Sucessão: Dino abre contagem regressiva para definir candidato e unir base partidária na corrida às urnas

 

Flávio Dino vai administrar disputa entre Carlos Brandão e Weverton Rocha

Daqui a exatamente 11 meses, o governador Flávio Dino (PCdoB) renunciará a oito meses que lhe restarão no Governo para se candidatar à cadeira a ser aberta no Senado com o fim do mandato do senador Roberto Rocha (sem partido), passando o comando do Estado ao vice-governador Carlos Brandão (PSDB). Até lá, deve cumprir roteiro intenso nos campos administrativo e político, preparando a transferência do Governo ao sucessor, articulando a escolha do candidato à sua sucessão dentro da aliança partidária que lidera, e trabalhando duro para fortalecer a Oposição na corrida presidencial, podendo até mesmo, numa hipótese remota, vir a participar dessa disputa. Dos três pontos, o mais complicado é, sem sombra de dúvida, a montagem da equação para a sua própria sucessão, que já está em andamento com as pré-candidaturas do vice-governador Carlos Brandão, que não esconde seu objetivo, e do senador Weverton Rocha (PDT), candidato a candidato assumido e em franco movimento.

Todos os sinais emitidos até agora indicam que o governador tem preferência pelo projeto de candidatura do vice-governador, e por razões óbvias: trata-se de um aliado fiel, colaborador dedicado do Governo, representante sóbrio e emissário correto, que até aqui não cometeu qualquer deslize pessoal e político. Mesmo com essa inclinação, o governador não descarta avalizar a candidatura do senador, que considera válida, importante e dentro do contexto, se dispondo a apoiá-la sem problemas, se for o caso. Seu trabalho político, no entanto, está focado na escolha do nome que reúna as melhores condições para liderar a grande aliança em direção às urnas. Mesmo considerando as tendências que estão sendo delineadas, a definição virá com as conversas que travará com as lideranças partidárias da base, a partir de Julho, pretendendo chegar a Dezembro com a equação resolvida na forma de uma chapa consensuada na mesa de negociações.

No campo partidário, o senador Weverton Rocha vem levando a melhor, pelo menos por enquanto. Até o momento conta com o apoio declarado do PSL, do Republicanos e do PSB. No caso do PSB, o apoio foi declarado pelo presidente do partido, Luciano Leitoa, mas o presidente do PSB em São Luís, o deputado federal Bira do Pindaré, se mantém em silêncio, numa indicação de que tende a seguir o governador Flávio Dino, como fez no segundo turno da eleição em São Luís. E no caso do Republicanos, pelo menos metade dos 25 prefeitos eleitos pelo partido já teriam declarado apoio a Carlos Brandão, ainda que permanecendo no partido. O senador também ganhou força política com a declaração de apoio da senadora Eliziane Gama (Cidadania), mas aposta alto na força partidária para consolidar sua candidatura.

Por seu turno, ainda sem uma estrutura partidária forte, o vice-governador Carlos Brandão aposta alto na articulação política, jogo que conhece como poucos devido à rica experiência que viveu como chefe da Casa Civil do Governo José Reinaldo Tavares. No início da semana, articulou o reatamento do ex-governador José Reinaldo com o governador Flávio Dino, que o indicou para a diretoria de Relações Institucionais da Emapa, um cargo adequado ao status do antigo aliado. E três dias depois, Carlos Brandão articulou uma conversa do governador Flávio Dino com o deputado federal Josimar de Maranhãozinho, líder do PL, e com ex-deputado federal Júnior Marreca, cujo filho, deputado federal Júnior Marreca Filho, controla o Patriotas no Maranhão. Ao deixarem o Palácio dos Leões, causaram a impressão de que podem vir a apoiar o vice-governador, ainda que o chefe do PL tenha mantido de pé sua candidatura ao Governo.

O fato é que até aqui o jogo permanece equilibrado entre o senador Weverton Rocha, que tem uma megaestrutura trabalhando diuturnamente a seu favor, e o vice-governador Carlos Brandão, que só conta até aqui com a força da articulação política e com a perspectiva de daqui a 11 meses ocupará o Palácio dos Leões como governador titular, condição com que disputará o Governo do Estado. É nesse meio de campo que o governador Flávio Dino jogará nos próximos meses em busca de um entendimento que junte as duas forças.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Governo entrega obras de urbanização em São Luís no Dia do Trabalho

Entre Carlos Brandão e Márcio Jerry, Flávio Dino entrega cartão de compra a catador de materiais no Dia do Trabalho, após entregar várias obras em bairros de São Luís

Ao contrário de outros tempos, quando comemorava o 1º de Maio com grande manifestação na Avenida Vitorino Freire, o governador Flávio Dino preferiu ato mais modesto, mas igualmente expressivo. Primeiro fez uma rodada de inaugurações sem São Luís, entregando obras de urbanização em diversos pontos da cidade, e depois entregando cartões de compra no valor de R$ 600 para catadores de materiais recicláveis, dentro de um programa de renda destinado a esses trabalhadores. Cumpriu a programação com entusiasmo, juntamente com o secretário Márcio Jerry, das Cidades e Desenvolvimento Urbano, responsável pelas obras e do vice-governador Carlos Brandão, que participou de alguns eventos.

Foram entregues sete obras de urbanização em diversos bairros, resultado de investimentos no valor de R$ 2,2 milhões.  Foram entregues a Praça da Ponta do São Francisco e praças para moradores dos bairros Vila Industrial, Vila Sarney, Vila Nova República (na zona rural), Residencial Ribeira e Residencial Piancó, na área Itaqui-Bacanga, e Recanto dos Signos, na região da Cidade Operária.

“São obras que valorizam os bairros onde a classe trabalhadora mora e garantindo direitos essenciais. Fizemos várias obras, para que tenhamos um dia da classe trabalhadora em que, nos seus locais de moradia e de trabalho, se sintam valorizados”, disse o governador Flávio Dino.

“Este momento de pandemia é de vacina, emprego e pão, que podemos dividir, celebrando o Dia do Trabalhador. Esta entrega é muito importante, da penúltima etapa da ponte do São Francisco, e vários polos da cidade com a entrega de obras e equipamentos públicos que melhoram a vida de nosso povo”, assinalou o secretário Márcio Jerry.

 

São Luís aplica 92% das doses de vacina que recebeu e ocupa 2º lugar nesse ranking

O prefeito Eduardo Braide acompanha vacinação de profissional da Saúde, numa operação eficiente

O prefeito Eduardo Braide (Podemos) tem motivos de sobra para sorrir no que diz respeito à vacinação contra o novo coronavírus. E o motivo principal é que São Luís é a segunda Capital que mais aplicou as doses de vacina recebidas do SUS através do Ministério da Saúde e do Governo do Estado. O levantamento mais recente feito pelo Localiza SUS, São Luís aplicou 92% das doses de vacina que recebeu, perdendo apenas para Maceió (RN), que alcançou 97% de aplicação das doses recebidas, enquanto que a Capital com pior desempenho é Goiânia, que aplicou apenas 40% das doses que lhe foram entregues pelo SUS. Todas as informações que circulam sobre vacinação indicam que a Capital do Maranhão foi uma das que melhor se estruturou para a vacinação. Os três centros de vacinação montados – Multicenter Sebrae, Universidade Federal e Estacionamento do Shopping da Ilha – têm funcionado de maneira eficiente, com equipes recebem as pessoas e as orientam, as que fazem a vacinação propriamente dita e registram no documento sanitário, e uma terceira que acompanham os vacinados imediatamente após a aplicação, de modo a prevenir eventuais reações. Um trabalho de excelência.

São Luís, 02 de Maio de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *