Câmara Federal: Baleia Rossi chega hoje a São Luís atrás de votos na bancada maranhense

 

Baleia Rossi (c) no lançamento d sua candidatura, apoiado por João Marcelo (d)

A exemplo do que fez há 10 dias o deputado alagoano Arthur Lira (PP), que visitou o governador em exercício Carlos Brandão (Republicanos) e o prefeito Eduardo Braide (Podemos), o deputado paulista Baleia Rossi (MDB) desembarca hoje em São Luís em busca de votos na dura e ainda indefinida disputa para a presidência da Câmara Federal. O emedebista, que preside nacionalmente o seu partido, fará o mesmo roteiro, no Palácio dos Leões se reunirá com o governador Flávio Dino (PCdoB), por volta das 16 horas, de onde seguirá para um encontro com o prefeito Eduardo Braide, no Palácio de la Ravardière, e depois para uma conversa com a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), na Península. Baleia Rossi, que preside nacionalmente o MDB, vem ao Maranhão atrás dos votos indefinidos, para reverter a tendência no momento favorável ao bolsonarista Arthur Lira, na bancada maranhense.

No momento, a bancada maranhense está dividida em três grupos em relação à disputa pelo comando da Câmara Federal. Estão fechados com Arthur Lira os deputados Edilázio Jr. (PSD), Aluísio Mendes (PSC), Juscelino Filho (DEM), Gil Cutrim (PDT), André Fufuca (PP), Cléber Verde (Republicanos) e Pastor Gildenemyr (PL). Com Baleia Rossi estão João Marcelo (MDB), Hildo Rocha (MDB), Márcio Jerry (PCdoB), Rubens Jr. (PCdoB) e Bira do Pindaré (PSB). Encontram-se ainda sobre o muro os deputados Zé Carlos (PT), Pedro Lucas (PTB), Josimar de Maranhãozinho (PL), Júnior Lourenço (PL), Marreca Filho (Patriotas) e Josivaldo JP (PHS).

Candidato de um movimento articulado pelo atual presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ), Baleia Rossi já tem o apoio declarado do PCdoB, tanto que os deputados federais Márcio Jerry e Rubens Jr., recém nomeados secretários de Cidades e Articulação Política, respectivamente, retornarão momentaneamente à Câmara Federal para honrar o compromisso do partido com o candidato emedebista. Na conversa com o governador Flávio Dino, pedirá o seu apoio no sentido de conseguir os votos dos deputados Zé Carlos, Pedro Lucas, Josimar de Maranhãozinho, Marreca Filho e Júnior Lourenço, o que, em caso positivo, lhe dará maioria na bancada maranhense. Pretende também conquistar o voto do ainda indefinido deputado Josivaldo JP, que ganhou a cadeira com a renúncia de Eduardo Braide, para assumir a Prefeitura de São Luís. Na visita a Roseana Sarney, Baleia Rossi pedirá o seu apoio para reverter o voto do deputado Edilázio Jr., que já se declarou eleitor de Arthur Lira.

Se conseguir tirar do muro o petista Zé Carlos, que resiste seguir a decisão do PT de apoiá-lo, bem como o petebista Pedro Lucas Fernandes, cujo partido, o PTB, tende a apoiar o candidato bolsonarista, Baleia Rossi sairá de São Luís empatado com Arthur Lira na bancada maranhenses, restando os três votos controlados por Josimar de Maranhãozinho. No meio político e fora dele ninguém duvida que Marreca Filho e Júnior Lourenço votarão em quem o chefe do PL determinar. Do grupo de Josimar de Maranhãozinho, somente o Pastor Gildenemyr (PL), que é o mais independente deles, por ter sua base no eleitorado evangélico, já definiu posição, tendo declarado voto a Arthur Lira.

A incursão eleitoral do deputado Baleia Rossi em São Luís não significa que a bancada venha a se definir por inteiro. O   deputado João Marcelo, que além de eleitor está na linha de frente da campanha de Baleia Rossi, acredita que o emedebista sairá de São Luís levando na bagagem a certeza de que terá maioria de votos na bancada maranhense, sem precisar o tamanho dessa maioria. Já na avaliação de um apoiador de Arthur Lira, que preferiu o anonimato, o mais provável é que, com o apoio do governador Flávio Dino, Baleia Rossi atraia os votos do petista Zé Carlos e do petebista Pedro Lucas Fernandes, zerando o jogo. No caso, ficarão soltos, por enquanto, os três votos do grupo de Josimar de Maranhãozinho e o de Josivaldo JP, que naturalmente usará o seu voto para ganhar alguma musculatura na Câmara Federal.

Vale registrar que também concorrem à sucessão do presidente Rodrigo Maia, sem qualquer chance de vitória, mas criando a possibilidade de levar a eleição para dois turnos, os deputados Marcel Van Hattem (Novo-RS), André Janones (Avante-MG), Capitão Augusto (PL-SP), Fábio Ramalho (MDB-MG), Alexandre Frota (PSDB-SP) e Luiza Erundina (PSOL-SP).

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Partidários de Eudes Sampaio dizem que Júlio Matos não está garantido no cargo

Júlio Matos pode cair, dizem partidário de Eudes Sampaio

Partidários do ex-prefeito Eudes Sampaio (PTB) garantem que, mesmo com a diplomação e posse de Júlio Matos (PL), a disputa para a prefeitura de São José de Ribamar ainda não chegou ao fim. Eles garantem que ele assumiu sem condições legais, por estar inelegível e que perderá o cargo em no máximo seis meses, tempo que estimam para que a contestação da sua eleição seja examinada e decidida pela Justiça Eleitoral.

Júlio Matos foi tornado inelegível há mais de oito anos e seus direitos políticos ainda estavam suspensos quando ele se candidatou a prefeito, garantido por uma decisão favorável do Tribunal de Cintas do Estado, que reviu o processo e o inocentou, ato que foi considerado ilegal pelo Tribunal de Justiça. Seus advogados, porém, garantem que ele concorreu em situação legal, garantido por decisão judicial, e não há como reverter sua eleição, que ele venceu com vantagem incontestável.

Adversários do prefeito, por sua vez, afirmam categoricamente que ele não poderia ter concorrido e estão demonstrando isso na impugnação da sua candidatura e na ilegalidade da sua eleição. Esse grupo está convencido de que a cassação do diploma do prefeito Júlio Matos é apenas uma questão de tempo. A expectativa desses partidários é que cedo ou tarde o ex-prefeito Eudes Sampaio, que perdeu feio nas urnas, voltará ao comando da Prefeitura de São José de Ribamar, que já é o terceiro maior município do maranhão em população.

A verdade é que na Cidade do Padroeiro ninguém tem certeza de nada. Júlio Matos ganhou no voto, foi diplomado, tomou posse e tenta exercer seu o mandato sem pressões, mas sem convicção absoluta cumprirá o mandato até o fim. O mesmo acontece com Eudes Sampaio, que perdeu no voto, contestou a candidatura de Júlio matos e não tem certeza de que vencerá na Justiça.

Para um expert em legislação eleitoral, se Júlio Matos cair, o caminho provável é que a Justiça Eleitoral realize nova eleição, como aconteceu em Bacabal, onde o prefeito Zé Vieira (PR) venceu a eleição contra o deputado Roberto Costa (MDB), assumiu, mas teve seu registro contestado e cassado pela Justiça Eleitoral, tendo o presidente da Câmara, Edvan Brandão, assumiu a Prefeitura e concorreu à reeleição, ganhando mais quatro anos.

 

Yglésio Moyses denuncia médicos furando fila na vacinação contra a Covid-19

Yglésio Moyses usou o Twitter dispara contra médios que furam a fila da vacinação

Se nada tivesse realizado como deputado-presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, a iniciativa política do deputado Yglésio Moyses (PROS) de denunciar, ontem, em tem indignado, que médicos que não estão na linha de frente do combate ao coronavírus, estejam sendo imunizados em São Luís, de maneira vergonhosa, já seria suficiente para justificar o mandato. Além dos profissionais dos mais diferentes ramos da Medicina, incluindo a Odontologia, flagrados no uso do privilégio indevido, a metralhadora ética do parlamentar, que é médico e advogado, pode ter alvejado também os critérios adotados pela Prefeitura de São Luís, dentro da ordem de prioridades definida pelo Ministério da Saúde e respeitada em todo o país, apesar de alguns raros desvios.

De uma só tacada, o parlamentar atirou nos médicos incorretamente beneficiados e acertou na Secretaria Municipal de Saúde, no Conselho Regional de Medicina e no Conselho Regional de Odontologia. Em dois posts no Twitter, Yglésio Moyses acusa esses colegas seus de “furar fila”. “Sinto vergonha em ver médicos que só atendem em consultório, ex-dono de hospital, ginecologista de consultório e aposentados de hospital dando aquele velho ‘jeitinho brasileiro’. Uma verdadeira falta de respeito”, declarou, escreveu o parlamentar, sem esconder sua indignação como deputado e médico.

Até onde a Coluna alcançou, a Secretaria Municipal de Saúde preferiu ignorar a denúncia e o Conselho Regional de Medicina manteve silêncio. Apenas o Conselho Regional de Odontologia reagiu com uma nota sem eira nem beira e que foi alvo de uma dura tréplica do deputado, que chamou o presidente do CRO de incompetente e despreparado.

O deputado Yglésio Moyses deixou muito claro nas suas manifestações que vai continuar atento em relação a tudo de errado que disser respeito ao combate à pandemia do coronavírus, a começar pela vacinação.

São Luís, 22 de Janeiro de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *