Econométrica: Brandão avança e Weverton permanece estacionado e ameaçado por Lahesio

 

Carlos Brandão lidera, Weverton Rocha ameaçado por Lahesio Bonfim e Edivaldo Jr. está ficando para trás na corrida para o Palácio dos Leões

A pesquisa Econométrica sobre a corrida para o Palácio dos Leões, divulgada ontem, trouxe informações de importância decisiva para o governador Carlos Brandão (PSB), que busca a reeleição, para o senador Weverton Rocha, pré-candidato do PDT, para o ex-prefeito Lahesio Bonfim, que concorre pelo PSC, e para o candidato do PSD, Edivaldo Jr. Nesse momento, segundo o levantamento realizado pelo instituto, Carlos Brandão tem 32,5% das intenções de voto, Weverton Rocha aparece com 25,1% e Lahesio Bonfim desponta com 18,2%, seguido do ex-prefeito de São Luís e candidato do PSD Edivaldo Jr. com 9,4%, Enilton Rodrigues (PSOL) com 0.7% e Simplício Araújo (SD) com 0,3%. Uma fatia de 4,6% respondeu que votará nulo ou em branco, enquanto outros 9,3% não souberam ou não quiseram responder. Contratada pelo Blog do Gilberto Leda, a pesquisa ouviu 1.468 eleitores em 55 municípios entre 12 e 16/06. Tem margem de erro de 2,5%, para mais ou para menos, e intervalo de confiança de 95%, e está registrada na Justiça Eleitoral sob o nº MA-01129/2022.

A primeira informação decisiva e que pode representar o rumo definitivo da disputa pelo comando do Estado: o governador Carlos de Brandão rompeu a barreira do risco, alcançou 32 pontos percentuais e colocou sete pontos de vantagem sobre o senador Weverton Rocha. Com esse desempenho, alcançado no momento em que se encontra num quarto de hospital em São Paulo, recuperando-se de cirurgia no rim, enquanto os demais postulantes aproveitam sua ausência para intensificar as suas pré-campanhas, o governador Carlos Brandão deu uma mostra de que, se continuar avançando nesse ritmo, pode vislumbrar a possibilidade de liquidar a fatura em um só turno. Nas 16 pesquisas realizadas até aqui, ele foi o único que registrou crescimento, lento, mas firme, o que indica que, de volta ao Estado nos próximos dias, entrará de vez na maratona do corpo-a-corpo, com possibilidade real de manter, e até aumentar, o ritmo de crescimento na preferência do eleitorado.

A segunda informação é a de que a pesquisa trouxe péssimas notícias para o senador Weverton Rocha. Primeiro pela posição alcançada pelo governador Carlos Brandão, que parece tê-lo deixado de vez para trás. Segundo o fato de que ele não consegue sair do patamar entre 20 e 25 pontos percentuais, no qual apareceu em 14 das 17 pesquisas feitas até aqui. Sua posição começa a se tornar perigosa, uma vez que, além do distanciamento de Carlos Brandão, ela está de fato ameaçada pelo crescimento firme de Lahesio Bonfim, que agora está a apenas sete pontos percentuais de distância. Aliados de Carlos Brandão avaliam que Weverton Rocha já não representa uma ameaça grave, e apostam que, caso o governador não se reeleja no primeiro turno, poderá disputar a segunda rodada com o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes. Weverton Rocha é um político arrojado, que acredita fortemente no seu projeto de poder, mas isso é colocado sob risco extremo quando as pesquisas o mostram estacionado. Os números da Econométrica indicam que sua aliança informal com os grupos bolsonaristas e sua proximidade com o Palácio do Planalto não turbinaram sua pré-campanha. Ao contrário, podem até estar travando sua caminhada.

A terceira informação decisiva trazida à tona pela pesquisa Econométrica confirma Lahesio Bonfim como a “terceira via”, uma vez que ele conseguiu de fato se descolar de Edivaldo Jr., que empacou na zona entre nove e 12 pontos percentuais de intenções do voto. E, mais bombástico, está se aproximando perigosamente de Weverton Rocha, reduzindo a distância entre eles a sete pontos percentuais. Cristão novo na guerra pelo comando do Estado, Lahesio Bonfim vem minando a posição do senador, que assim se vê numa situação dramática, à medida que o eleitorado está se posicionando, de modo que sobram poucos votos soltos para conquistar. Nesse ritmo, não será mais surpresa se o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes vier a se credenciar como o adversário do governador Carlos Brandão numa eventual segunda volta.

Realizada a pouco mais de 100 dias das eleições, a pesquisa Econométrica pode ter colocado a corrida sucessória nos trilhos, definindo tendências e mostrando quem de fato está no jogo pelo Palácio dos Leões.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Dino mantém liderança isolada na corrida ao Senado

Flávio Dino lidera com folga sobre Roberto Rocha

A pesquisa Econométrica confirmou a liderança isolada e consistente do ex-governador Flávio Dino (PSB), com 50% das intenções de voto, enquanto o seu concorrente mais próximo, o senador Roberto Rocha (PTB), que concorre à reeleição, tem apenas 26,8%. Na sequência aparecem Pastor Bel (Agir 36) com 5,9%, Antônia Cariongo (PSOL) com 1%, e Saulo Arcangeli (PST) com 0,5%. Um contingente de 7,4% informou que votarão nulo ou em branco, e outro, formado por 8,4%, não souberam ou não quiseram responder.

Segundo a apuração do instituto Econométrica, a vantagem do ex-governador Flávio Dino sobre o senador Roberto Rocha é de 23,2 pontos percentuais. Essa distância vem se mantendo mesmo depois que o candidato do PTB passou a ser apoiado declaradamente pelo senador Weverton Rocha e seus aliados bolsonaristas em ação no Maranhão, como o chefe maior do PL bolsonarista, deputado federal Josimar de Maranhãozinho.

Na avaliação de muitos observadores, mesmo considerando o elevado grau de imprevisibilidade que normalmente movimenta uma corrida eleitoral, e também o fato de que faltam ainda três meses para as eleições, a impressão causada pelos números do Econométrica sugere que Roberto Rocha dificilmente reverterá essa tendência pró-Flávio Dino.

 

Um dia ruim para o senador Weverton Rocha

Ygor Lago

A terça-feira (28) não foi um dia bom para o senador Weverton Rocha, pré-candidato a governador pelo PDT. Não bastassem as duras acusações de que estaria dando apoio à ação governista contra a instalação da CPI da Educação e os números da pesquisa Econométrica, o senador foi fortemente alvejado pelos petardos verbais do médico Igor Lago, filho do ex-governador Jackson Lago, para quem o pré-candidato do PDT não tem credibilidade. Além de disparar contra o pedetista, Igor Lago declarou apoio à pré-candidatura do governador Carlos Brandão à reeleição.  Com o gesto, o filho de Jackson Lago se posicionou em sintonia fina com a família Lago, que fora em peso ao Palácio dos Leões declarar apoio ao governador, num claro movimento contra o presidente do PDT e o seu projeto de governar o Maranhão.

São Luís, 29 de Junho de 2022.

 

 

 

 

 

 

A pesquisa Econométrica sobre a corrida para o Palácio dos Leões, divulgada ontem, trouxe informações de importância decisiva para o governador Carlos Brandão (PSB), que busca a reeleição, para o senador Weverton Rocha, pré-candidato do PDT, para o ex-prefeito Lahesio Bonfim, que concorre pelo PSC, e para o candidato do PSD, Edivaldo Jr. Nesse momento, segundo o levantamento realizado pelo instituto, Carlos Brandão tem 32,5% das intenções de voto, Weverton Rocha aparece com 25,1% e Lahesio Bonfim desponta com 18,2%, seguido do ex-prefeito de São Luís e candidato do PSD Edivaldo Jr. com 9,4%, Enilton Rodrigues (PSOL) com 0.7% e Simplício Araújo (SD) com 0,3%. Uma fatia de 4,6% respondeu que votará nulo ou em branco, enquanto outros 9,3% não souberam ou não quiseram responder. Contratada pelo Blog do Gilberto Leda, a pesquisa ouviu 1.468 eleitores em 55 municípios entre 12 e 16/06. Tem margem de erro de 2,5%, para mais ou para menos, e intervalo de confiança de 95%, e está registrada na Justiça Eleitoral sob o nº MA-01129/2022.

A primeira informação decisiva e que pode representar o rumo definitivo da disputa pelo comando do Estado: o governador Carlos de Brandão rompeu a barreira do risco, alcançou 32 pontos percentuais e colocou sete pontos de vantagem sobre o senador Weverton Rocha. Com esse desempenho, alcançado no momento em que se encontra num quarto de hospital em São Paulo, recuperando-se de cirurgia no rim, enquanto os demais postulantes aproveitam sua ausência para intensificar as suas pré-campanhas, o governador Carlos Brandão deu uma mostra de que, se continuar avançando nesse ritmo, pode vislumbrar a possibilidade de liquidar a fatura em um só turno. Nas 16 pesquisas realizadas até aqui, ele foi o único que registrou crescimento, lento, mas firme, o que indica que, de volta ao Estado nos próximos dias, entrará de vez na maratona do corpo-a-corpo, com possibilidade real de manter, e até aumentar, o ritmo de crescimento na preferência do eleitorado.

A segunda informação é a de que a pesquisa trouxe péssimas notícias para o senador Weverton Rocha. Primeiro pela posição alcançada pelo governador Carlos Brandão, que parece tê-lo deixado de vez para trás. Segundo o fato de que ele não consegue sair do patamar entre 20 e 25 pontos percentuais, no qual apareceu em 14 das 17 pesquisas feitas até aqui. Sua posição começa a se tornar perigosa, uma vez que, além do distanciamento de Carlos Brandão, ela está de fato ameaçada pelo crescimento firme de Lahesio Bonfim, que agora está a apenas sete pontos percentuais de distância. Aliados de Carlos Brandão avaliam que Weverton Rocha já não representa uma ameaça grave, e apostam que, caso o governador não se reeleja no primeiro turno, poderá disputar a segunda rodada com o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes. Weverton Rocha é um político arrojado, que acredita fortemente no seu projeto de poder, mas isso é colocado sob risco extremo quando as pesquisas o mostram estacionado. Os números da Econométrica indicam que sua aliança informal com os grupos bolsonaristas e sua proximidade com o Palácio do Planalto não turbinaram sua pré-campanha. Ao contrário, podem até estar travando sua caminhada.

A terceira informação decisiva trazida à tona pela pesquisa Econométrica confirma Lahesio Bonfim como a “terceira via”, uma vez que ele conseguiu de fato se descolar de Edivaldo Jr., que empacou na zona entre nove e 12 pontos percentuais de intenções do voto. E, mais bombástico, está se aproximando perigosamente de Weverton Rocha, reduzindo a distância entre eles a sete pontos percentuais. Cristão novo na guerra pelo comando do Estado, Lahesio Bonfim vem minando a posição do senador, que assim se vê numa situação dramática, à medida que o eleitorado está se posicionando, de modo que sobram poucos votos soltos para conquistar. Nesse ritmo, não será mais surpresa se o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes vier a se credenciar como o adversário do governador Carlos Brandão numa eventual segunda volta.

Realizada a pouco mais de 100 dias das eleições, a pesquisa Econométrica pode ter colocado a corrida sucessória nos trilhos, definindo tendências e mostrando quem de fato está no jogo pelo Palácio dos Leões.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Dino mantem liderança isolada na corrida ao Senado

A pesquisa Econométrica confirmou a liderança isolada e consistente do ex-governador Flávio Dino (PSB), com 50% das intenções de voto, enquanto o seu concorrente mais próximo, o senador Roberto Rocha (PTB), que concorre à reeleição, tem apenas 26,8%. Na sequência aparecem Pastor Bel (Agir 36) com 5,9%, Antônia Cariongo (PSOL) com 1%, e Saulo Arcangeli (PST) com 0,5%. Um contingente de 7,4% informou que votarão nulo ou em branco, e outro, formado por 8,4%, não souberam ou não quiseram responder.

Segundo a apuração do instituto Econométrica, a vantagem do ex-governador Flávio Dino sobre o senador Roberto Rocha é de 23,2 pontos percentuais. Essa distância vem se mantendo mesmo depois que o candidato do PTB passou a ser apoiado declaradamente pelo senador Weverton Rocha e seus aliados bolsonaristas em ação no Maranhão, como o chefe maior do PL bolsonarista, deputado federal Josimar de Maranhãozinho.

Na avaliação de muitos observadores, mesmo considerando o elevado grau de imprevisibilidade que normalmente movimenta uma corrida eleitoral, e também o fato de que faltam ainda três meses para as eleições, a impressão causada pelos números do Econométrica sugere que Roberto Rocha dificilmente reverterá essa tendência pró-Flávio Dino.

 

Um dia ruim para o senador Weverton Rocha

A terça-feira (28) não foi um dia bom para o senador Weverton Rocha, pré-candidato a governador pelo PDT. Não bastassem as duras acusações de que estaria dando apoio à ação governista contra a instalação da CPI da Educação e os números da pesquisa Econométrica, o senador foi fortemente alvejado pelos petardos verbais do médico Igor Lago, filho do ex-governador Jackson Lago, para quem o pré-candidato do PDT não tem credibilidade. Além de disparar contra o pedetista, Igor Lago declarou apoio à pré-candidatura do governador Carlos Brandão à reeleição.  Com o gesto, o filho de Jackson Lago se posicionou em sintonia fina com a família Lago, que fora em peso ao Palácio dos Leões declarar apoio ao governador, num claro movimento contra o presidente do PDT e o seu projeto de governar o Maranhão.

São Luís, 29 de Junho de 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *