Pesquisa mostra Edivaldo Jr. na ponta como o candidato com densidade maior do que Eliziane Gama e Wellington do Curso

 

edivaldojr lidera
Edivaldo Jr. passa Eliziane Gama e Wellington do Curso se mantem em terceiro na corrida para a Prefeitura de SL

A pesquisa Econométrica sobre a corrida para a Prefeitura de São Luís, divulgada ontem no bem informado Blog do Luis Cardoso, ratifica divisão dos candidatos em dois pelotões e, mais do que isso, responde a algumas indagações essenciais em relação ao potencial dos prefeituráveis mais importantes: o prefeito Edivaldo Jr. (PDT), que tem agora 23,7% das intenções de voto passou para a liderança em relação à pesquisa anterior; a deputada federal Eliziane Gama (PPS), agora com 20% aparece pela primeira vez em segundo lugar, e o deputado Wellington do Curso (PP), com 18.1%, permanece na terceira e ameaçadora posição. O quadro de intenções de voto encontrado no levantamento indica que no primeiro pelotão o prefeito segue firme no seu projeto de reeleição, confirma a perda de fôlego da candidata do PPS e mostra que o aspirante do PP continua sendo ao mesmo tempo uma surpresa e uma incógnita. Liderado pelo deputado estadual Bira do Pindaré (PSB), com 6,8%, o segundo pelotão não exibe a menor chance de reação: a vereadora Rose Sales (PMB) com 3,4%, o vereador Fábio Câmara (PMDB) com 3%, o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) com 2,4%, o médico João Bentivi (PHS) com 1,7%, a professora Cláudia Durans (PSTU) com 0,8% e o professor Valdeny Barros (PSOL) com 0,5%.

O quadro desenhado pela Econométrica confirma avaliação recente de que o prefeito Edivaldo Jr. é o candidato com maior consistência política e densidade  eleitoral, detentor, portanto, de condições mais adequadas na disputa em andamento. No cargo há três anos e meio e com o apoio político e administrativo do governador Flávio Dino (PCdoB), Edivaldo Jr. vem pavimentando seu caminho para as urnas com uma estratégia conservadora, mas eficiente, para se consolidar no eleitorado. As primeiras pesquisas o mostraram com pouco mais de 10% das intenções de voto, e agora ele tem o dobro, melhorando sua performance a cada levantamento. Também era atingido por uma rejeição impressionante, mas que vem também perdendo densidade. Tem um lastro de obras a mostrar, lidera uma aliança de 18 partidos, terá o maior tempo de TV e, a menos que algo venha à tona nas próximas semanas, pode se apresentar como chefe de uma gestão sem desvios éticos. Reúne, portanto, as condições para seguir crescendo e manter-se na dianteira.

A deputada federal Eliziane Gama vive uma situação rigorosamente inversa. As primeiras pesquisas a encontraram com mais de 50% das intenções de voto. De lá para cá, todos os levantamentos mostraram-na em curva decrescente, que já pulverizou mais de 30 pontos percentuais, num duro processo de esvaziamento do seu projeto eleitoral. Até o momento, Eliziane só conta com o seu partido – que é rico em tradição, mas é magérrimo em matéria de votos -, o PSDB, que lhe dá alguma consistência política, e com a Rede Sustentabilidade, que só acrescenta à sua candidatura uma declaração de apoio da presidenciável Marina Silva, já que o novo partido nada pode oferecer em matéria do que mais interessa: votos. Eliziane Gama é ave política solitária, que dispõe tão somente do seu carisma e da sua incrível mobilidade, e terá de valer-se desses atributos, já que até aqui só acrescentou à sua candidatura o prestígio político do ex-prefeito João Castelo. Sabe, porém, que precisa de muito mais durante a campanha para reverter o processo de esvaziamento.

Em terceiro lugar na pesquisa, mas muito próximo da popular-socialista, o deputado Wellington do Curso não avançou, mas também não perdeu pontos. A estacionada o coloca numa fronteira tênue que separa o candidato com solidez política do candidato inflado por sopros eventuais de gás pré-eleitoral. Essa impressão está desenhada no fato de que o candidato do PP aparece imbatível num eventual segundo turno, no qual venceria Eliziane e Edivaldo Jr. com folga na disputa direta. Essa situação o torna um candidato nada fácil de avaliar, já que pode ter picos de crescimento ou de perda de gás. Mas não resta dúvida que Wellington do Curso ocupou o vácuo deixado com saída do ex-prefeito João Castelo. Por outro lado, não construiu até agora um suporte politico e partidário que alimente o embalo da sua candidatura.

É verdade que olhando à primeira vista os números da Econométrica informam que Edivaldo Jr., Eliziane Gama e Wellington do Curso estão embolados na ponta da corrida se levada em conta a margem de erro de 3,1%. Mas o fato é que, com base em todas as pesquisas divulgadas até agora, a conclusão mais prudente e honesta é a de que o prefeito Edivaldo Jr. está com um pé no segundo turno, ficando a duvida de quem o enfrentará na segunda rodada. Mas com o alerta de que mudanças poderão ocorrer durante a campanha.

Em tempo: a pesquisa Econométrica ouviu 985 eleitores, tem margem de erro de 3,1%, foi contratada pela Luis Assis CS de Almeida, que detém o controle da Assessoria Avançada, responsável pelo Blog do Luis Cardoso,e foi registrada sob o protocolo Ma-03691/2016 no Tribunal Regional Eleitoral.

 

PONTO & CONTRAPONTO

Segundo pelotão de candidatos parece sem futuro em São Luís
segundo pelotão
Bira do Pindaré, Rose Sales, Fábio Câmara, Eduardo Braide, Cláudia Durans e Valdeny Barros formam o segundo pelotão na corrida à Prefeitura de São Luís

Os números da Econométrica mostram que o segundo pelotão de candidatos à Prefeitura de São Luís  vai continuar eleitoralmente raquítico – somados, os cinco têm 17% das intenções de voto, menos que o percentual de intenções de votos do a Wellington do Curso. Esse desempenho desanimador os torna meros figurantes na corrida, já que até aqui nenhum demonstrou capacidade de reação.

A pior situação é a do deputado Bira do Pindaré, que está sofrendo um forte desgaste ao ser descartado pelo seu partido, o PSB, cuja cúpula prefere aliar-se ao prefeito Edivaldo Jr. e indicar o seu companheiro de chapa. Mesmo que vire o jogo e venha a ser candidato – no que ninguém mais acredita, emboras seja possível -, a corrosão sofrida até aqui pelo seu projeto certamente impedirá uma reação que, se houver, será tardia.

A vereadora Rose Sales (PMB) a estas alturas já dispõe de elementos de sobra para saber que o seu projeto de ser prefeita de São Luís não será concretizada neste pleito. O seu desempenho até aqui indica que o mais produtivo para ela será entrar na briga pela renovação do mandato na Câmara Municipal, onde tem atuado com intensidade, revelando-se um bom quadro parlamentar.

De todos os candidatos lançados, o vereador Fábio Câmara foi o que ganhou as melhores condições partidárias: recebeu o comando do PMDB na Capital e tem sido embalado pela cúpula do partido, que tem lhe feito os afagos necessários para se manter convencido de que poderá chegar a algum lugar. A realidade, no entanto, é dura, cruel mesmo, pois informa que Câmara não tem qualquer futuro como candidato a prefeito. Poderá ser bem sucedido como candidato a vice ou a vereador.

O deputado Eduardo Braide entrou na corrida movido pela perspectiva de que, uma vez apresentado como candidato a prefeito, o eleitorado lhe daria gás para seguir em frente. Não foi o que aconteceu, pelo menos até aqui. Um dos mais preparados políticos da nova geração, Braide pensou que seu sucesso parlamentar o levaria à Prefeitura, mas não é o que está acontecendo.

João Bentivi foi incluído na pesquisa, mas está fora do páreo por decisão do seu partido, o PHS. Valdeny Barros e Cláudia Durans não têm futuro algum, embora suas presenças possam dar movimento à campanha.

Dutra ameaçado por Aroso em Paço do Lumiar
paço do lumiar
Dutra está ameaçado por Aroso, que se distanciou de Sobreiro

Os apoiadores dez candidatura do ex-deputado federal Domingos Dutra (PCdoB) à Prefeitura de Paço do Lumiar estão mergulhados em preocupação. Dutra vinha liderando as intenções de voto e ainda está na frente. O problema é o crescimento da candidatura do ex-prefeito Gilberto Aroso (PMDB), que mesmo sob a ameaça de ser confirmado como ficha suja e não poder concorrer, tem quase o mesmo percentual de intenções de voto. Dutra está em campanha há muito tempo e não conseguiu uma diferença sólida sobre Aroso, pois julgava que seu principal adversário seria o prefeito Josemar Sobreiro (PSDB). Dutra agora se encontra numa encruzilhada. Candidato do governador Flávio Dino, o ex-deputado vai ter de se desdobrar para se manter na dianteira, pois o PCdoB aposta todas as suas fichas na candidatura do ex-petista.

São Luís, 23 de Julho de 2016.

 

Um comentário sobre “Pesquisa mostra Edivaldo Jr. na ponta como o candidato com densidade maior do que Eliziane Gama e Wellington do Curso

  1. Visivelmente ele tem evolução nessa pesquisa ne. mas vamos ver, pesquisas são apenas pesquisar. o válido mesmo é depois de tudo. na hora de votar. ele é sim um grande favorito. E outra, nao confio em pesquisas porque eles podem falar o que bem quiserem nelas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *