João Alberto e André Fufuca: duas gerações de políticos maranhenses com cargos nas cúpulas do Senado e da Câmara

 

joaofufuca
João Alberto e André Fufuca: gerações diferentes em posições similares nas cúpulas do Senado e da Câmara Federal

O senador João Alberto (PMDB) e o deputado federal André Fufuca (PP) são hoje os dois políticos maranhenses mais bem situados no Congresso Nacional, o primeiro como 2º vice-presidente do Senado, e o segundo ocupando cargo equivalente na Mesa Diretora da Câmara Federal. Somados os postos, os dois reafirmam a surpreendente capacidade dos políticos maranhenses de ocupar espaço nos centros de decisão da República. No caso, são representantes de gerações e grupos diferentes, que só têm em comum o fato de que um dia pertenceram ao mesmo lado político no Maranhão, já que no geral estão distanciados e sem a menor possibilidade de ter uma convivência no mesmo quadrado. O senador é um dos políticos mais bem sucedidos da História política recente do Maranhão; o deputado é um rebento da novíssima geração e que desponta no cenário estadual como uma das promessas para cenários futuros. Os dois têm perspectivas diferentes, mas não há dúvidas de que cada um tem um foco no momento: João Alberto está decidindo se encerra a carreira ou continua na planície para travar nova guerra para permanecer no Senado ou entrar na briga pelo Palácio dos Leões; André Fufuca se arma para brigar pela renovação do mandato, pavimentando assim a estrada por meio da qual pretende chegar ao Palácio dos Leões em tempos futuros.

Muito se falou das duas eleições. Em resumo, muitas disseram que o senador João Alberto chegou à 2ª Vice-Presidência do Senado pura e simplesmente por influência do ex-presidente José Sarney, como se não tivesse méritos para, ele próprio, bancar a sua movimentação parlamentar. A respeito da eleição de André Fufuca para a 2ª Vice-Presidência da Câmara, a explicação mais comum foi a de que ele só ascendeu por “pertencer à cota do Eduardo Cunha”, o ex-todo-poderoso deputado presidente da Casa, hoje preso sob pesadas acusações de corrupção. Não dá para ignorar o fato de que José Sarney teve o seu naco de influência na composição da Mesa do Senado, mas é incorreto afirmar que a eleição de João Alberto dependeu exclusivamente disso, minimizando sua capacidade de articulação política. O mesmo se pode em relação à afirmação de que a ascensão de André Fufuca à Mesa da Câmara. A eleição dos dois tem muito do próprio mérito, de decisões partidárias e de influências “externas”, como a de presidentes de partidos, do presidente da República, ministros, etc..

O senador João Alberto é um dos políticos mais próximos de José Sarney, respeitando-o como seu líder e atuando sempre alinhado às posições do ex-presidente. Isso não significa dizer que o senador siga rigorosamente o missal sarneysista. Ao contrário de outros do mesmo grupo, João Alberto construiu sua carreira com movimentação própria, criando e alimentando suas bases de apoio político e eleitoral dentro da sua própria lógica e regras que mantêm até hoje. Foi assim quando deixou cargos no Governo para ser deputado estadual, deputado federal, vice-governador (duas vezes), prefeito (Bacabal, governador e senador. Em quase cinquenta anos disputando mandatos eletivos, só foi derrotado três vezes, uma para deputado federal em 1974, uma em 1992 para a Prefeitura de São Luís, e em 2006 como candidato a vice de Roseana Sarney. Quando governador, atuou com estilo e roteiro próprios, muitas vezes tomando decisões quer incomodaram  profundamente  a cúpula do sarneysismo. Mais tarde, como senador, atuou alinhado com José Sarney nas questões políticas maiores, mas no mais das vezes exerceu seus mandatos com muita independência. Político sem nódoas,  com a integridade intacta e dono de uma coragem extraordinária- comandou uma verdadeira e bem sucedida guerra contra o banditismo no Maranhão, foi apontado com o nome certo para presidir o Conselho de Ética do Senado por cinco mandatos, cargo que deixou agora para assumir a 2ª vice-presidência da Casa.

O novo 2º vice-presidente da Câmara Federal tem uma trajetória ainda em construção, mas sua origem é bem diferente. Filho de Fufuca Dantas, que atualmente exerce pela quarta vez o mandato de prefeito de Alto Alegre do Pindaré, André Fufuca nasceu numa espécie de berço de ouro político. Seu primeiro mandato foi na Assembleia Legislativa, onde desembarcou como a nova geração dos Dantas, destinado, portanto, a fazer carreira. E não decepcionou, pois seguiu para a Câmara Federal, onde na falta de líderes e orientadores confiáveis, se aproximou do poderoso presidente Eduardo Cunha, que o admitiu no seu círculo mais próximo. E o resultado veio em seguida: ainda cristão novo na Câmara Baixa, foi alçado à presidência da CPI da Prótese, ganhando visibilidade. O passo seguinte foi deixar o PEN e se filiar ao PP, assumindo o comando do partido no Maranhão com os tropeços do Waldir Maranhão. Cada vez mais traquejado na arte da articulação, André Fufuca ganhou espaço na bancada, sendo hoje um dos seus principais integrantes. Não fosse a sua desenvoltura, não teria chegado à 2ª vice-presidência da Câmara Federal.

Se vier a arquivar o anunciado projeto de aposentadoria, o senador João Alberto estará se preparando para o seu último embate nas urnas, que pode ser a reeleição ou a tentativa de morar mais uma vez no Palácio dos Leões. O deputado federal André Fufuca caminha para a reeleição, ampliando o largo horizonte que tem pela frente.

 

PONTO & CONTRAPONTO

Lobão e Rocha se movimentam por Comissões no Senado
loborocha
Edison Lobão e Roberto Rocha: nomes quase certos para Comissões importantes; decisão deve sair nesta semana

Diferentemente do senador João Alberto, que chegou à 2ª Vice-Presidência da Casa por decisão da bancada do PMDB, os outros dois senadores maranhenses, Edison Lobão (PMDB) e Roberto Rocha (PSB), encontram-se mergulhados em articulações. Edison Lobão para ser confirmado presidente da importante e influente Comissão de Constituição e Justiça, que disputa com seus colegas de partido, senadores Raimundo Lira e Marta Suplicy. Todos os comentaristas e analistas políticos avaliam que, mesmo com quatro citações na Operação Lava Jato – nenhuma dela foi confirmada até agora, vale dizer -, Lobão é o nome mais forte para o cargo. O senador Roberto Rocha já teria sido indicado pela sua bancada para presidir a importante Comissão de Segurança, mas outros membros de bancadas com o mesmo peso estariam no páreo. Todas as comissões técnicas e permanentes do Senado terão seus comandos definidos nesta semana, e não será surpresa de Edison Lobão e Roberto Rocha a terminarem como no comando de duas delas.

 

Famem pede à Justiça flexibilidade em precatórios
precatórios
Tema Cunha (esquerda) ouve explicações de Cleones Cunha sobre precatórios

O novo presidente da Famem, Cleomar Tema Cunha, cumpriu mais um compromisso que assumira durante a campanha. Na sexta-feira (3), acompanhado de vários prefeitos, ele desembarcou no Palácio Clóvis Bevilacqua, sede do Poder Judiciário, para uma audiência com o presidente do Poder Judiciário, desembargador Cleones Cunha. O assunto pautado: os precatórios devidos por municípios maranhenses e as dificuldades que os prefeitos enfrentam para liquidá-los. No relato que fez ao presidente do TJ, o presidente da Famem mostrou que os municípios têm sido vítimas de uma regra que consiste no seguinte: sempre que manda sequestrar recursos de contas bancárias municipais para pagar precatórios, a ordem judicial não discrimina o tipo de recurso que pode ser usado nesse pagamento. Isso significa dizer que o sequestro alcança todos os recursos disponíveis, independente da sua destinação. Tema Cunha ponderou que sequestro genérico alcança recursos que têm destinação específica e que não podem ser usados para outros fins, como é o caso das verbas para a educação (Fundeb) e da Saúde (SUS), por exemplo. Em resposta, o presidente do Judiciário orientou os prefeitos a procurar a Justiça para fazer acordo com os credores, parcelar o valor e pedir aos juízes que evitem usar recursos específicos. O desembargador Cleones Cunha disse que a Justiça não pode mudar as regras, mas manifestou a certeza de que se houver boa vontade para negociar, os credores ganham e os municípios também.

 

São Luís, 04 de Fevereiro de 2017.

2 comentários sobre “João Alberto e André Fufuca: duas gerações de políticos maranhenses com cargos nas cúpulas do Senado e da Câmara

  1. Sempre te corrigindo, pesquisa melhor. João Alberto perdeu mais duas eleições , além das citadas por você . 1974 para deputado federal e 2006 para vice-governador , na chapa de Roseana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *