Reviravolta: PT declara apoio a Edivaldo Jr. sem indicar o candidato à vice; nome sairá dos quadros do PSB

 

ptresolve
PT se reúne para confirmar apoio a Edivaldo Jr. e abrir  para Roberto Rocha indicar Roberto Rocha Jr. para vice

 

Depois de vários dias de incertezas e muito disse-não-disse nos bastidores da coligação gigante liderada pelo PDT para disputar a Prefeitura de São Luís, o prefeito Edivaldo Jr. teve devolvida a normalidade na montagem de sua campanha para a corrida em busca da reeleição. A tranquilidade foi dada pelo PT, que  em nova reunião de cúpula voltou atrás na suspensão das negociações com o PDT, abriu mão de indicar o advogado Mário Macieira como candidato à vice e reafirmou seu apoio integral à candidatura do prefeito. Com a decisão, o PT saiu da briga majoritária e decidiu cuidar da vida tentando eleger vereadores na Capital por meio de uma coligação com o PTC. Com a reviravolta do PT – que se deu de maneira serena, apesar da insatisfação de alguns quadros do partido -, o caminho ficou finalmente livre para o PSB, que sob o comando do senador Roberto Rocha, indicará o candidato à vice do prefeito Edivaldo Jr., que deve ser o vereador Roberto Rocha Jr.. O desdobramento político da inviabilização do advogado Mário Macieira passa a ser um assunto do governador Flávio Dino (PCdoB).

Ao revisar sua posição e procurar um caminho mais tranquilo para buscar um sopro de sobrevivência nas urnas, o PT depôs suas armas e encarou a realidade. Deu-se conta de que sua posição é politicamente frágil e que só teria a perder se resolvesse partir para uma medição de força por causa da vaga de candidato a vice. Ao livrar-se desse foco de tensão, o PT deve se dedicar agora à montar uma chapa forte de candidatos à Câmara Municipal numa aliança com o PTC, que foi o partido do prefeito Edivaldo Jr. e é comandado pelo deputado Edivaldo Holanda. Além disso, o PT conseguiu juntar os pedaços soltos e retomar sua unidade, que começa a se tornar uma realidade, apesar das profundas diferenças que ainda distanciam os segmentos que romperam.

Com a saída do PT da briga pela vice, o PSB fica sozinho no pedaço, já que no arco da aliança em torno do prefeito Edivaldo Jr. não tem uma legenda com peso político suficiente para tentar se sobrepor ao projeto socialista. E o peso político do PSB, que tem por base a influência do senador Roberto Rocha, definiu mais uma parada a seu favor. Para começar, a determinação de fazer o candidato a vice-prefeito implodiu o projeto de candidatura do deputado estadual Bira do Pindaré, que tinha potencial para ser eleitoralmente viável, conforme sinalizaram as pesquisas até recentemente. Rocha montou sua estratégia com todo cuidado: mediu os riscos e avaliou possíveis desdobramentos e concluiu que ou jogaria essa cartada ousada ou poderia ser colocado em segundo plano, o que poderia repercutir muito mal no meio político e fora dele.

O senador Roberto Rocha jogou todo o peso do seu cacife na operação para fazer o companheiro de chapa do prefeito Edivaldo Jr. – no meio político ninguém duvida que ele indicará o vereador Roberto Rocha Jr. para a vaga. A expectativa agora é sobre como reagirá o Palácio dos Leões, onde a pré-candidatura do advogado Mário Macieira foi decidida para ser o trunfo do PT. Afinal, o senador Roberto Rocha inviabilizou o candidato do governador Flávio Dino (PCdoB), o que para alguns observadores pode deixar alguma rusga no ar. Mas certamente não resultará numa crise que estremeça a base da coligação gigante às vésperas da campanha eleitoral propriamente dita.

A definição em relação ao seu vice com a desistência faz com que o PDT realize hoje sua convenção para confirmar a candidatura do prefeito Edivaldo Jr. à reeleição em clima de festa, aproveitando não apenas a superação dos obstáculos políticos, mas também a liderança na preferência do eleitorado.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

PT fará aliança com PDT e PSB em grandes municípios
curado 2
PT deve apoiar Rosângela Curado em Imperatriz

O PT fechou sua participação nas eleições em São Luís ao declarar apoio ao prefeito Edivaldo Jr. e abrir mão de indicar o candidato a vice-prefeito, mas ainda não resolveu como vai participar da corrida eleitoral em Imperatriz, Timon, Caxias e Balsas. Na metrópole tocantina ainda vai definir se confirma o indicativo de entrar na corrente liderada pela candidatura de Rosângela Curado (PDT) ou lançar candidato próprio. Em Caxias, o partido poderá lançar candidato próprio ou aliar-se ao PSB em torno da candidatura do prefeito Leo Coutinho, descartando qualquer possibilidade de aliar-se ao PMDB. Em Balsas, os petistas estão numa situação complicada: apoiar o candidato do PDT, Dr. Eric, ou formar fileiras com o PSB em torno da candidatura do prefeito Luis Rocha Filho, irmão do senador Roberto Rocha. Na disputa de Timon, a inclinação do partido é por uma aliança com o PSB em torno da candidatura do prefeito Luciano Leitoa. Já em São José de Ribamar os petistas vão para a guerra eleitoral contra o candidato do PSDB, Luis Fernando Silva, apoiando a candidatura de Julinho Matos (PDT). E em Paço do Lumiar, o partido de Lula apoiará a candidatura do ex-petista e convertido ao comunismo Domingos Dutra.

 

Complica a situação de Fábio Câmara no PMDB
fábio e joão
Fábio Câmara só tem hoje o apoio de João Alberto

É complicada a situação do vereador Fábio Câmara, pré-candidato do PMDB à Prefeitura de São Luís. Além de amargar um desempenho desalentador nas pesquisas, ele enfrenta a divisão do partido em relação ao seu projeto. Dentro do PMDB, Câmara conta com o apoio decidido do presidente da agremiação, senador João Alberto, que é conhecido por cumprir sua palavra. Mas enfrenta a resistência nada desprezível da ex-governadora Roseana Sarney, que já apoiou o pleito de Câmara, mas ultimamente vem sugerindo que o PMDB articule uma aliança com o deputado Wellington do Curso (PP), por acreditar que ele tem potencial para vencer a disputa pela Prefeitura, sugerindo até o pré-candidato pemedebista como vice. Não bastasse isso, Fábio Câmara tem também de encarar a movimentação do suplente de senador Lobão Filho, que incentiva o PMDB a aliar-se à candidata do PPS, deputada federal Eliziane Gama. O entusiasmo de Lobão Filho com o potencial de Eliziane é tamanho que foi ele quem articulou o encontro que ele manteve com a cúpula do partido, na semana passada. Mesmo assim, dentro do PMDB é tido como certa a candidatura de Câmara. A não ser que ele próprio tome a iniciativa de sair do páreo.

 

São Luís, 29 de Julho de 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *