Braide entra no jogo eleitoral, declara apoio a Roberto Rocha e diz que grupo decidirá candidato aos Leões

Com gestão sob controle, apesar dos problemas,  Eduardo Braide entra na guerra eleitoral

Bem antes do que muitos imaginavam, o prefeito de São Luís, Eduardo Braide (sem partido), começou a se posicionar em relação à corrida eleitoral do ano que vem, declarando apoio à pré-candidatura do senador Roberto Rocha (PTB) à reeleição. E o fez ontem, durante entrevista à TV Mirante, durante a qual disse também que ainda não tem definido o nome que apoiará para o Governo do Estado, mas avisando que essa tomada de posição será feita pelo grupo que o apoiou na corrida à Prefeitura, sem, no entanto, identifica-lo. Com esse movimento, o prefeito do maior e mais importante colégio eleitoral do Maranhão, sai da chamada zona de conforto, para entrar na disputa eleitoral. Sem partido político desde que deixou o Podemos, em fevereiro, Eduardo Braide deve ter uma atuação personalizada, o que está dentro do script que ele rascunhou desde que assumiu o comando administrativo da Capital, em janeiro de 2021.  E pelo que corre nos labirintos das especulações, o prefeito de São Luís tende a apoiar a pré-candidatura do senador Weverton Rocha (PDT), que após o fracasso do seu candidato, deputado Neto Evangelista, que concorreu pelo DEM, apoiou sua candidatura no 2º turno, contra o deputado estadual Duarte Jr., que concorreu pelo Republicanos.

A explicação para o apoio ao projeto de reeleição do senador Roberto Rocha vai muito além do argumento que o parlamentar tem apoiado sua gestão com recursos federais. O motivo principal está no fato de que ele mantém o ex-governador Flávio Dino (PSB), pré-candidato ao Senado, entre os primeiros na sua cota de desafetos políticos. O deputado estadual Eduardo Braide foi líder do Governo Flávio Dino na Assembleia Legislativa – um líder atuante, diga-se -, mas rompeu com o governador quando ele decidiu apoiar o projeto de reeleição do então prefeito Edivaldo Holanda Jr., então filiado ao PDT, em 2016, tendo concorrido, sem conseguir eleger-se. Em 2018, pressionado para ser candidato a governador contra Flávio Dino (PCdoB), o então deputado se elegeu deputado federal com mais de 180 mil votos, a maioria em São Luís, sendo o segundo mais votado.

A eleição contundente para a Câmara Federal credenciou Eduardo Braide para a disputa da Prefeitura de São Luís em 2020. Favorito desde as primeiras pesquisas, ele teve como principal oponente o deputado estadual Duarte Jr., que disputou pelo Republicanos, então o partido do vice-governador Carlos Brandão e apoiado pelo deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL). Eduardo Braide venceu no 1º e no 2º turno, numa campanha que o afastou muito do vice-governador e o levou ao rompimento definitivo com o então governador Flávio Dino. Vem daí a motivação política do seu anunciado apoio ao projeto de reeleição do senador Roberto Rocha.

A posição do prefeito de São Luís é aguardada com expectativa, mais do grupo que espera o apoio do que pelo grupo que considera adversário. Se prevalecer a lógica, a tendência do prefeito é declarar apoio ao senador Weverton Rocha. Mas chamou a atenção o fato der que na entrevista de ontem Eduardo Braide não ter citado o senador Weverton Rocha como apoiador da sua gestão com verbas federais. Mesmo assim, é difícil imaginar o prefeito declarando apoio ao seu antecessor, Edivaldo Holanda Jr. (PSD), a quem fez ontem uma crítica indireta ao avaliar como “malfeita” a nova licitação para os transportes coletivos da Capital. É, em escala mais ampla, a mesma situação em relação ao governador Carlos Brandão, que foi o principal apoiador de Duarte Jr. que, até onde se sabe, será o seu grande adversário na disputa pela Prefeitura em 2024.

Mas como em política o imprevisível costuma surpreender, não dá para confirmar uma tendência. Ou seja, só o prefeito de São Luís dirá o nome que quer no palácio vizinho.

 

 PONTO & CONTRAPONTO

 

Duas informações chamaram a atenção na pesquisa Datafolha sobre a corrida presidencial

Lula da Silva amplia vantagem sobre Jair Bolsonaro, que pode tumultuar processo eleitoral

A primeira, claro, é a ampliação da vantagem do ex-presidente Lula da Silva (PT), que tem 48% das intenções de voto, sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL), pré-candidato à reeleição, que aparece com 27%, situação que lhe dá 58% contra 33% num eventual 2° turno.

A outra informação é altamente positiva, mas traz com ela uma nuvem de preocupação. O Datafolha quis saber o que os brasileiros pensam da urna eletrônica. Nada menos que 78% responderam que aprovam. Só que em pesquisa anterior, os que aprovavam somavam 85%. Ou seja, a estratégia criminosa do presidente Jair Bolsonaro de tentar minar a credibilidade do sistema de votação brasileiro vem ganhando adeptos, podendo dar a ele o argumento que precisa para tumultuar o processo.

 

Mulheres se mobilizam por mais participação na política

Eliziane Gama, Márcio Jerry e Clay Lago participaram do seminário de ontem, na Assembleia Legislativa

São Luís será palco hoje de uma grande mobilização convocada pela Frente Maranhense de Mulheres na Política com o objetivo de estimular mulheres a participarem da vida política do estado e do processo eleitoral, candidatando-se principalmente a cadeiras nos parlamentos estadual e federal. O movimento foi iniciado ontem com um seminário realizado com o apoio da Assembleia Legislativa sobre o tema “Mais Mulheres na Política”. Na caminhada de hoje, as mulheres lançarão uma Carta Aberta aos Maranhenses.

Ontem, o movimento realizou o seminário “Seminário Estadual Mais Mulheres na Política”, no auditório “Neiva Moreira”, da Assembleia Legislativa, que apoia a iniciativa. No seminário, as participantes discutiram termas como “Mulheres na Política”, “Mais Mulheres na Política”, Mais Mulheres nas democracias” e mais Mulheres das eleições”. Na sua fala, a senadora Eliziane Gama (Cidadanias), criadora da Frente Maranhense Mais Mulheres na Política, defendeu esforços para que as mulheres, que hoje representam apenas 14% dos detentores de mandato no país, avancem para alcançar a paridade, ou seja, 50% nas casas legislativas.

Hoje, uma caminhada saindo da Praça Deodoro, reunirá centenas de mulheres em favor do movimento, que se deslocarão para a Rua Grande até a praça João Lisboa. Na caminhada, as integrantes do movimento tentarão convencer mulheres indecisas a participarem ativamente da vida política da sua cidade, do estado e do País. O movimento pretende estimular mulheres a se filiarem a partidos políticos e, se possível, se candidatarem às eleições do ano.

São Luís, 28 de Maio de 2022.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *