Flávio Dino tem vantagem consolidada e Roseana Sarney, com rejeição alta, não dá sinais de reação

 

Flávio Dino lidera com folga a corrida à reeleição; e Roseana Sarney, com rejeição elevada, não consegue esboçar reação

Pesquisa divulgada sábado (22) pela experiente empresa Econométrica, em parceria com a Rádio FC FM, apurou que, se a eleição para governador fosse neste Domingo, o governador Flávio Dino (PCdoB) sairia das urnas com 58,8% dos votos, contra 27,3% de Roseana Sarney (MDB), 2,3% de Maura Jorge (PSL), 2,2% de Roberto Rocha (PSDB), 0,6% de Ramon Zapata (PSTU) e 0,1% de Odívio Neto (PSOL); 4,5% votariam nulo ou em branco e 4,2% não saberiam em quem votar. Transformados em votos válidos – excluindo-se brancos, nulos e indecisos -, Flávio Dino teria 64,4% dos votos contra 29,9% de Roseana Sarney, 2,5% de Maura Jorge, 2,4% de Roberto Rocha, 0,6% de Ramon Zapata e 0,2 de Odívio Neto.  A eleição para o Governo do Estado seria resolvida em turno único, com uma vitória retumbante do governador Flávio Dino. A pesquisa Econométrica fecha uma rodada de pesquisas realizadas depois de iniciada a campanha no Rádio e na TV, que  apontou na mesma direção, com algumas diferenças numéricas, mas nenhuma que apontasse em outra direção.

O cenário da corrida ao Palácio dos Leões está ganhando desenho definitivo, confirmando uma tendência sinalizada já nos primeiros levantamentos, realizados ainda no ano passado. Os números consolidam a consistência política do movimento liderado pelo governador Flávio Dino e, ao mesmo tempo, a perda de espaço do Grupo Sarney, que corre o risco de ser derrotado em todos os campos da disputa – Governo, Senado, Câmara Federal e Assembleia Legislativa. É verdade que faltam ainda duas semanas para a votação, num embate político em que os dois grupos em confronto têm tudo a ganhar e tudo a perder. Mas a julgar pela demonstração da força mobilizadora de cada um até aqui, não há como duvidar dos percentuais encontrados pelos levantamentos mais recentes sobre as preferências do eleitorado.

A campanha em andamento tem sido claramente favorável ao candidato da coligação “Todos pelo Maranhão”, que mobiliza 16 partidos, boa parte deles aliados tradicionais do Grupo Sarney, mas que agora, movidos pelo aguçado instinto de sobrevivência, resolveram mudar de lado. Na maioria dos casos, essa mudança nada tem a ver com afinidade política, ideológica, doutrinária ou programática. Ela é resultado do fato de que seus líderes perceberam fragilidade e inconsistência no projeto de candidatura da ex-governadora Roseana Sarney, em que pese o fato de ser ela, em si, uma liderança forte, capaz de arrebanhar um grande número de eleitores. Só que agora enfrenta um adversário bem mais forte, organizado, com discurso denso e coerente, líder, enfim, de um projeto de poder que extrapola as fronteiras do Maranhão, aliado que está ao movimento que tem o ex-presidente Lula (PT) como referência.

Num outro viés da disputa, Roseana Sarney é fortemente atingida por um inimigo destruidor de cacifes políticos: a rejeição. A pesquisa Econométrica investigou esse item e apurou que a candidata do MDB é rejeitada por 43,6% dos eleitores, enquanto o governador Flávio Dino tem apenas 17,8%. A explicação para essa informação é óbvia: nos seus 28 anos de vida pública – contados a partir da sua eleição para deputada federal em 1990 – durante os quais esteve por 14 anos no comando do Estado, a Roseana Sarney política fadigou. Um processo absolutamente natural, principalmente quando é fácil observar que o Grupo Sarney explorou seu potencial eleitoral ao extremo, sem se preocupar em criar condições para a projeção de novas lideranças. Na conta da anemia política e eleitoral de Roseana Sarney entra o fato de ela não contar com a máquina pública e não estar engajada na corrida à presidência da República.

Nesse contexto, a força política exibida pelo candidato do PCdoB vem  esmagando todas as possibilidades de reação por parte da candidata do MDB, tornando inócua a metralha disparada diariamente pelos poderosos meios de comunicação controlados pelo Grupo Sarney. Isso tem sido possível por um dado essencial: o governador é ficha limpa, portanto, imune a esse tipo de ataque. É esse o cenário visível até aqui, e que parece consolidado para manter-se até a votação. É sempre bom lembrar que a política tem seus caprichos, que aqui e ali cenários aparentemente definitivos são mudados drasticamente. Não parece ser o caso dessa disputa pelo Governo do Maranhão. Em todo caso, vale acompanhar com atenção o rolar das águas durante o tempo que resta de campanha e o resultado da votação.

Em Tempo: A pesquisa da Econométrica está registrada no TSE sob o nº MA-04166/2018, ouviu 1.437 de 48 municípios entre os dias 15 a 19 de setembro de 2018, tem intervalo de confiança é de 95%, e a margem de erro é de 2,6 pontos para mais ou para menos.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Vantagem de Flávio Dino embala Eliziane Gama e Weverton Rocha na corrida ao Senado

Números da Econométrica: Weverton Rocha e Eliziane Gama agora lideram a corrida pelas duas vagas no Senado, seguidos de Sarney Filho e Edison Lobão

 

Se os percentuais levantados pela Econométrica expressarem a realidade, como costuma acontecer nas suas investigações em busca das tendências do eleitorado, a disputa para o Senado pode estar sendo definida em favor dos candidatos da coligação “Todos pelo Maranhão”, Eliziane Gama (PPS), que aparece na liderança com 26,8%, e Weverton Rocha (PDT), que se encontra no mesmo patamar com 26,5%. Os dois aparecem à frente dos candidatos da coligação “Maranhão Quer mais”, Sarney Filho (PV), que tem 21,2%, e Edison Lobão (MDB) que aparece com 19,8% das preferências.

Os números respaldam a previsão de que, mantida a sua liderança folgada e consistente na corrida pela reeleição, o governador Flávio Dino teria lastro político e eleitoral suficiente para embalar as duas candidaturas senatoriais. Ao mesmo tempo, a visível estagnação da candidatura da ex-governadora Roseana Sarney vem se refletindo negativamente nas candidaturas de Edison Lobão, que vinha liderando a corrida, e Sarney Filho. Flávio Dino abraçou as duas candidaturas da sua coligação, deu a elas um sentido de chapa e as incluiu na sua campanha. Já Roseana Sarney não trabalhou essa unidade, o que obrigou Edison Lobão a seguir seu próprio rumo, e só agora, quando foi aceso o alerta vermelho, resolveu tentar embalar a candidatura de Sarney Filho.

Nos momentos iniciais da campanha já corria nas entranhas partidárias a previsão de que o futuro das candidaturas ao Senado estaria condicionado ao poder de fogo dos candidatos a governador, como aconteceu em 2010, quando Roseana Sarney embalou as candidaturas de Edison Lobão e João Alberto, ambos do então (PMDB), deixando para trás José Reinado (PSB) e Roberto Rocha (PSB), e em 2014, quando Flávio Dino, que liderava com folga a disputa com Lobão Filho (PMDB), “puxou” Roberto Rocha, que durante toda a campanha apareceu atrás de Gastão Vieira (PMDB). Os números da Econométrica sugerem que essa marca eleitoral pode estar acontecendo na disputa em curso.

No segundo grupo, aparentemente sem chance de reação, estão Zé Reinaldo (PSDB) com 12,5%, Alexandre Almeida (PSDB) com 7,0%, Preta Lú (PSTU) com 1,7%, Iêgo Brunno (PCB) com 1,0%; Samuel Campelo (PSL) com 0,7%, Saulo Arcangeli (PSTU) com 0,6% e Saulo Pinto (PSOL), com 0,5%. Brancos e nulos somaram 26,6% e 55% disseram não saber ou não responderam.

 

Grande comício na Beira-Mar trouxe de volta vida política ao coração de São Luís

Flávio Dino entre Weverton Rocha e Eliziane Gama no comício de  sexta-feira na Beira-Mar, devolvendo vida política a São Luís, ao contrário dos outros candidatos

 

Há muito a São Luís antiga, que fora palco dos grandes acontecimentos políticos e eleitorais da História do Maranhão, não era transformada em campo de pregação por parte de candidatos em comícios minimamente convincentes. Esse jejum vem sendo aos poucos quebrado pelo governador Flávio Dino, como aconteceu, na noite de sexta-feira (21), quando ele liderou um ato político com pelo menos 10 mil pessoas na Praça Gomes de Castro, em frente à RFSA, na Beira-Mar. Ali se reuniram candidatos, militantes, partidários e simpatizantes de todas as idades, numa forte demonstração de prestígio político do movimento dinista. Vários grandes eventos políticos aconteceram na São Luís tradicional – o histórico ato de posse de Flávio Dino em janeiro de 2015 e o encerramento da caravana do ex-presidente Lula da Silva (PT), em Outubro do ano passado, ambos em frente ao Palácio dos Leões. Mas o comício de sexta-feira teve um sentido bem mais forte no que diz respeito a campanhas eleitorais. Pode ser considerado um dos marcos dessa corrida ao voto, a começar pelo fato de que nenhum dos demais candidatos ao Governo do Estado fez até agora algo parecido em São Luís. É a vida política plural e intensa que parece estar de volta à Capital do Maranhão. Que assim seja.

São Luís, 23 de Setembro de 2018.

 

Um comentário sobre “Flávio Dino tem vantagem consolidada e Roseana Sarney, com rejeição alta, não dá sinais de reação

  1. POLÍTICA:Matéria da Revista Fórum.

    21 DE SETEMBRO DE 2018, 20H10

    Com Roseana, família Sarney tenta retomar controle do feudo político no Maranhão
    História do clã no estado está ligada à grilagem; ex-governadora disputa o Palácio dos Leões com Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição que governa com apoio de ruralistas

    Por Alceu Castilho, no De Olho Nos Ruralistas

    As políticas de José Sarney inspiraram um clássico da literatura brasileira sobre questão agrária: “Grilagem – corrupção e violência em terras do Carajás“, de Victor Asselin. No fim dos anos 60, aquele jovem político disparou a distribuir terras públicas, onde viviam camponeses. Entre os beneficiários, grileiros de todo o Brasil, numa escola que vinha do Paraná e passava por Goiás. Iniciava-se um domínio político no Estado que só foi interrompido – salvo uma gestão relâmpago de Jackson Lago – pelo atual governo de Flávio Dino (PCdoB), candidato à reeleição.

    Cinquenta anos depois, a família do ex-presidente vê na ex-governadora Roseana Sarney (MDB) a chance de retomada do feudo. Em 1966, o cineasta Glauber Rocha gravou um documentário sobre a posse de José Sarney, a pedido do amigo governador. As promessas de combate à miséria foram sendo substituídas por um domínio coronelista no estado, onde ficam hoje 70 dos 100 municípios mais pobres do Brasil.

    A palavra “comunista” na sigla PCdoB não significa que a gestão Dino esteja descolada dos interesses ruralistas. Alguns membros da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), como os deputados federais André Fufuca (PP) e Cleber Verde (PRB), têm influência direta no governo estadual, inclusive no Instituto de Terras do Maranhão (Iterma) – um velho conhecido da família Sarney.

    Lei Sarney de terras gerou êxodo rural

    No dia 15 de junho de 1969, saiu do forno o que viria ser conhecida como Lei Sarney de Terras. “Com a nova lei, facultava-se a venda das terras devolutas, sem licitação, a grupos organizados em sociedade anônimas, sem número limitado de sócios, podendo requerer cada um até três mil hectares”, conta Victor Asselin em seu livro. Estava em curso uma das maiores grilagens de terras da história do Brasil, numa área de 1,5 milhão de hectares conhecida como Fazenda Pindaré.

    Esses territórios eram ocupados por posseiros. No ano passado, no XXIX Simpósio de História Nacional, o historiador Roberval Amaral Neto, do Instituto Federal do Maranhão, observou que a lei significou a “institucionalização da grilagem nas terras maranhenses”. Entre elas, 9 milhões de hectares de terras devolutas na Amazônia Legal. Esse território, explica o pesquisador, era visto pela elite do estado “como a solução para modernizar o setor agrário maranhense”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *