Ludovicenses vão decidir o futuro imediato de São Luís entre Eduardo Braide e Duarte Jr. Júnior  

 

Eduardo Braide e Duarte Jr. travaram debate de bom nível, mesmo com ataques

Os 699 mil eleitores de São Luís, que representam mais da metade dos seus 1,1 milhão de habitantes, têm, neste Domingo (29), uma decisão difícil para tomar nas urnas: escolher o novo prefeito da Capital entre o deputado federal Eduardo Braide (Podemos) e o deputado estadual Duarte Júnior (Republicanos), que foram mandados para o 2º turno como os mais votados entre os 10 candidatos que participaram do 1º turno. São dois políticos jovens, de origens diferentes e com personalidades distintas, distanciados também no que diz respeito aos campos partidários nos quais militam. Eduardo Braide é candidato assumido desde fevereiro de 2019, quando assumiu mandato de deputado federal com uma avalanche de votos na cidade. Duarte Júnior está em campanha desde 2019, quando assumiu seu mandato de deputado estadual, tendo sido o candidato mais votado na Capital. Os dois fizeram campanhas politicamente corretas no campo das propostas, mas também com uma face pouco saudável na troca de acusações. Bons de voto, chegam ao ponto final politicamente legitimados, tecnicamente qualificados e moralmente autorizados.

Eduardo Braide, 44 anos, é advogado e tem como marca a ação calculada, bem pensada. Entrou na vida pública pelas mãos do pai, o ex-deputado Carlos Braide, que presidiu a Assembleia Legislativa na década de 1980. Com pouco mais de 30 anos, Eduardo Braide presidiu a Caema por 14 meses no Governo de José Reinaldo Tavares, e depois foi secretário de Orçamento Participativo da Prefeitura de São Luís na gestão de João Castelo (PSDB), somando dois anos e meio de experiência administrativa plena. No campo parlamentar, se elegeu deputado estadual em 2010 e se reelegeu em 2014, tendo sido líder do Governo Flávio Dino na Assembleia Legislativa. Filiado ao PMN, rompeu com o governador Flávio Dino para ser candidato a prefeito de São Luís em 2016 contra o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), que se reelegeu. Em 2018 Eduardo Braide se elegeu deputado federal com mais de 140 mil votos em São Luís.

No campo político, Eduardo Braide atua de maneira independente e faz oposição ao Governo Flávio Dino. Como candidato a prefeito, conseguiu juntar, no 1º turno, o PSDB, comandado pelo senador Roberto Rocha e as três correntes remanescentes do Grupo Sarney: o MDB, liderado pelo deputado Roberto Costa; o PSD, presidido pelo deputado federal Edilázio Júnior; e o PSC, controlado pelo deputado federal Aluízio Mendes. No 2º turno, além desses, ganhou o apoio do DEM, que teve como candidato o deputado estadual Neto Evangelista, e de parte do PDT, com o incentivo discreto, mas efetivo, do senador Weverton Rocha, que se declarou neutro. Se eleito, Eduardo Braide contará com o suporte do Governo Bolsonaro, e do apoio político desses segmentos, que lhe podem abrir portas em Brasília, mas que representam a base da oposição ao governador Flávio Dino.

Duarte Júnior, 34 anos, é advogado e professor de Direito, tendo como marca a ousadia, a disposição para enfrentar desafios. Entrou na vida pública com menos de 30 anos pelas mãos do atual secretário Felipe Camarão (Educação), ganhando o comando do Procon, onde fez uma revolução, tornando-o um órgão de fiscalização, estadualizado, atuante e eficiente. Diante do seu desempenho surpreendente, o governador Flávio Dino entregou-lhe também o Viva Cidadão. Ali, Duarte Júnior fez outra revolução: modernizou o órgão, melhorou a qualidade dos serviços e os levou a dezenas de municípios. Aplaudida por muitos e criticada por alguns, que o acusam de ser midiático, sua atuação à frente do Procon-Viva Cidadão, levada ao conhecimento de milhares e milhares pelo uso inteligente que ele faz das redes sociais, o cacifou como deputado estadual eleito em 2018 pelo PCdoB com a segunda maior votação, sendo que foi  a maior votação dada a um candidato a deputado estadual em São Luís.

Na seara política, Duarte Júnior é integrante destacado do grupo mais próximo do governador Flávio Dino. Iniciou vida partidária no PCdoB, pelo qual se elegeu deputado estadual. Na Assembleia Legislativa, teve atuação marcada por confrontos, exatamente por haver enfrentado “medalhões” da Casa, como o deputado César Pires (PV), por exemplo, e Neto Evangelista (DEM), que se tornou seu inimigo visceral durante a campanha do 1º turno. Duarte Júnior tentou ser candidato pelo PCdoB, mas o deputado federal Rubens Júnior já estava escalado. Conseguiu autorização para deixar o partido e ingressou no Republicanos com o aval do vice-governador Carlos Brandão e o apoio do governador Flávio Dino, que ficou de fora no 1º, apoiando discretamente o candidato do PCdoB. Agora, conta com o apoio aberto e expresso do ex-candidato do PSB, deputado federal Bira do Pindaré e o do governador Flávio Dino, que assumiu seu voto e fez campanha aberta. Se chegar ao Palácio de la Ravardière, terá portas abertas no Palácio dos Leões.

Com Eduardo Braide, São Luís terá uma gestão ajustada, centralizada, com o prefeito tendo o pleno controle da máquina e com foco na Saúde. Com Duarte Júnior, a Capital viverá um período de intensa movimentação, inovação, com foco na prestação de serviços.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Debate na TV Mirante: Braide e Duarte Jr. travaram o melhor combate de toda a campanha

Depois do confronto, o afago das esposas, sob o olhar do mediador Clóvis Cabalau

Eduardo Braide (Podemos) e Duarte Júnior (Republicanos) travaram ontem, na TV Mirante, horas depois de a emissora haver divulgado pesquisa do Ibope dando 50% de intenções de voto para o primeiro e 42% para o segundo, o melhor embate dos realizados na campanha do 2º turno. Mais descontraídos e mais propositivos do que nos outros encontros, os dois candidatos discutiram propostas e trocaram farpas, mas nada do que não já tivesse sido dito um ao outro. Eduardo Braide manteve a serenidade de sempre. Duarte Júnior exercitou sua ousadia mais uma vez. Ambos reafirmaram suas propostas, e mantiveram a linha mesmo nos momentos de maior tensão. Nenhuma palavra ofensiva além do adjetivo “mentiroso” foi pronunciada. Os dois mostraram que estão preparados para comandar a maior e mais importante cidade do Maranhão.

Sobre as proposições para Saúde, Educação, Transporte Público, Infraestrutura e Cultura, os candidatos repetiram integralmente as propostas apresentadas durante a campanha. Eduardo Braide foi mais conservador e menos impetuoso, cuidando de passar uma imagem de equilíbrio e confiança, reforçando a imagem de benfeitor na área de Saúde, principalmente como parlamentar. Duarte Júnior foi mais impetuoso, fez um discurso mais inovador e não tergiversou, passando mais segurança do que nos debates anteriores, usando muito bem o lastro que construiu no Procon/Viva Cidadão, onde indiscutivelmente deixou uma marca forte como gestor.

Os dois coincidiram num ponto crucial. Eduardo Braide disse que se eleito for procurará o Governo do Estado e o Governo Federal em busca de parcerias. Duarte Júnior disse a mesma coisa, com a diferença de que fez questão de ressaltar a aliança que já mantém com o governador Flávio Dino, e avisou que vai usar todos caminhos, incluindo o canal do seu partido, o Republicanos, para chegar às fontes de recursos do Governo Federal.

Enfim, os dois candidatos deram seus recados da melhor maneira possível, coroando uma das campanhas mais emocionadas à Prefeitura de São Luís nos últimos tempos.

Em Tempo: O debate da TV Mirante foi bem sucedido. Bem planejado, deu espaço para os candidatos se enfrentarem sem restrições. E com o detalhe: o jornalista Clóvis Cabalau fez a mediação com segurança e eficiência, tornando definitivamente desnecessária a presença de medalhões globais para comandar esses eventos.

 

Gestão de Edivaldo Holanda Jr. é criticada por candidatos, mas ele faz de conta que não ouve

Poupada durante a campanha do 1º turno e em parte do 2º turno, a gestão do prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT) foi alvo de pancadaria verbal por parte de Eduardo Braide e Duarte Jr.. Não foram críticas  agressivas. Foram observações duras sobre a situação das quase 270 escolas do município, muitas delas sem água, sem banheiros, com problemas no teto e nas portas. Eduardo Braide disse que vai ter de conseguir dinheiro para reformá-las. Nenhuma reação, o que significa dizer que o prefeito vai continuar calado e entregar o bastão ao seu sucessor, independentemente dos ataques que vem recebendo dos candidatos.

São Luís, 28 de Novembro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *