Brandão e Weverton entram em semana decisiva pela vaga de candidato da base governista

 

Carlos Brandão e Weverton Rocha na reta final para a decisão do grupo sobre quem será o candidato ao Palácio dos Leões

O vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT) iniciam nesta segunda-feira (24) a contagem regressiva para a reunião do dia 31, na qual, sob a liderança do governador Flávio Dino (PSB), dirigentes partidários da aliança governista decidirão quem dos dois será o candidato do grupo ao Palácio dos Leões. Os dois pré-candidatos vêm se movimentando intensamente em busca de apoio na seara político-partidária, e entram na reta final cacifados, cada um ao seu modo, confiante de que será o escolhido. Carlos Brandão terminou a semana com um pé no PSB, o que, se confirmado, aumentará expressivamente o seu poder de fogo, a começar por uma aliança com o PT. Weverton Rocha, por sua vez, ganhou um candidato a presidente do seu partido, Ciro Gomes (PDT), mas viu ficar mais afastada a possibilidade de montar dois palanques presidenciais, um com seu colega de partido e outro com ninguém menos que o líder petista Lula da Silva. As apostas são elevadas nos dois campos, as especulações correm freneticamente, e o fato é que Carlos Brandão está otimista, e Weverton Rocha exibe confiança.

O vice-governador Carlos Brandão entra na contagem regressiva como o nome apoiado pelo governador Flávio Dino, por seis partidos da base, por maior número de deputados federais, por mais da metade dos 42 integrantes da Assembleia Legislativa e de várias dezenas de prefeitos. Todas as informações indicam que ele está a um passo do PSB, para onde deve migrar nos próximos dias, com o aval dos comandos estadual e nacional do partido, conforme declaração enfática do presidente da agremiação socialista, deputado federal Bira do Pindaré. E para fechar a semana, Carlos Brandão se reuniu na quinta-feira com líderes do PT, dando um passo decisivo para receber o apoio da agremiação e do ex-presidente Lula da Silva. Isso sem contar o fato de que será o governador titular a partir de abril, passando a brigar pela reeleição.

Por seu turno, o senador Weverton Rocha, além do apoio do seu partido, se mantém na corrida pela vaga de candidato governista com o suporte de líder nas pesquisas de opinião feitas até aqui, respaldado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania), por um expressivo número de deputados federais, por cerca de 13 deputados estaduais – entre eles o presidente da Assembleia Legislativa, Othelino Neto (PCdoB) – e por pelo menos 60 prefeitos, incluindo o presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT), homem forte do seu projeto. Weverton Rocha trabalha para receber o apoio do PT e fazer uma dobradinha com o ex-presidente Lula da Silva, que manifestou intenção de apoiá-lo diante do fato de o vice-governador Carlos Brandão pertencer ao PSDB. Chega ao momento da escolha embalado por uma pré-campanha forte.

Além da condição de vice-governador alinhado com o governador e conhecedor profundo do Governo em andamento, Carlos Brandão tem afirmado que, se eleito, dará continuidade aos programas em andamento, acrescentando que está elaborando um plano de Governo que prevê a atração de investimento em industrialização e no incremento do turismo como fatores de geração de emprego e renda. Senador no meio do primeiro mandato, Weverton Rocha adotou um discurso afirmando que pretende ir além do atual Governo, com foco no incentivo à industrialização e na exploração do potencial turístico do estado, de modo a tornar o Maranhão “mais feliz”. Nenhum dos dois apresentou ainda detalhes do seu plano de governo.

Na sua edição deste domingo, o Jornal Pequeno estampa em manchete a informação de que Carlos Brandão fechou acordo para ingressar no PSB, o que, se confirmado, pode levá-lo a selar acordo também com o PT. Na mesma edição, o JP informa que Weverton Rocha se movimenta confiante de que, mesmo com a candidatura de Ciro Gomes, poderá firmar aliança com o PT.

A semana que começa poderá, portanto, registrar acertos políticos com poder de nortear decisivamente a corrida ao Governo do Estado no âmbito da aliança comandada pelo governador Flávio Dino que, ao contrário do que seus adversários tentaram fazer crer, está mais firme do que nunca na liderança do processo sucessório.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Edivaldo Jr. vai mudar estratégia de campanha em fevereiro

Edivaldo Holanda Jr. com Edilázio Jr. e César Pires: ajustes na pré-campanha do PSD

O pré-candidato do PSD ao Palácio dos Leões, Edivaldo Holanda Jr. deve dar uma guinada radical na sua pré-campanha no início de fevereiro. Os ajustes nos seus movimentos em busca de votos serão feitos com base no que for decidido no campo governista na reunião do dia 31. Edivaldo Jr. e seus conselheiros estão definindo estratégias diferentes. Se o candidato for o vice-governador Carlos Brandão, ele terá um discurso, que mudará de tom e conteúdo se o escolhido for Weverton Rocha. A situação ficará delicada para ele se não houver acordo e os dois sigam em frente para medir forças nas urnas. Nesse caso, o pré-candidato do PSD terá de usar muita habilidade política e recursos discursivos para chegar ao segundo turno. Isso porque, além dos pré-candidatos governistas, que estão na dianteira, há os candidatos de oposição, como o prefeito Lahesio Bonfim (Agir36), o deputado federal Josimar de Maranhão (PL) – que continua se dizendo pré-candidato – e o senador Roberto Rocha (sem partido), que ainda não se decidiu, mas é um potencial candidato ao Governo. É mais ou menos a situação do “se ficar o bicho pega, se correr o bicho come”.

 

Governo Dino avança com vários recordes

O governador Flávio Dino, o prefeito Hilton Gonçalo e o secretário Marcio Honaiser na inauguração do Restaurante Popular de Santa Rita: ampliando a rede e o recorde

Com 67 restaurantes populares espalhados pelo Maranhão, o governador Flávio Dino passa a liderar, proporcionalmente, o ranking do maior programa de segurança alimentar do País na atualidade. Ele recebeu o programa com seis unidades e o multiplicou por uma dezena, e com o cuidado de levar o benefício a municípios estratégicos. A mesma estratégia foi usada para a implantação do serviço de hemodiálise, cujo número de aparelhos saltou de 30 para 300 no atual governo, reduzindo drasticamente a dolorosa romaria diária de centenas de maranhenses. Outro recorde é o número de Escolas Dignas, que já passou de mil e cem. São números para os quais torcem seus narizes os que não simpatizam com o Governo, mas que não há como não reconhecer, porque são fatos.

São Luís, 23 de Janeiro de 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *