Carlos Brandão joga aberto e se movimenta para fortalecer seu projeto de suceder a Flávio Dino

 

Carlos brandão: atuação discreta, mas eficiente nos bastidores partidários

Além de prefeitos e vereadores eleitos, uns grupos fortalecidos e outros enfraquecidos, e muito zumzum nos bastidores dos diferentes segmentos partidários, as eleições municipais rascunharam o desenho do cenário em que vai se desenrolar a disputa pela sucessão do governador Flávio Dino (PCdoB) no pleito de 2022. Nesse contexto, alguns aspirantes a um período de inquilinato no Palácio dos Leões se esforçaram para ocupar espaço, entre eles o vice-governador Carlos Brandão (Republicanos). Discreto, avesso a exposições zoadentas e eficiente nas articulações nos bastidores, o Número 2 do Governo do Estado jogou bem na corrida às urnas e saiu do processo robustecido com um bom cacife partidário e apontado como o nome forte entre os pré-candidatos a governador. Concorrentes, entre eles o senador Weverton Rocha (PDT), o mais atuante de todos, se colocou como principal adversário, mas com o cuidado de não se declarar pré-candidato.

Carlos Brandão não está se movimentando como candidato a candidato com um projeto-solo, daqueles que surgem do nada e vão se desenvolvendo à base do “se colar…”. Seu projeto é sólido, vem sendo maturado cuidadosamente, e se sustenta, antes de mais nada, no fato de estar sendo um vice correto, útil, confiável e leal. Nos seis anos já decorridos do Governo Flávio Dino, não há registro de uma derrapada grosseira sua na condição de vice. Ao contrário, ao invés de criar problemas, foi escalado inúmeras vezes para buscar soluções, em missões internas e externas. Todas as tarefas que lhe foram dadas pelo governador foram cumpridas com eficiência e empenho. Isso inclui as inúmeras vezes em que o titular se licenciou, permitindo sua ascensão temporária ao comando do Governo e do Estado.

Sem qualquer espalhafato nem dose exagerada, o governador Flávio Dino tem sinalizado que simpatiza com o projeto do vice-governador Carlos Brandão de sucedê-lo. Na mensagem em que saudou os prefeitos eleitos e reeleitos, divulgada no dia seguinte à definição da disputa do 2º turno em São Luís, o governador disse que ele e o vice-governador estão abertos ao diálogo construtivo em busca de boas relações entre Governo e prefeituras. Ontem, foi anunciado informalmente que Flávio Dino vai tirar uns dias de folga para descansar, deixando Carlos Brandão com a tarefa de comandar o Estado e presidir o encontro de prefeitos promovido pelo próprio Governo. Diante desses sinais fortes, o vice-governador parece se movimentar confiante de que é a primeira opção do governador.

Carlos Brandão trabalha seu projeto de candidatura com uma vantagem a mais em relação aos demais aspirantes: ele possivelmente concorrerá à reeleição no cargo de governador. Esse caminho será pavimentado com a desincompatibilização de Flávio Dino para disputar a senatoria ou participar de um projeto nacional como candidato a presidente ou a vice-presidente. A condição de governador e candidato à reeleição pode alterar radicalmente o cenário da disputa, principalmente se Flávio Dino optar pelo Senado e compor a chapa encabeçada pelo seu vice. Na mais remota das hipóteses, que seria a permanência de Flávio Dino até o final do mandato, Carlos Brandão estaria bem posicionado, já que o governador certamente o apoiaria na corrida sucessória.

Ciente de que joga num terreno traiçoeiro e movediço e no qual qualquer erro pode ser fatal, o vice-governador Carlos Brandão vai plantando sementes aqui e ali, certo de que reúne as condições para ser candidato. E jogou aberto numa resposta que deu há dias durante entrevista a um programa de Rádio, quando lhe perguntaram sobre o projeto de candidatura do senador Weverton Rocha: “Tem tudo para ser candidato, depende da vontade dele. A democracia é isso, cada um tem que fazer seu trabalho. É extremamente justo, se tiver título de eleitor, condições partidárias, é legítimo. Não vejo nenhum problema”.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Operação Descalabro estaria causando sérios danos à base política de Josimar de Maranhãozinho

Josimar de Maranhãozinho

A Operação Descalabro, por meio da qual a Polícia Federal encontrou milhões em espécie em endereços ligados ao deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), dinheiro que segundo o Ministério Público Federal seria fruto de um grande esquema de desvio de recursos de emendas destinadas à Saúde em municípios, está causando um estrago considerável nas bases de sustentação do projeto de poder do parlamentar. Nos bastidores corre que os deputados federais Marreca Filho (Patriotas), Júnior Lourenço (PL) e Pastor Gildenemyr (PL) estariam procurando caminhos para deixar o bloco, o mesmo acontecendo com o deputado estadual Leonardo Sá (PL), além de vários prefeitos eleitos com o apoio de Josimar de Maranhãozinho. Antes se expondo em qualquer oportunidade balançando suas grossas pulseiras de ouro puro, Josimar de Maranhãozinho se recolheu, decidido a atuar nos bastidores para evitar que o estrago seja maior. O problema é que, segundo uma fonte do MPF, as provas encontradas pela PF na Operação Descalabro seriam robustas o suficiente para colocar Josimar de Maranhãozinho e alguns aliados dele numa encrenca de difícil solução.

 

Eduardo Braide ainda não sinalizou se vai mexer na grade de secretarias da Prefeitura

Eduardo Braide

O prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos) continua montando sua equipe, mas ainda não sinalizou se manterá a estrutura administrativa da Prefeitura como está. São 22 secretarias plenas, três secretarias extraordinárias, três autarquias, uma fundação e cinco órgãos independentes. O prefeito eleito não tratou do assunto durante a campanha – aliás, nenhum candidato manifestou a intenção de enxugar, manter ou expandir a estrutura do organograma da máquina pública da Capital. É provável que Eduardo Braide se manifeste sobre o tema nos próximos dias, assim como pode deixar para uma futura reforma administrativa depois do arrojado plano dos 100 primeiros dias.

São Luís, 23 de Dezembro de 2020.

Um comentário sobre “Carlos Brandão joga aberto e se movimenta para fortalecer seu projeto de suceder a Flávio Dino

  1. Caso Braide resolva não mexer com essa atual frade de secretarias demonstrará falta de compromisso com a sociedade já que há secretarias que na tem nenhuma relevância exceto servir de cabides de empregos para políticos, quanto as autarquias, a Coliseu é um exemplo dela que já deveria ter sido extinta, pois a função para qual foi criada que era para fazer a limpeza das ruas da cidade não existe mais, pois este serviço é terceirizado, então não justifica os milhões que são gastos com ela anualmente. O ex-prefeito Tadeu deveria tê-la extinto porque foi na gestão dele que o serviço de limpeza urbana foi terceirizado, Castelo passou ñ resolveu; e agora Edivaldo idem. Há máquina precisa ser enxugada, e isto é uma decisão que desagrada muitos, porém nem Deus agrada a todos. Sugiro ao Braide que crie um meio de ouvir sugestões de servidores, da sociedade porque quem vê de perto, enxerga melhor do que quem está distante e sabe onde preencher as lacunas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *