eficiente para reuni-los. O chamamento feito pelo deputado Adriano Sarney é um sinal de que ele começa a compreender que a situação do grupo é extremamente difícil, mas que um bom e cuidadoso trabalho de articulação, sem pressão e sem imposição, poderá resultar na formação de uma aliança sarneysista em São Luís. O problema são as arestas criadas em outros tempos e que precisam ser aparadas

 

Flávio Dino levará suas impressões sobre o País ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta Segunda

Flávio Dino em entrevista recente na Band: um dos políticos mais ouvidos do País 

O governador Flávio Dino será o entrevistado do programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira (23), que vai ao ar às 22 horas. Nas últimas semanas, ele tem sido o líder político mais ouvido por emissoras de TV e de rádio e por jornais, revistas e sítios de notícia, à exemplo do maior deles, o UOL, ligado ao Grupo Folha. Na grande imprensa, o governador do Maranhão começa de fato a ser visto como um potencial candidato a presidente em 2022. E as razões para isso são diversas. Começa com o fato de ser ele o responsável por derrotar o sarneysismo e destravar politicamente o Maranhão. Além disso, chama a atenção o fato de ser ele o único governador do PCdoB em todo o País, levando esse partido – que foi duramente desidratado nas eleições de 2018 -, a firmar uma base forte no estado. Pesa também nesse contexto o fato de estar realizando um bom Governo, com rigoroso equilíbrio fiscal, num cenário em que mantém Oposição em relação ao Governo de Brasília e boa parte dos estados – incluindo Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul – encontra-se em situação pré-falimentar. E, finalmente, pelo fato de que ele se mostra uma voz lúcida e politicamente inteligente num ambiente político em que é evidente a carência de líderes na seara da esquerda democrática. Na sua pregação País afora, o governador do Maranhão tem impressionado plateias exigentes, formadas por intelectuais, jornalistas, profissionais liberais de todas as áreas, empresários com viés social, grupos corporativos e outros segmentos engajados da sociedade organizada. Vale a pena conferir, avaliar e tirar conclusões.

São Luís, 21 de Setembro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *