Força do viés político faz da eleição da Famem um duro embate entre Weverton Rocha e Carlos Brandão

 

Erlânio Xavier tem o apoio de Weverton Rocha e Fábio Gentil de Carlos Brandão

Independentemente de quem sairá eleito presidente, a eleição para o comando da Federação dos Municípios, disputada entre o atual presidente, o prefeito reeleito de Igarapé Grande Erlânio Xavier (PDT), que tenta a reeleição, e o prefeito reeleito de Caxias, Fábio Gentil (Republicanos), será marcada definitivamente pelo seu largo, vistoso e inequívoco pano de fundo: o confronto entre o senador Weverton Rocha (PDT) e o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos) visando a sucessão do governador Flávio Dino em 2022. Por mais que os dois candidatos a presidente tenham insistido no discurso de que o pleito é de interesse exclusivo de prefeitos e que não guarda qualquer relação com a corrida ao Palácio dos Leões, é fato indiscutível que, além das ações municipalistas, a Famem será também um braço forte, para muitos fundamental, na guerra eleitoral que se aproxima. E exatamente por conta desse viés é que o que poderia ser resolvido por consenso ganhou o fogo da disputa e se realiza hoje em clima de indefinição, com os dois candidatos cantando vitória.

Numa entrevista ontem à noite ao programa Ponto & Vírgula, comandado pelo blogueiro Leandro Miranda, o presidente Erlânio Xavier, que é ostensivamente apoiado pelo senador Weverton Rocha, de quem é o principal operador político, que vinha sendo cuidadoso nas declarações, escancarou o tom de beligerância política ao atacar duramente o vice-governador Carlos Brandão, que está no exercício temporário do cargo, acusando-o de interferir no pleito em favor do candidato do seu partido. Na sua fala contundente, Erlânio Xavier prometeu retaliação pesada a Carlos Brandão na disputa para o Governo do Estado, sinalizando que, se reeleito, poderá usar o poder de fogo da entidade contra o vice, alvejando também o secretário-chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares. Jurou que o senador Weverton Rocha “não está interferindo” por que “está de férias”, quando até os azulejos dos casarões de São Luís sabem que o líder pedetista é o principal mentor e apoiador do presidente Erlânio Xavier, o que é politicamente legítimo.

(Vale lembrar que na eleição de 2019, o então prefeito de Tuntum e presidente da Famem e candidato à reeleição Cleomar Tema (PSB) denunciou publicamente a ostensiva intromissão do senador eleito Weverton Rocha em favor de Erlânio Xavier, que viu a participação como algo normal).

Fábio Gentil, por sua vez, não escondeu o apoio político do vice-governador Carlos Brandão, mas sustentou um discurso inteligente segundo o qual não houve nada de errado na sua participação, uma vez que o governador em exercício não usou a máquina estatal, como afirmou o presidente Erlânio Xavier. Credenciado pela sua indiscutível condição de bom gestor e com larga experiência política, o que lhe confere uma liderança bem mais ampla do que a do atual presidente da Famem, Fábio Gentil fez uma campanha dentro das regras da articulação política, na base da conversa. Nesse contexto, o vice-governador atuou legitimamente como apoiador assumido do candidato do seu partido, evidentemente apostando estabelecer relacionamento com os prefeitos quando se tornar o titular do Governo em abril do ano que vem.

Está mais do que claro que a eleição de hoje ganhou esse caráter de confronto sucessório prévio por causa da participação intensa, direta ou por tabela, dos dois pré-aspirantes a candidatos a governador. Vale relembrar que em 1989, após assumir a Prefeitura de São Luís, o grande líder pedetista Jackson Lago recusou convite para participar da Famem dizendo que não reforçaria o poder do sarneysismo, no que tinha total razão. Agora, nas conversas reservadas, prefeitos de oposição dizem que Erlânio Xavier significa Weverton Rocha no comando político da Famem, enquanto prefeitos da situação fazem a mesma ressalva, afirmando que Fábio Gentil representa Carlos Brandão na entidade.

Todos esses ingredientes, que agitam e tornam mais disputado o pleito para o comando da Famem, para muitos tornam o seu resultado o desfecho do primeiro grande embate entre o senador pedetista e o vice e futuro governador republicano.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Interlocutores políticos do Governo atuaram para evitar o acirramento dos ânimos na Famem

Rubens Jr. e Márcio Jerry: atuação discreta para evitar confronto aberto na Famem

Por orientação expressa do governador Flávio Dino, agentes do Governo não se intrometeram na disputa pelo comando da Famem. Isso não significou que seus porta-vozes políticos, a começar pelo secretário de Articulação Política, Rubens Jr., e o secretário das Cidades, Márcio Jerry, que é também presidente do PCdoB, ficassem indiferentes à movimentação dos prefeitos. Tanto Rubens Jr. quanto Márcio Jerry atuaram discretamente junto aos dois lados contra o acirramento da disputa, para evitar a transformação do pleito num confronto aberto. Visto como o mais próximo interlocutor do governador Flávio Dino, Márcio Jerry, que já foi secretário de Articulação Política e conhece o jogo em curso, conversou com Erlânio Xavier e Fábio Gentil no início da semana, fazendo aos dois um apelo para evitar o clima de confronto, ouvindo deles a promessa – cumprida em grande medida – de que não ultrapassariam os limites da civilidade política. Mais discreto, Rubens Jr. também intercedeu na mesma direção, obtendo a mesma garantia. A iniciativa ligth dos secretários, feita de maneira cuidadosa para não ser interpretada como uma intromissão, rendeu frutos. Não fosse por elas, a beligerância teria tomado conta do cenário, o que poderia desembocar numa crise política grave, obrigando o governador Flavio Dino a entrar em campo para acalmar os ânimos.

 

DESTAQUE

Com estoque de seringas e agulhas, Maranhão reúne as condições para a vacinação em massa

Flávio Dino revela estoque de seringas e Carlos Brandão, entre Rubens Jr. e Carlos Lula, anuncia Plano Estadual de Vacinação, que est´pronto

O governador Flávio Dino (PCdoB) publicou ontem nas suas redes sociais imagens de um estoque de quatro milhões de seringas e agulhas descartáveis para serem usadas na vacinação contra a Covid-19 no Maranhão. O material encontra-se estocado na Central de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos do Maranhão, podendo ser utilizado a qualquer momento. Com a informação, o governador, que está em férias e reassumirá o cargo na próxima segunda-feira (18), consolida a certeza de que o Governo está preparado para iniciar a campanha de imunização tão logo a Anvisa libere as vacinas (CoronaVac e Astrazenica) e os estoques já disponíveis sejam encaminhados aos estados.

Na mensagem, Flávio Dino informa também que o Governo do Maranhão já providenciou a compra de mais seis milhões seringas e agulhas e outros insumos necessários, de modo a assegurar que a imunização da população maranhense ocorra sem falha dentro do planejado e sem falhas.

O Maranhão é um dos poucos estados que já tem pronto um plano completo para o programa de imunização, o Plano Estadual de Vacinação. Ele foi anunciado no início da semana pelo governador em exercício Carlos Brandão e apresentado pelo secretário de Saúde, Carlos Lula, durante entrevista coletiva no Palácio dos Leões. Trata-se de um completo conjunto de regras e estratégias para dar funcionalidade operacional ao processo de imunização. Nele estão previstas a capacitação de profissionais da saúde, a logística de distribuição e armazenamento, as estratégias para a imunização, os grupos prioritários para a primeira fase da campanha e a estimativa de vacinas necessárias.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, o Maranhão iniciará a vacinação tão logo receba as primeiras doses de vacina.  Após o recebimento das doses que virão de Fortaleza para São Luís, a SES fará a distribuição, em até três dias, para as Regionais de Saúde por transporte aéreo. A previsão feita pelo secretário Carlos Lula é de que 1,7 milhão de pessoas sejam vacinadas na primeira etapa da campanha, que deve ser concluída em sete semanas.

Todos os indicativos sugerem que o Pano Estadual de Vacinação é consistente e que, baseando-se no fato de que o Maranhão está entre os estados que melhor enfrentou a pandemia, reúne todas as condições para ser bem sucedido.

São Luís, 14 de Janeiro de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *