Candidatos já começam a definir conselheiros e estrategistas para a briga pelo voto em São Luís

 

Candidatos a prefeito de São Luís já começam a definir  conselheiros, orientadores e marqueteiros

Faltando menos de quatro meses para o embate nas urnas, a corrida à Prefeitura de São Luís já tem o elenco de candidatos praticamente definido. São 13: Eduardo Braide (Podemos), Duarte Júnior (Republicanos), Neto Evangelista (DEM), Rubens Júnior (PCdoB), Bira do Pindaré (PSB), Wellington do Curso (PSDB), Adriano Sarney (PV), Yglésio Moises (PROS), Jeisael Marx (Rede), Carlos Madeira (SD), Detinha (PL), Saulo Arcangeli (PSTU), Franklin Douglas (PSOL). Todos estão com seus projetos definidos, garantem que irão mesmo para a luta, descartam a existência de “consórcio” de candidatos governistas e, pelo menos até agora, não há sinal de que algum deles esteja pensando voltar atrás e abandonar o projeto de candidatura. Todos políticos com maior ou menor nível de traquejo em relação à guerra pelo voto, os candidatos terão o suporte e as orientações de aliados tarimbados, que cuidarão das estratégias, deixando-os livres para conquistar o eleitorado.

Eduardo Braide faz carreira-solo, como líder e orientador de si mesmo, mesmo tendo nascido em berço político. Político inteligente, elaborou, sem conselheiros ou marqueteiros, todos os passos que deu até aqui, caracterizando-se como dono do seu próprio destino político. Só confia no seu próprio taco.

Duarte Júnior é também dono do seu próprio nariz, montando solitariamente as suas próprias estratégias. Seu grande filão são as redes sociais, que ele domina como poucos, com o apoio de assessores, mas sem qualquer interferência. Nessa disputa, conta com o suporte e a experiência do vice-governador Carlos Brandão, que quer vê-lo eleito para ser um esteio forte na sua corrida ao Governo do Estado em 2022.

Nascido e crescido em berço político, Neto Evangelista tem se revelado um político hábil, que sabe os passos que deve dar. Ciente de que entrar sozinho nessa guerra pode ser um passo para o fracasso nas urnas, contará com o deputado federal e presidente estadual do DEM, Juscelino Filho, como coordenador da sua campanha, podendo contar também com o suporte e a estrutura do senador Weverton Rocha se a aliança com o PDT for confirmada, como está se desenhando.

Com um lastro de experiência de várias campanhas, inclusive uma para o Senado (2006), com resultado excelente em São Luís, Bira do Pindaré sabe tudo sobre caça ao voto em São Luís. Atua sem conselheiro influente, contando apenas com a fiel militância do PSB e simpatizantes petistas.

Rubens Júnior vai para guerra pelo voto com o amplo e forte suporte. Sua campanha será coordenada pelo presidente do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry, e terá a formulação técnica de marqueteiro. Tem personalidade, vontade própria, sabe o tamanho da sua responsabilidade como candidato do partido do governador Flávio Dino e costuma ouvir as orientações do pai, Rubens Pereira, tido no meio político como raposa tarimbada.

Wellington do Curso é ave solitária. Faz política de maneira instintiva, sem ouvir orientações de conselheiros nem ponderações de assessores ou amigos. Terá o suporte do senador Roberto Rocha, chefe maior do seu partido, mas a julgar pelos seus movimentos, fará sua campanha como as outras, tomando decisões sozinho.

Adriano Sarney em princípio fará uma campanha convencional, provavelmente com a orientação de marqueteiro, à medida que não contará com o suporte do Grupo Sarney. O guru e orientador da sua campanha será o ex-deputado federal e atual secretário de Meio Ambiente do Distrito Federal Sarney Filho, o seu principal mentor político e, dizem, pai da candidatura.

Uma das revelações da nova geração de políticos no Maranhão, Yglésio Moises é o seu próprio conselheiro, marqueteiro e orientador. Ele define as suas próprias estratégias, escolhe adversários para enfrentar e, até onde se sabe, já tem um plano de Governo pronto, que defenderá ao longo da campanha.

Jeisael Marx faz uma pré-campanha embalado por suas próprias ideias, sem o auxílio de assessores, marqueteiro ou conselheiros. Deve contar com seu próprio cacife, pretendendo fazer uma campanha apostando nas ideias que apresentará como plano pode governo.

Cristão novo na seara política, sem nunca ter participado de uma disputa, o ex-juiz federal Carlos Madeira vive a pré-campanha como um aprendizado. Na sua caminhada em direção às urnas, terá o suporte do presidente do Solidariedade, Simplício Araújo, que é suplente de deputado federal e conhece o caminho das pedras.

Detinha não é candidata de si mesma, ganhou essa condição por decisão do marido, o deputado federal Josimar de Maranhãozinho, chefe absoluto do PL no Maranhão. Todas as decisões da campanha serão tomadas por Josimar de Maranhãozinho, cujo projeto é fincar estacas políticas em São Luís visando embalar o seu projeto de ser governador.

Saulo Arcangeli é candidato de um “projeto coletivo” do PSTU, no qual segue a orientação do partido. Já participou de várias campanhas majoritárias, sempre seguindo a cartilha do partido.

Franklin Douglas foi ungido candidato do PSOL também com base num projeto coletivo. Ele tem discurso próprio, mas seguirá a linha e as orientações ao partido.

Em breve o eleitorado vai saber, pelo movimento e pelos discursos dos candidatos o resultado dos suportes, dos conselhos e das estratégias. É aguardar.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Othelino Neto e Lourival Serejo avaliam cenário institucional e reforçam convivência harmônica

Othelino Neto (centro) troca impressões com Lourival Serejo, oboservado por

O uso de máscara e o distanciamento físico, ambos necessários como cuidados básicos em meio à pandemia do novo coronavírus não foram obstáculos uma demonstração de que os Poderes Legislativo e Judiciário maranhenses convivem dentro dos princípios básicos da democracia em vigor no País. Aconteceu durante uma visita de cortesia que o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PCdoB) fez ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Lourival Serejo. O encontro entre os dois chefes de Poder se deu dentro dos padrões formais, mas foi marcado também pelo posicionamento de ambos em defasa das instituições e do estado democrático de direito, especialmente no momento de instabilidade política e de crise institucional por que passa o Brasil

Baseado na concepção de que os Poderes do Estado não podem ser instituições distantes, ainda que tenham funções e naturezas diferentes, o presidente Othelino Neto tomo a iniciativa de visitar o presidente Lourival Serejo. Para ele, Legislativo, Judiciário e Executivo se completam. Daí a necessidade de convivência harmônica entre os seus dirigentes, que assim podem estabelecer diálogo produtivo sobre o cumprimento da Constituição do Estado.

– Vim reafirmar ao desembargador Lourival que a Assembleia está de portas abertas para discutirmos os temas em comum aos Poderes e de interesse da sociedade maranhense, assim como para receber e apreciar projetos de lei que visem à melhoria, cada vez mais, do funcionamento do Judiciário – declarou Othelino Neto justificando a visita, que fez acompanhado do procurador-geral do Poder Legislativo, Tarcísio Araújo.

Na avaliação do desembargador Lourival Serejo, o encontro com o chefe do parlamento estadual reforça um elemento comum de atuação entre o Legislativo e o Judiciário, que é trabalhar pelo bem da população, um na seara política e o outro no campo judicial.

– Essa disposição do presidente Othelino em fazer essa visita é uma demonstração pública da harmonia em que os nossos poderes estão atuando. É muito importante mostrar à população que estamos unidos. No momento de instabilidade política em que vivemos, é seguro para a população saber que os seus direitos serão garantidos pela Justiça, bem como os seus interesses políticos estão sendo permanentemente atendidos pelo Legislativo do Maranhão – destacou o presidente do TJ.

A visita e o tom da conversa mostraram que o deputado Othelino Neto e o desembargador Lourival Serejo têm plena consciência das tensões que movem as instituições federais neste momento.

 

Edivaldo Júnior: longe da disputa até o período das convenções

Edivaldo Holanda Júnior. acompanhado da primeira-dama Camila Holanda: prioridade agora é tocar obras de pavimentação e infraestrutura em São Luís

Engana-se quem pensa que o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) vai antecipar seu envolvimento declarado na corrida para sua sucessão. Ele só pretende se manifestar sobre o assunto no período das convenções que definirão os candidatos. Dois sinais, no entanto, já são visíveis. O primeiro é que ele não demonstra um naco de simpatia pela aliança do PDT com o DEM em torno de Neto Evangelista. E o segundo é que ele parece inclinado a trilhar o caminho que for traçado pelo governador Flávio Dino, podendo até mesmo não tomar partido no primeiro turno. O fato é que por mais algum tempo não se saberá quem será o dono do apoio do prefeito Edivaldo Holanda Júnior.

São Luís, 24 de Julho de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *