JPesquisa: virada de Brandão sobre Weverton abre novo momento da guerra pelo comando do Estado

 

Carlos Brandão agora lidera seguido de Weverton Rocha, Edivaldo Jr. Roberto Rocha, Lahesio Bonfim, Josimar de Maranhãozinho, Simplício Araújo e Enilton Rodrigues

Os números do levantamento JPesquisa, divulgados na edição de ontem do Jornal Pequeno, apontando a ultrapassagem do vice-governador Carlos Brandão (PSDB a caminho do PSB), com 23%, sobre o senador Weverton Rocha (PDT), que aparece com 20%, é, sem sombra de dúvida, uma informação surpreendente, que anima de vez a corrida ao Palácio dos Leões. Mas essa virada estava escrita no roteiro dessa peleja, num passo-a-passo nítido registrado pelas pesquisas realizadas até aqui, com Carlos Brandão crescendo lenta e seguramente a cada levantamento, e Weverton Rocha tentando furar teto que alcançara nas primeiras prospecções, e que nas mais recentes começou a ganhar a forma de uma clara tendência de queda. A pesquisa JP confirmou o bloco intermediário, neste caso liderado pelo ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr. (PSD), com 11%, seguido do senador Roberto Rocha (PSDB em busca de um novo partido) com 10% e o prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (Agir36), com 9%. E também o bloco de trás, formado por Josimar de Maranhãozinho (PL) com 4%, Simplício Araújo (Solidariedade) com 2% e Enilton Rodrigues (PSOL), que não pontuou. Foram ainda 10% de rejeição a todos eles e 10% de indecisos.

O crescimento de Carlos Brandão tem se mostrado consistente e evolui dentro de uma lógica quase cartesiana. E isso acontece exatamente por ser o resultado de uma série de fatores, que começa com a própria trajetória do vice-governador, passa pela indiscutível força política do governador Flávio Dino (PSB), seu principal avalista, e ainda pelo fato de que Carlos Brandão está atuando como um pré-candidato maduro, dedicando seus esforços iniciais às articulações políticas, dando forma e segurança a uma base política sólida ao seu projeto de candidatura, para em seguida, já com o aval dessas forças, partir para o corpo-a-corpo com o eleitorado, a quem vai pedir bênção política e respaldo nas urnas. Chama ainda a atenção o fato de Carlos Brandão ultrapassar Weverton Rocha antes de assumir o Governo do Estado, estimulando a previsão de que avançará mais e mais rápido, levando até alguns brandonistas entusiasmados a vislumbrar um desfecho da eleição já no primeiro turno.

Por sua vez, o senador Weverton Rocha, que vinha liderando a corrida, tem agora todos os motivos para repensar, e provavelmente redefinir, a estratégia que usou até aqui como pré-candidato – realização de grandes eventos de massa, com a natureza dos showmícios, e a distribuição de recursos de emendas parlamentares em obras e equipamentos para diversos municípios. O senador apostou na formação de uma base política com a união de alguns partidos, mas esse projeto não avançou, ao contrário, serviu apenas para evitar uma queda mais rápida, como demonstram agora os percentuais da pesquisa do Jornal Pequeno. Uma situação que exigirá um esforço gigantesco do pré-candidato do PDT para estancar a sangria, sob pena de continuar caindo e ser obrigado a entrar na briga que nesse momento movimenta o bloco intermediário. E se está mesmo disposto a se manter na disputa, terá de encontrar a fórmula para continuar como o contrapeso na polarização com Carlos Brandão.

O levantamento do JPesquisa confirmou a continuidade do nó que vem mantendo Edivaldo Jr. (11%), Roberto Rocha (10%) e Lahesio Bonfim (9%), em rigorosa situação de empate técnico, dentro da margem de erro, que é de 2,45% para mais ou para menos. Esse só será desatado quando o senador Roberto Rocha revelar a que será candidato, definição que ele prometeu revelar quando ele vier a público para anunciar durante o mês em curso. O ex-prefeito Edivaldo Jr. tem potencial de crescimento, mas algo vem inibindo sua pré-campanha, que deve ganhar força de agora por diante, o mesmo acontecendo com o prefeito Lahesio Bonfim, que deve renunciar nos próximos dias para se dedicar exclusivamente à corrida eleitoral. Isso porque Josimar de Maranhãozinho, Simplício Araújo e Enilton Rodrigues emitem todos os sinais de que estão na pista sem estarem efetivamente brigando pelo mandato de governador.

Em resumo: pesquisa do JP inaugurou um novo e decisivo momento da corrida ao Palácio dos Leões, com Carlos Brandão credenciado para pleiteara reeleição.

Em Tempo: JPesquisa ouviu 1.000 eleitores em todas regiões do estado no período de 7 a 12 de março, tem margem de erro de 2,45%, para mais ou para menos, e está registrada na Justiça Eleitoral sob o protocolo MA – 9132/2022.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Dino mantém favoritismo com tendência de crescimento

Flávio Dino tem liderança sólida

A pesquisa publicada ontem pelo Jornal Pequeno confirmou, em dois cenários, o amplo favoritismo do governador Flávio Dino na disputa para o Senado. No primeiro cenário, Flávio Dino tem 51% das intenções de voto contra 22% do senador Roberto Rocha, 8% do prefeito de Igarapé Grande e presidente da Famem, Erlânio Xavier (PDT) e 4% do Pastor Bel, sendo que Antônia Coriongo não pontuou, restando 7% de rejeição a todos eles e 8% de indecisos. No segundo cenário, sem o presidente da Famem na lista, Flávio Dino alcança 52%, com 24% para Roberto Rocha e 4% para Pastor Bel. Nenhum alcançou 8% e 12% manifestaram indecisão.

Flávio Dino pode aumentar ainda mais o seu cacife eleitoral, caso o senador Roberto Rocha resolva disputar o Governo do Estado. A pesquisa mostra também que Erlânio Xavier, homem-forte da base política montada pelo senador Weverton Rocha que vem tentando, sem sucesso, transformar a Famem num braço de apoio é uma espécie de “coordenador” da candidatura de Weverton Rocha e foi “lançado” pré-candidato ao Senado com o ousado objetivo, visivelmente fracassado, de “peitar” Flávio Dino. Pastor Bell, que já foi suplente do senador Edison Lobão, mostrou mais uma vez que não tem cacife para entrar nessa briga.

 

Josimar de Maranhãozinho é o mais rejeitado na corrida aos Leões

Josimar de Maranhãozinho

O deputado federal Josimar de Maranhãozinho encontra-se, de fato, num processo de desmanche político, conforme sinalizam também os números do JPesquisa. Ele aparece em sexto lugar, com 4% de intenções de voto, tecnicamente empatado com Simplício Araújo, que tem 2% da preferência. O parlamentar, que preside o PL no Maranhão e controla ainda o Patriotas e Avante por meio de prepostos, é também o mais rejeitado, segundo o levantamento, com 25% de eleitores que não querem conversa com ele de jeito nenhum. As evidências denunciam que o fato de ele estar na mira constante da Polícia Federal, que investiga a suspeita de que ele comanda uma quadrilha que desvia dinheiro público que deveria ser destinado à educação e à saúde. Np final da semana passada, Josimar de Maranhãozinho amargou mais uma operação da PF na sua residência em São Luís em busca de provas de suas supostas incursões pelo crime de corrupção, conforme denúncia formulada pelo Ministério Público Federal

São Luís, 14 de Março de 2022.

Um comentário sobre “JPesquisa: virada de Brandão sobre Weverton abre novo momento da guerra pelo comando do Estado

  1. O FLÁVIO DINO,NÃO TEM VOTO NA CAPITAL E ISSO SERÁ COMPROVADO SE FIZEREM ALGUMA PESQUISA SÉRIA. TODOS OS SERVIDORES DE CARREIRA DO ESTADO DO MARANHÃO,NÃO VOTA NELE DE MANEIRA ALGUMA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *