Braide e Rocha vislumbram aliança Podemos/PSDB, mas Wellington não abre mão de candidatura

 

Eduardo Braide e Roberto Rocha pensam aspiram uma alança Podemos/PSDB, mas Wellington do Curso mantém pré-candidatura pelos tucanos

Todos os sinais indicam que o PSDB, comandado pelo senador Roberto Rocha, e o Podemos, agora liderado pelo deputado federal Eduardo Braide, projetam uma aliança nas eleições municipais do ano que vem. As evidências vieram à tona nos encontros que os dois partidos realizaram, na semana passada, e durante os quais seus dirigentes se visitaram e se movimentaram como velhos aliados. Não houve declarações a respeito de alianças, especialmente em São Luís, mas o clima entre o chefe do Podemos e o dos tucanos indicou que essa possibilidade está em aberto. O problema é que Eduardo Braide é o candidato irreversível do Podemos à Prefeitura da Capital, liderando as pesquisas feitas até aqui. Ao mesmo tempo, o deputado estadual Wellington do Curso, que vem aparecendo bem nos levantamentos, já declarou, em diversas oportunidades, que não abre mão de ser o candidato do PSDB à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT). E pela evolução dos acontecimentos relacionados com a conquista do Palácio de la Ravardière nas eleições do ano que vem, se estiverem mesmo pensando numa composição do Podemos com o PSDB, Eduardo Braide e Roberto Rocha terão de fazer uma verdadeira obra de engenharia partidária para conciliar os interesses de Wellington do Curso, além dos que estão colocados sobre a mesa de cada um desses partidos.

Depois de um pongo tempo de indefinição, Eduardo Braide está com sua situação partidária totalmente resolvida. Ele saiu do PMN, mas não transferiu o controle, continuando a dar as cartas na legenda por meio do seu irmão, Fernando Braide, por ele emplacado na direção. E migrou para o Podemos, uma agremiação um pouco mais robusta, comandada nacionalmente pelo senador paranaense Álvaro Dias, cujo controle total e absoluto assumiu no estado. No Podemos, Eduardo Braide tem a garantia de controle da legenda e deverá contar com alguma estrutura e recursos do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral, reunindo assim as condições para tocar uma campanha sem maiores problemas.

O ideal para Eduardo Braide seria uma aliança com o PSDB na qual os tucanos indicassem o seu companheiro de chapa, equação que contaria com a simpatia do tucano-mor Roberto Rocha. O problema é que, montado num cacife superior a 10 pontos percentuais nas pesquisas, Wellington do Curso se coloca como pré-candidato do PSDB, descartando qualquer possibilidade de acordo que lhe tire a condição de cabeça da chapa dos tucanos na disputa em São Luís. E muito provavelmente não aceita sequer admitir a hipótese de vir a ser ele mesmo o candidato a vice na chapa liderada por Eduardo Braide. Seria uma espécie de “suicídio” político e eleitoral.

O PSDB tem um argumento forte para tentar convencer Wellington do Curso a mudar de ideia: não há qualquer evidência de que ele venha a crescer num cenário em que estarão também no páreo candidatos fortes como o deputado Neto Evangelista (DEM) – principalmente se fechar uma aliança em que o PDT indique o vice -, o deputado federal Bira do Pindaré (PSB), e o candidato do PCdoB, que pode ser o deputado federal Rubens Júnior ou o deputado estadual Duarte Júnior, além de Jeisael Marx, já definido pré-candidato da Rede. Isso num cenário que poderá incluir a ex-governadora Roseana Sarney (MDB). Wellington do Curso, porém, vem dedicando praticamente todo o seu mandato a uma Oposição intensa e solitária ao prefeito Edivaldo Holanda Júnior, o que lhe dá autoridade para reivindicar a vaga de candidato do PSDB ao Palácio de la Ravardière.

O fato é que Eduardo Braide e Roberto Rocha estão vivamente interessados numa aliança Podemos/PSDB em São Luís e noutros municípios. Mas no caso da Capital esse interesse esbarra exatamente no projeto do deputado Wellington do Curso, que pelo que tem dito não está mesmo disposto abrir mão da vaga de candidato do ninho dos tucanos, podendo produzir um baita impasse nos bastidores do PSDB, gerando um forte desconforto no ninho. E com a habilidade que tem demonstrado, Eduardo Braide está disposto a dar uma boiada para não entrar numa confusão.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Dino propõe e AL aprova redução do preço do gás de cozinha e isenções para taxistas e mototaxistas

Flávio Dino propôs e a Assembleia Legislativa aprovou redução no preço do gás de cozinha

O gás de cozinha vai ficar mais barato no Maranhão. A redução do preço foi garantida ontem pela Assembleia Legislativa, que aprovou ontem, por unanimidade, em sessão extraordinária, o Projeto de Lei 594/2019, proposto pelo governador Flávio Dino (PCdoB), que reúne um minipacote de benefícios com o objetivo de aliviar o peso desse e outros itens no orçamento das famílias maranhenses, principalmente as de menor renda. O PL aprovado reduz de 18% para 14% a alíquota de ICMS do Gás Liquefeito Derivado de Gás Natural, e também isenta de IPVA motos de até 200 cilindradas usadas por mototaxistas, isentando também taxistas da taxa de renovação de licenciamento de veículo e IPVA. Na mensagem que apresenta e propõe o PL à Assembleia Legislativa, o governador Flávio Dino (PCdoB) justifica a proposta afirmando que as medidas visam incentivar o desenvolvimento social e econômico do Estado do Maranhão.

“A presente proposição propõe alterações na Lei 7.799, de 19 de dezembro de 2002. E, dentre as medidas, consta a redução da alíquota do ICMS de 18% para 14%, nas operações internas e de importação do exterior realizadas com gás liquefeito derivado de petróleo (GLP) e com gás liquefeito derivado de gás natural (GLGNn e GLGNi)”, esclarece o governador, que deve sancionar o PL hoje. O governador justifica as mudanças no Programa Moto Legal, que tem por finalidade promover a conscientização sobre a segurança e preservação da vida no trânsito, por meio da concessão de benefícios para pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e da Taxa de Licenciamento, o Projeto de Lei amplia o benefício da remissão parcial de débitos fiscais, estabelecendo a possibilidade de redução em 50% (cinquenta por cento) também dos débitos referentes ao exercício de 2018.

O Art. 4º do PL estabelece que o Programa Moto Legal anistia de multas e juros e remissão parcial de débitos fiscais relacionados ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para veículos automotores de duas rodas cujo valor venal seja de até R$ 10.000,00 (dez mil reais), nos seguintes termos: I – redução de 50% (cinquenta por cento) os débitos referentes ao exercício de 2017 e 2018; II – redução do valor de R$ 30,00 (trinta reais) nos débitos referentes a cada exercício anterior ao de 2017.

Para os mototaxistas, o alcance do programa Moto Legal fica limitado a um veículo por beneficiário. Serão beneficiados, ainda, os proprietários de veículos rodoviários utilizados na categoria de táxi, com capacidade para até sete passageiros, sendo motoristas profissionais autônomos ou cooperativados, com limite de um veículo por beneficiário.  (Com informações da Assessoria de Imprensa da Assembleia Legislativa).

 

Confirmado pré-candidato, Jeisael Marx encontrou na Rede o partido certo para seu projeto

Jeisael Marx é pré-candidato da Rede com  apoio de Marina Silva e aval de Fauzi Beydoun

A pré-candidatura do jornalista Jeisael Marx à Prefeitura de São Luís pelo partido Rede Sustentabilidade, criado e liderado pela ex-petista Marina Silva, está consolidada. A definição veio ontem com declaração enfática e definitiva da líder do partido, coroando assim uma cuidadosa e eficiente articulação feita por Jeisael Marx com o aval do mais importante nome da Rede no Maranhão, o cantor e compositor Fauzi Beydoun. Jeisael Marx jogou a cartada certa quando saiu do emaranhado que enrola as siglas tradicionais com as de aluguel, procurando um partido que reúne dois fundamentos que estão na ordem do dia: ambientalismo e decência na vida pública, marcas que traduzem com perfeição Marina Silva. Como cabeça de chapa da Rede, poderá perfeitamente ajustar seu discurso, podendo fazer a diferença como candidato independente. Sabe que enfrentará candidatos fortíssimos embalados por máquinas partidárias poderosas, mas sabe também que nessa corrida haverá espaço para um discurso inteligente, propositivo e que esteja em perfeita sintonia com temas decisivos na atualidade, como a defesa do meio ambiente, por exemplo, carro-chefe da Rede criada por Marina Silva. Jeisael Marx encontrou a máquina partidária certa para viabilizar seu projeto de candidatura à sucessão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior.

São Luís, 04 de Dezembro de 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *