Edivaldo Jr. inicia pré-campanha em Imperatriz tentando dar peso ao seu projeto de chegar aos Leões

 

Edivaldo Jr. com Alberto Souza entre Edilázio Jr., César Pires e Ricardo Seidel em Imperatriz, no primeiro movimento da sua pré-campanha ao Governo do Estado

O desembarque do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr., ontem, em Imperatriz, dando início à sua pré-campanha como pré-candidato do PSD, pode ser considerado um indicador de que a disputa pelo Governo do Estado, que já dá sinais de acirramento com na movimentação do senador Weverton Rocha, pré-candidato do PDT, e o vice-governador Carlos Brandão, que concorre pelo PSDB, vai ganhar forte intensidade a partir de agora. Acompanhado do presidente do PSD, deputado federal Edilázio Jr. e do seu principal operador, deputado estadual César Pires (PSD), Edivaldo Holanda Jr. começa sua maratona bem situado em pesquisas e com a certeza de que tem posição consolidada na sua principal base, São Luís. Leva na bagagem o portfólio da sua gestão de oito anos na Prefeitura da Capital, e o discurso de que está pronto para repetir a proeza em nível estadual. Antes de voar para a Região Tocantina, o pré-candidato do PSD dedicou semanas à tarefa de receber prefeitos e líderes municipais, mostrando-se animado com as conversas.

A movimentação do ex-prefeito de São Luís é um dado diferenciado da corrida aos Leões. Ele não é um outsider, está testado nas urnas depois vencer as cinco eleições que já disputou, conhece o jogo pré-eleitoral e conhece a quem está enfrentando agora, o que pode ser um diferencial importante na sua estratégia. A decisão de iniciar sua pré-campanha por Imperatriz, a partir de onde visitará mais cinco municípios da região, evidencia que o pré-candidato do PSD planejou cuidadosamente os movimentos iniciais da sua corrida às urnas e que parece determinado a não escorregar. Ele sabe que o primeiro passo é criar um suporte político com alguma consistência e que faça a ponte entre ele e o eleitorado. Essa postura é reflexo da convicção de que tem chances reais de vencer a eleição, a exemplo do que acontece com seus principais concorrentes.

Montado na experiência de quem geriu o segundo maior orçamento do estado, Edivaldo Holanda Jr. está que seus dois principais concorrentes, um senador que há tempos está na estrada que leva às urnas e um vice-governador que disputará a eleição na condição de governador e empunhando a caneta mais poderosa do Maranhão, o que os torna ossos duríssimos de roer. Certamente está programando seus passos com o máximo de realismo, uma vez que até mesmo a possibilidade de vir a ser candidato apoiado pelo MDB, por estar num partido comandado por um membro destacado da nova geração do Grupo Sarney, será um processo muito complicado, que poderá ou não dar certo.

A julgar pela pancadaria que vem agitando os bastidores das pré-campanhas de Weverton Rocha e Carlos Brandão, Edivaldo Holanda Jr., ao confirmar sua pré-candidatura, passa a ser alvo vistoso desses e dos demais pré-candidatos a governador. Eles são o deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (PSL), o secretário Simplício Araújo (Solidariedade) e, provavelmente, o senador Roberto Rocha, que ainda não tem partido nem confirmou se vai mesmo brigar pelos Leões, ou se tentará continuar no Senado, nesse caso enfrentando o governador Flávio Dino (PSB). Avesso ao confronto direto e ao pugilato verbal, Edivaldo Holanda Jr. tem ciência de que o Governo do Estado não será conquistado com a troca de gentilezas e amabilidades.

“Vamos vencer!”. A declaração feita em tom de sentença pelo deputado César Pires no início da incursão de Edivaldo Holanda Jr. após o desembarque em pode ter sido reveladora do ânimo que motiva o ex-prefeito de São Luís agora aspirante a governador. Político experimentado, César Pires certamente já mensurou o tamanho do desafio que o pré-candidato do PSD tem pela frente. Assim, pode-se avaliar que, somados, a declaração do deputado César Pires, o ambiente descontraído da visita ao presidente da Câmara Municipal da Princesa do Tocantins, Alberto Souza, e o entusiasmo do vereador Ricardo Seidel (PSD) em receber o pré-candidato a governador do seu partido, Edivaldo Holanda Jr. se tornou ontem um nome a ser considerado de fato na corrida aos Leões.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

TV Assembleia chega a mais 33 municípios e alcança milhares de maranhenses

Othelino Neto amplia raio da TV Assembleia e garante mais visibilidade ao trabalho dos deputados na Casa

A TV Assembleia, emissora do Poder Legislativo do Maranhão, que até ontem alcançava São Luís e mais seis municípios do seu entorno, teve ampliado o seu raio de abrangência para mais 33 municípios com 40 mil habitantes. A ampliação, que muda radicalmente a importância da TV Assembleia como veículo de comunicação no sentido amplo, foi anunciada pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB), durante a sessão plenária desta Quarta-Feira. A ampliação é um ganho significativo, à medida que milhares de pessoas a mais terão acesso aos trabalhos legislativos e ao conteúdo informativo e cultural pela emissora.

Com a medida, que deu efetividade a projeto que vinha sendo trabalhado com o objetivo de ampliar o seu raio de alcance, além das sessões plenárias ao vivo, em TV aberta, a TV Assembleia poderá ainda aumentar e diversificar sua programação. Com isso, fortalecerá sua capacidade como veículo informativo e também como canal de educação e entretenimento, à medida que, com o avanço na interiorização, milhares de maranhenses poderão será exibida também parte da programação da emissora de Segunda a Sexta-Feira.

A fazer o anúncio, o presidente Othelino Neto, de quem partiu a iniciativa de fortalecer a estrutura de comunicação do Poder Legislativo, assinalou: “É uma conquista de todos nós, deputados. Realmente, ganhamos muito no aspecto da transparência, pois mais pessoas, mais maranhenses poderão ter acesso, ao vivo, àquilo que é discutido e aprovado nas sessões. A gente já vem há algum tempo trabalhando para que isso aconteça e, agora, será possível”.

Responsável pela viabilização técnica do projeto de expansão, diretor de Comunicação da Assembleia Legislativa, jornalista Edwin Jinkings, a importância maior do projeto está no fato de que ele aproxima, ainda mais, o trabalho do Parlamento aos maranhenses de diferentes municípios. “Bom para os deputados, que terão mais esta ferramenta para divulgar os assuntos importantes que defendem em prol de suas bases políticas e, também, para a população que poderá acompanhar os debates da Casa do Povo”, disse.

A medida anunciada ontem pelo presidente Othelino Neto levará o conteúdo da TV Assembleia aos seguintes municípios: Imperatriz, Timon, Caxias, Codó, Açailândia, Bacabal, Balsas, Santa Inês, Barra do Corda, Pinheiro, Chapadinha, Santa Luzia do Tide, Buriticupu, Grajaú, Itapecuru-Mirim, Coroatá, Barreirinhas, Tutóia, Vargem Grande, Viana, Zé Doca, Lago da Pedra, Coelho Neto, Presidente Dutra, Araioses, São Bento, Santa Helena, Estreito, Tuntum, Bom Jardim, São Mateus do Maranhão, Amarante do Maranhão e Colinas.

 

Roberto Rocha provoca Flávio Dino com exemplo inócuo do Espírito Santo

Flávio Dino alvo de provocação de Roberto Rocha

Curiosa a provocação feita pelo senador Roberto Rocha (sem partido) ao governador Flávio Dino (PSB) no eco de um debate meio sem sentido provocado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para fugir da incapacidade do seu Governo de conter o aumento dos combustíveis. Aproveitando a onda na qual o presidente tenta carimbar os governadores com a pecha de culpados pelo fato de terem eles, por lei federal e com o aval dos legislativos estaduais, o direito de definir o valor da alíquota de ICMS que compõe o preço final dos combustíveis, o senador Roberto Rocha “desafiou” o governador Flávio Dino a “congelar” o valor da alíquota maranhense, uma das mais equilibradas do País, como fez o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB).

Sem ferir o direito do senador de se manifestar sobre o assunto do jeito que ele bem entender, vale perguntar: o que a população capixaba ganhou com o tal “congelamento”? Nada, porque o tal congelamento não alterou o preço dos combustíveis nas bombas. O governador Renato Casagrande fez um gesto inócuo e isolado e sem efeito prático imediato. E que não foi acompanhado por nenhum dos seus 26 colegas, entre eles, por exemplo, o bolsonarista mineiro Romeu Zema, que, como os demais, não parece disposto a abrir mão de um centavo de receita de ICMS incidente sobre o prelo dos combustíveis.

O problema do preço dos combustíveis no Brasil é grave e complexo, exige um debate técnico amplo com todos os segmentos envolvidos e uma tomada equilibrada de decisão do Congresso Nacional, como sugere o governador do Maranhão. Nada fora disso fará qualquer sentido, a começar pelo gesto paladino e nada produtivo do governador do Espírito Santo, e a provocação do senador Roberto Rocha ao governador Flávio Dino, destinada apenas a agitar o viés político da questão.

São Luís, 30 de Setembro de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *