Sem líder forte e sem projeto de poder, Oposição continua dispersada e sem futuro claro no Maranhão

 

Roberto Rocha atua sozinho, Roseana Sarney quer liderar MDB, Josimar de Maranhãozinho e Lahesio Bonfim se dizem candidatos, e Franklin Douglas pode  liderar a ultraesquerda

A 17 meses das eleições, que muitos avaliam como decisivas para o futuro do Maranhão, o tabuleiro político do estado está dividido em dois campos. O da Situação, forte, com rumo bem definido pela liderança do governador Flávio Dino (PCdoB) – que no momento cuida de administrar a medição de forças entre os dois aspirantes à sua sucessão, o vice-governador Carlos Brandão (PSDB) e o senador Weverton Rocha (PDT) -, e o da Oposição, fraco, disperso e sem lideranças aglutinadoras, que funcionem como referência – a ex-governadora Roseana Sarney (MDB) e o senador Roberto Rocha (sem partido), por exemplo. Além disso, só os movimentos do deputado federal Josimar de Maranhãozinho (PL), que continua dizendo-se pré-candidato a governador, e a solitária e zoadenta pré-campanha do prefeito de São Pedro dos Crentes, Lahesio Bonfim (PSL) – ambas sem futuro visível. Nesse contexto, há quem aponte o prefeito de São Luís, Eduardo Braide (Podemos), como uma terceira via, mas tudo indica que ele gora está empenhado em justificar sua eleição com uma boa gestão, visando reeleger-se em 2024 para entrar na guerra pelo poder estadual em 2026.

O senador Roberto Rocha tem-se esforçado para ser visto como o principal nome da Oposição nesse momento, com cacife político para entrar na disputa pelo Governo do Estado contra Carlos Brandão ou Weverton Rocha, ou os dois, caso não cheguem a um acordo. E se prepara para ser o representante de proa do bolsonarismo no Maranhão disputando o Governo do Estado em alinhamento com a tentativa de reeleição do presidente Jair Bolsonaro, como ele, ainda sem partido. Só que até o momento Roberto Rocha não fez nenhum movimento no sentido de mobilizar esses grupos dispersos em torno do seu projeto. Ao contrário, todos os seus passos até aqui revelam uma trajetória solitária, como se desconhecesse que numa disputa majoritária não há lugar nem futuro para candidato sem grupo.

No caso da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) – que, segundo o deputado César Pires (PV) em entrevista ao blog do jornalista Jorge Vieira, está desanimada -, ela é a maior referência oposicionista da atualidade, mas depois de duas derrotas (2006 e 2018) e de uma aposentadoria confortável, não mostra interesse por uma disputa em que suas chances parecem remotas. Ela prefere organizar o MDB e incentivar candidaturas a deputado federal e a deputado estadual. Saudosa do jogo e das articulações, retornará ao cenário como líder partidária, no controle das rédeas emedebistas, mais inclinada a apoiar candidato do que a se candidatar e mergulhar no turbilhão das incertezas. Como ela, o braço maranhense do MDB está em busca de um parceiro na corrida majoritária, podendo apoiar Carlos Brandão, que tem alguma afinidade com o que restou do Grupo Sarney.

O retrato mais nítido da Oposição do momento no Maranhão é a imagem que mostra o deputado federal Edilázio Jr. e César Pires em São Paulo, reunidos com o ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab, tentando encontrar um rumo para o PSD no estado. De acordo com a assessoria do partido, Edilázio Jr. teria dito a Kassab que não apoiará nenhum dos nomes já postos para o Governo do Estado, admitindo apenas apoiar o ex-prefeito Edivaldo Holanda Jr. (PDT), se ele entrar no PSD. Os movimentos indicam que essa é também a posição do deputado federal Aluísio Mendes, que comanda o PSC no Maranhão e até agora não disse como ele e seu partido se posicionarão na corrida à sucessão do governador Flávio Dino.

Todas as evidências sugerem que nenhum candidato oposicionista conseguirá mobilizar todos os grupos dispersados nas eleições de 2014 e 2018, nas quais a grande aliança liderada por Flávio Dino destroçou nas urnas as forças que lhe fizeram frente. E foi exatamente por falta de lideranças que essas correntes se perderam e se transformaram em grupos pequenos, controlados com mão de ferro por deputados federais e sem condições de conceber e viabilizar um projeto de poder que inclua uma candidatura de consenso ao Governo do Estado. Fora disso, só a ultraesquerda, representada por PSOL, PCB e UP, já se prepara para conversar e definir um rumo, que pode ser a candidatura do professor Franklin Douglas (PSOL) ao Governo.

 

PONTO & CONTRAPONTO

 

Deputadas têm atuação forte na voltadas sessões presenciais da Assembleia Legislativa

Ana do Gás, Daniella Tema e Thaiza Hortegal: atuação forte na Assembleia Legislativa

A bancada feminina atuou fortemente ontem, na volta das sessões presenciais na Assembleia Legislativa, comandada pelo presidente Othelino Neto (PCdoB). As deputadas Ana do Gás (PCdoB), Daniella Tema (DEM) e Thaiza Hortegal (PP) retornaram ao plenário com garra e com uma atuação produtiva.

Ana do Gás ocupou a tribuna para registrar, com ênfase, ações do Governo Flávio Dino por meio da Secretaria das Cidades e Desenvolvimento Urbano, comandada pelo presidente do seu partido, deputado federal Márcio Jerry. Começou destacando as ações em São Luís, como as sete praças inauguradas no Dia do Trabalho. A deputada elencou programas como o “Cheque Minha Casa” e as obras no Centro de São Luís, a exemplo do Shopping Rua Grande, construído por meio de incentivo do programa “Adote um Casarão”. E destacou: “Apesar desse período delicado, estão sendo construídas 300 casas para famílias de baixa renda nos municípios de Araioses, Conceição do Lago- Açu e Serrano do Maranhão, por meio do programa ‘Minha Casa, Meu Maranhão’. Gostaria de parabenizar, mais uma vez, o governador Flávio Dino e o secretário Marcio Jerry, pelo excelente trabalho desenvolvido em nosso estado”.

Daniella Tema (DEM) comemorou a sanção, pelo governador Flávio Dino, da Lei 11.455/2021, de sua autoria, que cria o selo “Empresa Amiga da Mulher”, dispositivo que beneficia o público feminino e incentiva as empresas maranhenses a promoverem ações e projetos para valorização da mulher e de combate à violência de gênero e ao feminicídio em suas instalações. De acordo com a deputada, que coordena a Frente Parlamentar de Combate e Erradicação do Feminicídio, da Assembleia Legislativa do Maranhão, a nova lei vai favorecer a visibilidade das pautas femininas, no âmbito estadual. “O combate à violência contra a mulher e a promoção dos seus direitos ainda é um trabalho que tem de ser feito diariamente e intensamente. Espero que tenhamos uma larga adesão do empresariado maranhense”, disse Daniella Tema.

A partir de amanhã, Quinta-Feira (6), a Agência Satélite Norte iniciará a venda de passagens de ferryboat da empresa Serviporto, na Rodoviária de Pinheiro. A iniciativa é fruto de uma solicitação feita pela deputada estadual Thaiza Hortegal (PP), atendida pela Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB). “Muito feliz com a concretização desse serviço que pleiteamos, o que é mais um avanço que tivemos na área. Ao longo do meu mandato, estamos sempre intercedendo junto à MOB, em favor dos usuários de ferryboat, e buscando melhorias reais. Agora, os passageiros contam com essa opção de compra de passagens, na própria Rodoviária de Pinheiro, o que facilita muito aos moradores, inclusive, o acesso a informações sobre as embarcações”, explicou a parlamentar.

 

PTB de Mical Damasceno continuará na base de Flávio Dino?

Mical Damasceno comandou a tropa bolsonarista na carreata de Domingo

Quando recebeu, no início do ano, a tarefa de comandar o PTB no Maranhão, na esteira de uma crise que tirou o deputado federal Pedro Lucas Fernandes da presidência e das fileiras do partido, juntamente com seu pai, o ex-presidente petebista e atual prefeito de Arame Pedro Fernandes, a deputada estadual Mical Damasceno parecia o nome mais improvável para comandar a hoje desfigurada agremiação partidária criada por Getúlio Vargas. Escolhida pelo chefe maior da sigla, o ex-deputado federal Roberto Jefferson, Mical Damasceno se encaixou perfeitamente no papel de chefe partidária, posição facilitada pela sua plena identificação com o ideário atual do PTB: o bolsonarismo na sua versão mais radical. O entusiasmo com que a deputada participou da carreata pró-Bolsonaro em São Luís, no último Domingo, confirmou sua posição no partido, mas levantou uma dúvida: o PTB vai continuar na base de apoio do governador Flávio Dino? Com a palavra, a deputada Mical Damasceno.

São Luís, 05 de Maio de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *