Corrida à Câmara Federal tem “pesos pesados” em formação e fortes candidatos à reeleição

 

Márcio Jerry, Sebastião madeira, Hildo Rocha, Rubens Jr., André Fufuca, Juscelino Filho, João Marcelo e Cléber Verde são considerados nomes certos na próxima Câmara Federal
Márcio Jerry, Sebastião madeira, Hildo Rocha, Rubens Jr., André Fufuca, Juscelino Filho, João Marcelo e Cléber Verde: considerados certos na próxima Câmara Federal

Enquanto a disputa pelo Governo do Estado permanece morna, com claros indicativos de que o governador Flávio Dino (PCdoB) caminha com segurança para a reeleição, a briga pelas duas cadeiras do Senado ganha a cada dia movimentos imprecisos, a corrida aos 18 assentos da Câmara Federal começa a ser desenhada com traços mais nítidos, sendo possível identificar candidatos que já ocupam posições destacadas e são vistos por observadores experientes como os “caras” dessa esfera da guerra pelo voto. Nelas estão aspirantes a primeiro mandato e parlamentares que estão na estrada em busca da renovação dos seus mandatos. A caça ao voto fica mais intensa com a saída dessa esfera dos deputados federais “peso pesados” como Eliziane Gama (PPS), Sarney Filho (PV), Weverton Rocha (PDT) e José Reinaldo Tavares (sem partido), que decidiram brigar pelas duas cadeiras do Senado, liberando assim quase 400 mil votos, parte dos quais será disputada por iniciantes “pesos pesados” como o ex-secretário Márcio Jerry (PCdoB), e por “pesos pesados” que buscam a reeleição, como Rubens Jr. (PCdoB), Hildo Rocha (PMDB), João Marcelo (MDB) e André Fufuca (PP).

O confuso cenário político brasileiro sugere que o Congresso Nacional tende a ganhar cada vez mais força, e que nesse contexto a Câmara Federal, que representa efetivamente o cidadão – ao contrário do Senado, que é a representação dos Estados -, caminha para ampliar o seu poder de fogo político e institucional. Isso está claro no esforço que os partidos estão concentrando para investir na eleição de deputados federais. Os caciques da polpitica brasileira sabem que agora, mais do que nunca, quem tiver maior número de deputados federais falará mais alto e dará as cartas. Assim, o time de frente dos mais de três centenas candidatos à Câmara Federal pedirá votos sabendo que, se eleito, terá peso no Planalto Central.

Não há qualquer dúvida que o candidato mais falado dessa esfera da disputa eleitoral é o jornalista Márcio Jerry, presidente estadual do PCdoB,  ex-secretário de Articulação Política e Comunicação e o mais influente membro do staf político e administrativo do governador Flávio Dino. Sua ação política intensa diuturna o tornou conhecido em todo o Maranhão, havendo que preveja que ele terá votos em tidas as regiões. Outro nome de peso, que já exerceu quatro mandatos na Câmara Federal e que tenta retornar agora é o ex-, prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira (PSDB).  Nesse time aparece também o deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que seriam candidatos a ocupar os espaços deixados por Eliziane Gama, Sarney Filho e Weverton Rocha. Nos bastidores da corrida eleitoral, o deputado estadual Bira do Pindaré (PSB), o vereador Pedro Lucas Fernandes (PTB) deve substituir ao pai, Pedro Fernandes. A briga nesse patamar se intensifica com o balsense Márcio Honaiser (PDT). E o caldo poderá entornar se nomes como Andrea Murad (MDB) e Edilázio Jr. confirmarem entrada na briga por mandatos federais.

Os “pesos pesados” com reeleição prevista são Rubens Jr. (PCdoB), que vem exercendo seu primeiro mandato federal com eficiência política, sendo considerado o destaque do seu partido. Hildo Rocha (MDB) tem marcado seu mandato propositivo e com forte atuação política, o mesmo acontecendo com o jovem o emedebista João Marcelo, apontado como um dos que devem renovar o mandato. Entre os novos, dois nomes se destacam: Juscelino Filho (DEM) e André Fufuca (PP), que tem surpreendido o meio político pela habilidade com que ocuparam amplos espaços na Câmara Federal, da qual o segundo é o atua 1º vice-presidente. E nesse contexto destaca-se ainda Cléber Verde (PRB), agora reforçado com o reforço do PRB no Maranhão, assim como Aluízio Mendes (Podemos), considerado atuante. Esse time comporta também os deputados Julião Amin (PDT e licenciado) e Deoclídes Macedo (PDT).

Nas avaliações informais e nas previsões de políticos tarimbados, os deputados federais Victor Mendes (PSD), Luana Costa (PSB), Alberto Filho (MDB), Júnior Marreca (PEN) e Zé Carlos (PT). Todos têm chance de reeleição, mas sabem que, além dos “pesos pesados”, enfrentarão candidatos que costumam surpreender, como ex-deputado tocantino Davi Alves Filho (PR).

Esse, porém, é o cenário inicial, que poderá sofrer fortes e amplas alterações durante a campanha eleitoral.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Madeira aposta alto que José Reinaldo será candidato ao Senado pelo PSDB

José Reinaldo pode mesmo desembarcar no PSDB
José Reinaldo pode mesmo desembarcar no PSDB

É forte a expectativa dentro do PSDB em relação ao ex-governador e deputado federal José Reinaldo Tavares, que poderá ingressar no partido e ser lançado candidato ao Senado. Um dos que apostam nessa possibilidade é o ex-prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira, para quem esse é o caminho que deve ser seguido pelo ex-governador. “Não existe um ambiente partidário melhor para o José Reinaldo do que o PSDB”, avalia Madeira, que acredita piamente que o ex-governador será o candidato dos tucanos, “até porque não tem nada melhor para ele”. O ponto crítico a ser superado é a relação azeda com o senador Roberto Rocha, presidente do partido e candidato a governador. José Reinaldo tem dito a interlocutores que está examinando “outras opções”, mas aliados seus observam que depois que ele rompeu com o governador Flávio Dino o seu leque de opções partidárias foi reduzido drasticamente, só lhe restando o PSDB como um caminho sem maiores problemas. “Eu espero sinceramente que o José Reinaldo venha com a gente. Será bom para ele e para nós também, pois afinal ele é uma grande liderança na política do Maranhão e tem condições de ganhar uma das cadeiras de senador”, avalia Madeira, que espera o desfecho para o início da próxima semana.

 

João Alberto acha que a corrida eleitoral só avançará depois de resolvida a situação de Lula

João Alberto: definição só depois de resolvida a situação de Lula
João Alberto: definição só depois de resolvida a situação de Lula

A corrida ao Palácio dos Leões só será deflagrada para valer quando a dramática e imprevisível do ex-presidente Lula da Silva for resolvida e o PT definir seu rumo na disputa pelo Palácio do Planalto. Antes disso, a situação permanecerá confusa e indefinida. Essa é a avaliação do senador João Alberto (MDB), uma das raposas mais experientes da política estadual e profundo conhecedor dos humores da política nacional, João Alberto acha que, mesmo tendo seus candidatos definidos, as correntes políticas estaduais vão aguardar os candidatos a presidente da República sejam efetivamente definidos. Antes disso, as candidaturas a Governos estaduais se moverão em “marcha-lenta”. No caso do Maranhão, ele vê definidas as candidaturas do governador Flávio Dino, da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) e do senador Roberto Rocha. Perguntado se a candidatura de Roseana Sarney é mesmo para valer, o senador responde, enfático: “Roseana é candidatíssima!”

São Luís, 29 de Março de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *