Brandão retorna hoje para reassumir o comando do Governo e o controle da sua pré-campanha

 

Bem disposto, Carlos brandão retorna hoje para reassumir o Governo

Se não houver algum imprevisto, e tudo indica que não haverá, o governador Carlos Brandão (PSB) retorna hoje ao Maranhão. Seu retorno se dará após 43 dias em São Paulo – 30 deles oficialmente licenciado -, onde foi submetido a uma cirurgia para a retirada de cisto no rim. De volta, o governador reassumirá em duas frentes, a administrativa, retomando o comando do Governo do Estado, e a política, retornando a pré-campanha para o Palácio dos Leões, aspirante que é à reeleição. Ele próprio fez o anúncio da alta hospitalar recebida, em mensagem divulgada ontem, no final da tarde, nas suas redes sociais, informando também que concederia entrevista logo em seguida à TV Mirante, recomendando a todos que a assistissem. A previsão feita por um dos seus assessores foi a de que o governador desembarcará em São Luís no meio da tarde, devendo seguir para o Palácio dos Leões, para reassumir formalmente o comando do Poder Executivo. Independentemente de ato formal, ele começa o dia como titular do Governo.

No plano administrativo, o governador Carlos Brandão não encontrará problemas na sua mesa de trabalho. Durante o mês em que esteve formalmente licenciado – foram três licenças de 10 dias aprovadas pela Assembleia Legislativa -, o Governo esteve sob o comando do governador interino, desembargador Paulo Velten, presidente do Poder Judiciário. Durante a trintena, o governador interino Paulo Velten manteve o controle da máquina administrativa estadual, cumpriu diariamente agenda de trabalho, na qual despachou com secretários, assinou atos, tomou decisões inadiáveis, visitou municípios, autorizando, inspecionando e inaugurando obras, tendo também ido à Brasília e a Natal, para reuniões com governadores na região. Na avaliação de governistas de alto coturno, o desembargador Paulo Velten governou efetivamente o Maranhão, atuando com ética e eficiência e em sintonia com o governador licenciado Carlos Brandão, que por sua vez manteve contatos diários com sua equipe, para se informar do andamento na máquina estatal. Isso lhe permitirá reassumir sem sobressaltos, só preocupado mesmo com a perda de receita de ICMS com a mudança na composição nos preços dos combustíveis.

No campo político, o governador Carlos Brandão reassumirá o comando da sua pré-campanha, que na sua ausência foi liderada pelo seu companheiro de chapa, Felipe Camarão (PT), pré-candidato a vice-governador, que teve o suporte do ex-governador Flávio Dino (PSB), pré-candidato ao Senado. Na sua ausência, os demais pré-candidatos aproveitaram o espaço para intensificar suas pré-campanhas. Nesse período, o senador Weverton Rocha (PDT) ocupou o máximo de espaço no cenário da disputa eleitoral, tendo o pré-candidato do PSC, o ex-prefeito de São Pedro dos Crentes Lahesio Bonfim aproveitado também para reforçar seu projeto de candidatura. O esforço para ocupar o vazio de 30 dias deixado pelo governador Carlos Brandão envolveu também o pré-candidato do PSD, o ex-prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Jr.. Na guerra pelo voto, adversários de Carlos Brandão espalharam insinuações maldosas, entre elas a de que o governador não mais retornaria ao cargo e que Felipe Camarão estava se preparando para ser o candidato a governador.

As maldades não colaram. Resistindo de um quarto do Hospital da Beneficência Portuguesa, em São Paulo, disparando mensagens eventuais via internet, o governador Carlos Brandão conseguiu levar aos maranhenses a informação correta sobre seu estado de saúde, o que foi decisivo para que as campanhas de desmonte fracassassem. E o resultado foi levantado pela pesquisa Econométrica, que o mostrou com 32% das intenções de voto, sete pontos à frente do seu principal concorrente, o senador Weverton Rocha (PDT), que apareceu com 25%, seguido de Lahesio Bonfim em terceiro com 18%. Seu retorno preencherá novamente o espaço aberto na sua ausência, e dará um novo impulso à pré-campanha. Nesse cenário, os concorrentes, a começar pelo pré-candidato do PDT, conhecerão o peso político do governador maranhense.

Certo de que a partir de agora a caminhada para as urnas se tornará cada vez mais difícil, o governador Carlos Brandão disse estar pronto para o desafio. É o que dizem também os demais pré-candidatos.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Judiciário teve dois presidentes na ausência de Paulo Velten

Paulo Velten, Ricardo Duailibe e Marcelino Everton: governadores

O desembargador Paulo Velten reassume hoje o comando do Poder Judiciário, depois de um mês como chefe interino do Poder Executivo. Nesse período, o Tribunal de Justiça teve dois presidentes interinos. O primeiro foi o desembargador Ricardo Duailibe, que é o 1º vice-presidente e assumiu por uns dias, mas teve de se afastar para gozar férias anteriormente programadas. No seu lugar assumiu o 2º vice-presidente da Corte, desembargador Marcelino Weverton, que cumpriu suas obrigações institucionais sem maiores problemas, salvo os que via de regra aparecem na rotina do Poder Judiciário. Vale lembrar que o cargo de 2º vice-presidente no organograma de comando do Poder Judiciário foi criado há pouco mais de dois meses, tendo sido estreado pelo desembargador Marcelino Weverton.

 

Roseana Sarney e Lobão Filho disputam campeonato de votos no MDB

Roseana Sarney e Lobão Filho: disputa informal nas urnas

Uma disputa não declarada está sendo travada dentro do MDB na corrida à Câmara Federal. Há quem aposte que a ex-governadora Roseana Sarney sairá das urnas deputada federal eleita e campeã de votos. Por outro lado, dentro e fora do partido há quem avalie que o ex-suplente de senador Lobão Filho será o mais votado do partido. Roseana Sarney é forte em todas as regiões, tanto que nas primeiras pesquisas de intenção de voto para governador ela esteve na frente, só não sendo citada quando decidiu formalmente anunciar sua pré-candidatura à Câmara Federal, onde iniciou sua bem-sucedida carreira. Já o ex-senador Lobão Filho conta com o prestígio pessoal e a força que está recebendo da esposa, Paulinha Lobão, cujo prestígio como apresentadora de TV a torna importante cabo eleitoral. Seu maior cacife, porém, é o poder de fogo político que ainda detém o seu pai, o ex-deputado federal, ex-governador, ex-senador e ex-ministro Edison Lobão, que está em campanha pela eleição do filho para a Câmara Federal, onde começou sua bem-sucedida trajetória política.

São Luís, 01 de Julho de 2022.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *