Obra de transformação da Deodoro e da Rua Grande é inaugurada em ato histórico e marca momento político importante em São Luís

 

O esplêndido cenário da nova Praça Deodoro foi inaugurado ontem pelo prefeito Edivaldo Jr., pela presidente do Iphan, Kátia Bogea, na presença do governador Flávio Dino e do ministro Carlos Marun, representante do presidente Michel Temer

São Luís viveu neste sábado (22), um dos dias mais importantes e intensos dos últimos tempos. Inaugurou a modernização da Praça Deodoro e de parte da Rua Grande, uma obra que pode ser considerada a largada para uma nova transformação urbana da Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade, em ato carregado de simbolismo e sinais políticos, comandado pelo prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT), com a presença entusiasmada do governador Flávio Dino (PCdoB), do ministros da Cultura, Sérgio Leitão, e da secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB), e da presidente do Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), Kátia Bogea – os três dirigentes destacados do Governo do presidente emedebista Michel Temer. E pela primeira vez, em décadas, sem a presença de pesos pesados do Grupo Sarney num evento desse porte na Capital. Um dado forte do simbolismo é que a obra,fruto do gigantesco e importante Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) das Cidades Históricas, criado pela presidente Dilma Rousseff (PT) no seu primeiro Governo, foi completada pelo presidente Michel Temer (MDB) que cumpriu o contrato firmado por ela .

A chamada requalificação do complexo Praça Deodoro-Rua Grande que custou R$ 20 milhões até aqui, sendo 80% do Governo federal e 20% da Prefeitura de São Luís é, portanto, fruto de uma teia formada por diferentes grupos políticos. Mas só ganhou forma e deslanchou por conta da cobrança firme e politicamente correta do prefeito Edivaldo Holanda Jr., que contou com o apoio do governador Flávio Dino, e da aliança decisiva que firmou com a presidente do IPHAN, Kátia Bogea, cuja dedicação e  empenho foi total para que a implantação do projeto chegasse onde chegou no apagar das luzes do Governo Michel Temer. É verdade que, por meio de vinculações partidárias e recorrendo a discursos tardios, outras forças antes aliadas de Dilma Rousseff e depois alinhadas a Michel Temer andaram querendo tirar “casquinha” na obra transformadora. A investida não colou, porque o projeto e sua execução se devem à ex-presidente Dilma Rousseff, que o lançou, ao presidente Michel Temer, que respeitou o contrato e garantiu sua execução, à presidente do IPHAN, Kátia Bogea, que viabilizou as operações técnicas, e ao prefeito Edivaldo Holanda Jr., que batalhou sem descanso para que tudo desse certo.

Numa perspectiva política com foco nas eleições de 2020, a transformação do complexo urbano Praça Deodoro-Rua Grande gerou um clima, ainda discreto mas interessante, de prévia da corrida eleitoral. De um lado, o prefeito Edivaldo Holanda Jr., que consolidando sua posição de lider, começa a se movimentar para, juntamente com o governador Flávio Dino e o senador eleito Weverton Rocha (PDT), articular a escolha do candidato do grupo dinista à sua sucessão, já tendo vários nomes à  disposição, como o deputado federal eleito Bira do Pindaré (PSB) e o deputado eleito Duarte Jr. (PCdoB), por exemplo. Do outro, a arquiteta Kátia Bogea (sem partido), que é maranhense, dirigiu por anos o braço do instituto no Maranhão e chegou ao comando nacional por mérito e um empurrão do ex-presidente José Sarney, de cujo grupo, provavelmente sem o seu aval, saiu o zumzum incluindo-a na lista dos nomes com potencial para disputar a Prefeitura de São Luís. Kátia Bogea certamente tomou conhecimento da especulação, mas não fez nenhum gesto confirmando nem desestimulando, dentro da velha máxima segundo a qual “quem cala consente”.

O 22 de Dezembro de 2018 pode ter consolidado a volta de São Luís, tradicional bastião de agitação política, ao epicentro das preocupações dos grupos que disputam o poder no Maranhão. Um processo político plenamente justificado, pelo simples fato de que, além de Capital, São Luís entrou há pouco tempo no elenco das metrópoles com mais de 1 milhão de habitantes e vem ganhando cada vez mais  importância pela ampliação da sua força política, eleitoral e estratégica para o Maranhão e o Brasil.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Requalificação da nova face devolve importância à Praça Deodoro e coloca Rua Grande na modernidade

Resultados das obras : a nova face da Praça Deodoro, a volta dos gênios da culura maranhense ao Panteon e uma mostra de como está uma parte da Rua Grande

Toda a obra do Complexo Deodoro e a primeira etapa da Rua Grande inauguradas ontem formam o projeto de requalificação urbanística da região executado pelo Iphan, em parceria com a Prefeitura de São Luís, por meio do PAC das Cidades Históricas. O espaço transformado compreende as praças Deodoro e Panteon, as Alamedas Gomes de Castro e Silva Maia e as quatro primeiras quadras da Rua Grande. Com a transformação, o Centro da Capital ganha espaços com nova estrutura urbanística, deixando a área central mais aprazível para ludovicenses e visitantes.

Com 100% dos serviços concluídos, o Complexo Deodoro, que contempla as obras de reforma das praças Deodoro e do Panteon, além das alamedas Gomes de Castro e Silva Maia, está inteiramente transformado.

Na Praça Panteon os serviços contemplaram a colocação de nova pavimentação em concreto lapidado, renovando todo o piso; colocação de granito na área central e de grama nas áreas de canteiro, instalação de caramanchões para proporcionar beleza e sombreamento aos ambientes, novo mobiliário urbano, entre outros elementos urbanísticos e arquitetônicos como três conjuntos de caramanchões. O espaço ganhou ainda bancos e lixeiras, e nova configuração da iluminação pública, com a utilização de luminárias mais eficientes.

Outro grande destaque na nova configuração do Complexo Deodoro foi o retorno dos bustos de grandes personalidades das artes e letras do Maranhão à Praça Panteon. Por 11 anos, eles haviam sido armazenados no Museu Histórico e Artístico do Maranhão e agora foram restaurados e colocados em local de destaque, em frente à Biblioteca Benedito Leite. A Praça Deodoro, também ganhou novos banheiros públicos, bancos de pedras lioz, áreas para recebimento de atividades diversas e de fiscalização, canteiros ajardinados, entre outros elementos arquitetônicos. No espaço, 38 luminárias, bancos com design diferenciado, caramanchões, grama nova, além de centro administrativo e dois salões para blitz e policiamento da área.

Na Rua Grande – que recebe um movimento diário de 100 mil pessoas em dias normais e 150 mil pessoas em períodos festivos como o Natal – o trecho compreendido entre o Canto da Viração e a esquina da Travessa São Pantaleão ganhou novo piso de bloquete intertravado, sistema de esgotamento sanitário, obras de drenagem profunda, instalação elétrica subterrânea, novo posteamento de iluminação pública, entre outros serviços que conferiram ao espaço mais beleza e qualidade ao passeio público do maior centro de comércio popular da capital. O projeto incluiu embutimento total da fiação telefônica e elétrica, drenagem pluvial, novos equipamentos urbanos, pontos de acessibilidade, reduzindo barreiras físicas e melhorando o acesso de pedestres. O projeto contempla ainda pavimentação com nivelamento das vias, instalação de bancos e lixeiras e sinalização viária e turística. (Com informações da Secretaria Municipal de Comunicação – Secom).

 

Roberto Costa e Hildo Rocha mantêm acirrada a disputa pelo comando do MDB

Roberto Costa X Hildo Rocha: a disputa pelo comando do MDB continua dura nos bastidores

É aparente a calmaria das forças que lutam pelo controle do MDB. Sem qualquer sinal de trégua nem de que uma via de conciliação está sendo construída, o deputado estadual reeleito Roberto Costa, que defende que o comando do partido seja entregue à nova geração, e o deputado federal reeleito Hildo Rocha, que não aceita que  o partido seja entregue aos novos, nem a nomes manjados como a ex-governadora Roseana Sarney, por exemplo, estão em guerra aberta nos bastidores da agremiação. Roberto Costa continua mobilizando a nova geração do partido, com o apoio do ainda secretário nacional da Juventude e presidente da Juventude do MDB, Assis Filho, que ao deixar a secretaria desembarcará de volta ao Maranhão para ajudar a mobilizar o partido para as eleições municipais do ano que vem. Hildo Rocha tenta articular uma aliança com setores mais conservadores do partido para consolidar seu projeto de chegar à presidência. O desfecho dessa guerra se dará no dia 17 de Fevereiro do ano que vem, quando o MDB maranhense realizará uma convenção para escolher o sucessor do senador João Alberto, que deixará a presidência do MDB depois que encerrar seu mandato senatorial, em Janeiro.

São Luís, 23 de Dezembro de 2018.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *